quarta-feira, 21 de julho de 2010

Porreiro, pá!

A polícia perseguiu uma carrinha durante vários quilómetros, na Via do Infante. Lá dentro iam três criminosos com cadastro acusados, entre outras coisas, de estarem envolvidos na morte de um graduado da polícia. A carrinha acabaria por se despistar e os fugitivos, depois de assistidos no hospital, foram presentes a Tribunal que lhes aplicou o termo de identidade e residência. A justificação da Procuradora para uma medida de coacção tão branda terá sido ( de acordo com a TVI) que os arguidos afirmaram não ter cadastro.
Ora, a ser verdade, pode concluir-se que a palavra de criminoso é sagrada e nem vale a pena mandar investigar. Manda-se para casa e pronto.
Ora bolas! As séries policiais americanas sempre têm mais emoção. Pelo menos as Procuradoras não são tão ingénuas...

8 comentários:

  1. Já não seria o 1º caso em que confiam na palavra de criminosos.
    Nem 24h para investigar o assunto, vão logo para a sua vidinha normal ;)
    Agora vou meditar para ver se me lembro das razões de gostar de viver neste país :)))

    ResponderEliminar
  2. É por isso que continuam criminosos à solta a fazer muito bem o que querem, pois ninguém lhes toca.
    Assim como aqueles que me assaltaram, as impressões digitais estão do lado de fora da viatura e não encontram nada do lado de dentro, por isso não se lhe pode fazer nada, mas não é estranho estar a mesma impressão digital em quatro viaturas no mesmo sítio???
    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Já agora, é só para informar que me viciou a andar à procura de postais de Correio antigos ;)))) não sei quantos se podem colocar no Passatempo mas não resisti a pôr mais outro e espero ficar por aqui e à conta disso, virei a casa de pernas para o ar, à procura dos ditos cujos lol lol
    Bjos

    ResponderEliminar
  4. Quando for grande quero ser ladrão de bicicletas... lololol

    ResponderEliminar
  5. Suponho que a polícia de trânsito já tem acesso às multas em atrazo de quem é apanhado em falta na estrada;
    Também as dividas às finanças já são detectáveis de imediato em muitas circusnstâncias.
    Porque é que nos tribunais ainda não há acesso ao registo criminal de quem é julgado ?
    Não sabem ? ... é porque isso não envolve dinheiro ! :(( ... portanto não tem interesse para o Estado.
    .

    ResponderEliminar
  6. Carlos,
    Mas não andarão a brincar conosco ou julgam que somos burros?
    Para quê mais comentários?...
    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Não haverá erro na notícia?
    É que nos tribunais já se tem acesso informático ao registo criminal e em segundos consegue-se confirmar a inexistência de antecedentes. Poderiam ser acusados, mas ainda não condenados, ou as condenações por serem de multa ou anteriores a cinco ou dez anos (não sei muito bem o prazo) já não constarem do CRC.

    ResponderEliminar