sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Imagens da nossa memória (20)

Para quem não sabia ( ou não se lembrava), aqui fica a informação. Antes do 25 de Abril de 1974 era preciso pagar uma licença para ter isqueiro. E esta hein?
Imagem anterior: Matchbox Series

13 comentários:

  1. Ainda me lembro!
    Dizia-se que era para proteger a indústria fosforeira nacional....

    ResponderEliminar
  2. Faltou dizer que só não era precisa licença para o acender "Debaixo de Telha" (leia-se dentro de casa).
    Em Coimbra, os estudantes andavam com uma telha na mão e acendiam os cigarros nas barbas da polícia com a respectiva telha por cima do cigarro e do esqueiro ! rsrsrs
    Depois usavam a respectiva argumentação. rsrsrs
    .

    ResponderEliminar
  3. Sabia, mas nunca paguei para uma aberração dessas, nem sei se havia ou não fiscalização. [sim sim, comecei a fumar cedo,LOL, mas livrei-me do vício depois dos trinta e antes dos quarenta ]
    private joke!!!lolll
    :)))

    ResponderEliminar
  4. Estive em Angola e como fumava comprei um isqueiro em forma de pistola a gasolina. Quando regressei a Portugal ofereci esse isqueiroa um irmão meu já falecido. Um dia num autocarro em Lisboa ele puxa do isqueiro e como ele funcionava mal virou-se para o banco de trás e grita: É pá arranja-me um fósforo para acender o isqueiro. Levanta-se um indíviduo do banco ao lado e depois de se identificar, pergunta pela licença de isqueiro. O meu irmão olha para ele e diz: Ai tu queres a licença? E sem mais palavras, empalma o isqueiro na mão e manda uma forte palmada na cara do tipo, que de certeza ficou com a marca do isqueiro na cara.
    Depois por aqui me sirvo e vai de saltar do autocarro em andamento.
    Eu que tinha pouca prática de salto em andamento saí na paragem seguinte.
    Enfim, eram tempos dificeis.

    ResponderEliminar
  5. Fora de tema, ou talvez não, ontem quando voltava a casa de metro ouvia nas minhas costas o vozeirão de uma mulher que bradava a quem a quizesse ouvir, ou seja a todos os que viajavam na mesma caruagem, que com o Salazar não havia os incêndios como há agora. A meio do seu monólogo disse mesmo com todas as letras que no tempo da outra senhora é que era! Não foi difícil identificar a dita senhora quando me levantei para sair na minha estação, difícil foi acreditar que ela não teria mais de 30 anos!

    ResponderEliminar
  6. Então não lembro? E eu que, estúpida, só deixei de fumar há 8 anos...

    ResponderEliminar
  7. Gostava de conhecer os critérios necessários para deferir o licenciamento.

    ResponderEliminar
  8. Sabia, mas nunca tinha visto tal documento.

    ResponderEliminar
  9. Também me recordo de um episódio ocorrido num café de um familiar, em que um cliente, ao tirar o tabaco do bolso, deixou cair o isqueiro. Aflito, fez um gesto de silêncio aos companheiros de mesa, porque estava presente no estabelecimento um elemento da GNR. Isto passou-se em 1964 ou 65, numa vila do interior, e demonstra o que se passava com muitos utilizadores de isqueiros por todo o pais – utilizavam-nos com medo, mas não pagavam a licença.

    Como foi dito, parece que a receita da licença dos isqueiros servia para apoiar a indústria fosforeira ou, pelo menos, a sua cobrança serviria para incentivar o uso dos fósforos.

    Eram, efectivamente outros tempos, e algum tempo depois, julgo que no início dos governos de Marcelo Caetano, a licença de isqueiros foi extinta.

    Normas e situações destas, contadas aos jovens de hoje, parecem-lhes histórias do outro mundo e nem acreditam. Não eram de outro mundo, mas eram de outro tempo.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  10. Ainda voltando aos fósforos, havia os de madeira e os de cera. Naquela altura, e se não me falha a memória, as caixas grandes com 40fósforos (ou amorfos) custavam $50 (cinquenta centavos = cinco tostões) e as caixas pequenas, de 20 fósforos, custavam $30 (trinta centavos = três tostões).

    Estes preços incluíam, nas caixas grandes, $05 (cinco centavos ou meio tostão) e, nas pequenas, $03 (três centavos) para o Soc. Soc.

    O Soc. Soc. era o Socorro Social.

    Alguém sabe o que era isso?

    ResponderEliminar
  11. Era para garantir que não se acendessem bombas, que raio... não chego a conclusão nenhuma qual a razão desta lei? Será que o autor da lei, pensava que um isqueiro era uma arma de fogo? ;D

    ResponderEliminar
  12. Ah, esqueci-me! Obrigadinho pela sua visita!

    ResponderEliminar