domingo, 31 de outubro de 2010

Esquina da memória (11)

Um dia, em Londres, um florista foi cortar o cabelo. Depois do corte, quando ia pagar, o barbeiro diz:
- 'Lamento, mas não posso aceitar o seu dinheiro. O que fiz foi um serviço à comunidade.'
O florista ficou satisfeito e foi-se embora.
Na manhã seguinte, ao chegar à loja, o barbeiro encontrou uma dúzia de flores e um cartão que dizia: 'Obrigado'.
Noutro dia, um polícia foi lá cortar o cabelo. Depois do corte, quando ia pagar, o barbeiro diz:
-'Lamento, mas não posso aceitar o seu dinheiro. O que fiz foi um serviço à comunidade.'
O polícia ficou satisfeito e foi-se embora. Na manhã seguinte, ao chegar à loja, o barbeiro encontrou uma dúzia de donuts e um cartão que dizia:'Obrigado'.
Um dia depois, um português foi lá cortar o cabelo. Depois do corte, quando ia pagar, o barbeiro diz:
- 'Lamento, mas não posso aceitar o seu dinheiro. O que fiz foi um serviço à comunidade.'
O português ficou satisfeito e foi-se embora. Na manhã seguinte, ao chegar à loja... adivinhem o que o barbeiro encontrou à porta ...
Não sabem? Então, provavelmente, ou é leitor recente do CR ou tem memória curta, porque eu já publiquei aqui esta estória em Outubro de 2008 (ahahah). Pronto, eu dou uma ajuda. Se quer saber a resposta leia aqui

16 comentários:

  1. 12 portugueses!!!

    Pensei muito pior. Ainda bem, que não comentei, e fui ver a solução.

    ResponderEliminar
  2. um garrafão de tintol vazio e meia sandocha de presunto

    uma dúzia isso era dantes

    hoje poucos são os que se dignam a apanhar um cêntimo do chão

    ou a comerem os acepipes dos supermercados

    parece mal

    a fiado só com cartão de crédito

    de graça só se for um concurso televisivo

    trocos....ou um corte de graça
    não dá status

    ResponderEliminar
  3. Num país cheinho de chulos, burlões, gatunos e chupistas... com os ensinamentos e os exemplos diários das nossas "podres" elites, já não admira que os pobres... queiram imitar os "professores" ;)

    ResponderEliminar
  4. Confesso que fui ver a solução, pois nessa altura ainda não o seguia, mas estou como a "ematejoca", pensei bem pior.
    :)

    ResponderEliminar
  5. Apostava na família toda mas também acho que me lembrava de ter lido esta história aqui...

    ResponderEliminar
  6. Fui ver a solução!
    Quer dizer que já em 2008 andávamos de tanga e sempre "aos caídos" :)))

    ResponderEliminar
  7. Que eu me lembre, a reacção dos portugueses ao longo de muitas décadas sempre teria sido essa !
    :)))

    ResponderEliminar
  8. Passados estes anos desta vez não seria diferente, a não ser a fila de borlistas que seria interminável.

    ResponderEliminar
  9. Como nós gostamos de borlas! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Ainda bem que numa altura desta o carlos ainda consegue ter sentido de humor. Pensei que a resposta me daria um batalhão de portugueses, errei já se vê, foram só 12.

    ResponderEliminar
  11. Isso faz-me lembrar uma fila que encontrei à porta de uma casa de banho pública, em Paris, que estava avariada e não precisava de moeda. A única diferença, é que era uma excursão de espanhóis... :)))

    ResponderEliminar
  12. A chico-espertice é uma das nossas características mais engraçadas, Carlos.
    Até porque, comparados com outros, somos uns chico-espertos relativamente inofensivos.
    E com poder de encaixe e sentido de humor.
    O Nani mostrou isso no sábado!!

    ResponderEliminar
  13. Só 12????????
    E não havia senhoras a aproveitar a promoção???????

    ResponderEliminar
  14. Enquanto lia a estava a pensar que já lera isto noutra parte. Enganei-me redondamente. Fora aqui! :)

    ResponderEliminar
  15. Não fui ainda espreitar, mas imaginei logo que ia encontrar uma data de portugueses à porta :)

    ResponderEliminar