terça-feira, 31 de agosto de 2010

Imagens da nossa memória (31)


16 comentários:

  1. Curioso que ainda cheguei a trabalhar nessa empresa, (Oliva - S. João da Madeira), mas já não fazia máquinas de costura ! :))
    .

    ResponderEliminar
  2. Minha avó e minha mãe trabalhavam numa dessas máquinas, da marca Singer. Eu achava lindo a forma como davam ao pedal. Mais tarde, percebi, por experiência própria, que não era tão "lindo" assim...

    ResponderEliminar
  3. Minha avó tinha uma Singer, mas já era bem mais moderna, elétrica.Até hoje acho lindas essas mais antigas, me remetem à roca da Cinderela...

    ResponderEliminar
  4. Carlos, eu adorava ver a minha mãe a pedalar, na máquinha de costura, quando era criança. Agora tenho-a na minha casa, mas como objecto decorativo. Nunca me adaptei a coser com ela (nem com nenhuma) estou como a Rosa Carioca...
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. minha mãe trabalhava, em casa, numa
    máquina Singer,como essa.Lembro-me,
    que enquanto costurava,cantava can-
    ções portuguesas que ela aprendera,
    quando jovem, em Portugal.
    Abraços

    ResponderEliminar
  6. Tenho uma dessas, herança da avó materna. É linda :)

    ResponderEliminar
  7. A Oliva e a Singer ambas são minha familiares...

    ResponderEliminar
  8. O meu pai teve a triste ideia de oferecer uma máquina de costura à minha mãe. À minha mãe!!!
    Como os homens conhecessem mal a mulher que amam...
    A máquina era uma SINGER e muito mais bonita e moderna do que a da imagem aqui. Mesmo assim, a SINGER originou uma tragédia lá em casa.

    ResponderEliminar
  9. Uma máquina dessas, todos tivemos na vida, Oliva ou Singer... Úm pouco como Fiat 600, Carocha ou Mini...
    (A minha Oliva ainda existe, foi electrificada e ainda mexe. Entretanto muito boas e recentes marcas já encostaram, talvez umas 2 ou 3. Sempre que encostam lá entra o objecto de museu...)

    ResponderEliminar
  10. Tenho uma guardad em Portugal, mas não é Oliva, é Singer.
    Era usada pela minha avó e e é mais uma das minha relíquias.

    ResponderEliminar
  11. Que boas memórias! Os verões passados em casa da minha tia. Ela bem se esforçava para fazer de mim uma moça prendada, mas no ano seguinte já me tinha esquecido de tudo, ou fingido esquecer.
    O que nunca consegui mesmo foi ter a perícia dela a mexer neste maquinão. Só conseguia "coser para trás." :-p

    ResponderEliminar
  12. As vezes que eu brinquei com o pedal de uma máquina igual. Infelizmente nunca a usei.
    :)

    ResponderEliminar
  13. Havia uma na casa da minha avo mas era Singer :))

    P.S.: caso o nome nome nao lhe diga nada, talvez a palavra Koud ajude.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  14. É engraçado como todos os comentadores vão falando da mãe ou da avó, a propósito da Oliva.
    O meu relacionamento com a dita marca foi bastante mais lúdico, não foi? :))))

    ResponderEliminar
  15. Rui: Há coincidências agradáveis. Vivi o quotidiano da Oliva muito de perto, desde que me conheço. Já escrevi, em tempos, alguns posts sobre isso...Aquele ferro de engomar que aqui publiquei há dias, também veio de lá...

    Carlota: Também brinquei muitas vezes a pedalar numa igualzinha, paa irritação da minha mãe.


    Maloud: Se foi!:))))

    ResponderEliminar
  16. Para mim esta é ainda uma imagem bem actual, com a qual a minha mãe tão habilmente borda lindissimos lençóis.

    Já escrevi sobre ela.

    ResponderEliminar