quinta-feira, 25 de novembro de 2010

As tentações


José Saramago disse um dia numa entrevista:
“ Devíamos estar a aprender até aos 50 anos e, a partir daí, aplicar os nossos conhecimentos na nossa actividade profissional”.
Não só estou de acordo, como vou mais longe. É possível começar uma vida nova aos 60 anos, desde que se encare essa etapa da nossa vida com o entusiasmo e o dinamismo de um recomeço e não com a amargura da proximidade do fim. A terceira idade não é o fim da linha das nossas vidas.
Há dias lia um estudo do IAPMEI, onde se revela que 2,9% dos empreendedores portugueses são reformados e 1,6% tem mais de 65 anos.Estava a pensar nisso e no novo rumo que decidi dar à minha vida, quando aquela tosse opressora que nos cola o peito às costas e percorre o corpo numa dor intensa que ameaça desventrar-nos, me lembrou que o maior erro da minha vida talvez tenha sido não conseguir renunciar ao tabaco. Mesmo quando temos confiança no futuro e acreditamos que recomeçar é possível, essa presença demoníaca do tabaco faz questão de nos lembrar que talvez não tenhamos muito tempo para pôr em prática os planos que traçámos para o futuro. Olho para a caixa das cigarrilhas e hesito. Vale a pena resistir ao prazer de uma fumaça a seguir à refeição, depois de tantos anos a fumar?
Prescindi da cigarrilha e fui para o computador fazer uns acertos num projecto, que vou amanhã apresentar. Fiquei durante alguns minutos bloqueado. O telefone tocou. Fui atender. Alguém pedia a minha colaboração para responder a um inquérito sobre hábitos tabágicos. Expliquei que não podia responder, em virtude da minha actividade profissional. Ao regressar ao meu escritório, a caixa das cigarrilhas atravessou-se no meu olhar. Cedi. Dei duas fumaças prolongadas e regressei ao computador. As ideias saíram com fluência, como no tempo em que acendia um cigarro com o argumento de que me ajudava a concentrar no estudo.
Senti um leve sopro no pescoço. Olhei, mas não havia ninguém. Pareceu-me ouvir umas risadas. Apurei o ouvido, mas só "ouvi" o silêncio. No espelho, formou-se uma névoa e a paz regressou ao escritório. O mafarrico terá ido pregar partidas para casa do vizinho?

11 comentários:

  1. Carlos Barbosa de Oliveira hat gesagt…
    Obrigado pela visita ao CR. Gostei de viajar até aqui e, se me permite, vou voltar com mais tempo.

    num necessita nunca há nada de interesse

    e se a vida começa aos 60 esqueceram-se de avisar um tio meu foi-se aos 56 ou coisa assi

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, Sr. Carlos...))

    De fumador para fumador, nada como um cigarro a seguir à refeição. É o único momento em que me sabe verdadeiramente bem. Os outros, quando dou por eles, já estão a fumegar.
    Não lhe louvo (nem a mim) o tabagismo, mas louvo-lhe o dinamismo e o empreendedorismo. Um grande exemplo!

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Da minha janela vejo o seu Rochedo
    Da minha janela vejo poemas, pinturas e muitas criaturas
    Da minha janela vejo além mar
    vejo-me a navegar
    A janela é virtual, chama-se windows por sinal
    Nela começei aos 64 anos a construir um projecto
    Na outra janela fumo um cigarro com filtro a dela me socorro sempre que esteja aflito ...
    Aflito de inspiração fumo
    e regresso ao teclado, acalmado, para brincar assim com as palavras!

    ResponderEliminar
  4. Nessa sua actividade é sempre muito difícil abandonar o tabaco, parece que "faz parte do contexto"..., mas não desista Carlos, não desista de trocar as voltas ao diabo.
    Infelizmente para as mulheres a partir dos 60 continua a ser mais do mesmo...

    ResponderEliminar
  5. Sempre é possível recomeçar, Carlos. Desde que não perdida pra sempre a chama da vontade. Vejo pelos meus pais. Depois que fizeram 60, parece que remoçaram!! Têm força, vigor e dinamismo aqueles dois! E quanto ao cigarro... meu companheiro, que se vai fazer? Não vou aqui fazer apologia do tabaco, mas eu gosto muito!

    Beijos

    Carla

    ResponderEliminar
  6. A vida pode recomeçar quando quisermos, seja aos 30 ou aos 60. Até poderíamos dizer que cada etapa pode ser uma vida nova.
    Boa sorte nos seus projectos e toca de afastar essas fumaças negativas do pensamento.

    ResponderEliminar
  7. Creio que o mesmo (ou próximo) se poderia aplicar aos políticos.
    Político deveria ser um indivíduo com larga experiência de vida profissional numa ou mais especialidades e então sim, aplicar os seus conhecimentos na política.
    Não acredito no político sem carreira profissional anterior ! Políticos de carreira, não !
    A política não se aprende nos livros, mas em experiência de vida vivida numa determinada especialidade.
    .

    ResponderEliminar
  8. A vida recomeça todos os dias, amigo. E todos os dis tomamos decisões importantes. Mas estou a escrever lugares-comuns! o Que queria mesmo testemunhar(-te) é que deixar de fumar é apenas uma decisão, que se toma alegremente como acto libertador . Assim foi comigo,há 8 anos, após 35 anos de 40 cigarros por dia!Há muito que não sionto sopros no pescoço nem risadas:)))))
    >Abraço

    ResponderEliminar
  9. Libertei-me do tabaco, mas fiquei para sempre preso à saudade dos cachimbos...

    ResponderEliminar
  10. Todas as idades são boas para recomeçar, basta acreditar.
    Quanto ao tabaco, meu amigo, deixei o vício há 15 anos e sinto-me bem, não engordei. E nunca me deu vontade de voltar a fumar. Acabou, acabou.
    Beijo

    ResponderEliminar