domingo, 6 de junho de 2010

Quando o jornalista quer ser o centro da notícia dá nisto..

Porque hoje é domingo, vou deixar aqui uns videos sobre alguns temas que me parece oportuno recordar. Este recorda-me, entre outras coisas, o dia em que recebi um prémio de jornalismo ao lado desta senhora.
É um video longo, mas basta que vejam os primeiros dois minutos e depois tirem as vossas conclusões. É o jornalismo espectáculo no seu pior!

10 comentários:

  1. Eu não acredito!.
    A minha alma está parva.

    ResponderEliminar
  2. Carlos

    Para mim que sou um perfeito ignorante na matéria, mas na minha memória ainda está presente o tempo em que nem bom jornalismo se podia fazer. Acredite que prefiro os tempos em que se pode fazer o bom, mas para isso tambem "à boleia" vai o mau. A selecção é feita naturalmente por quem vê e lê. Quando passar esta fase em que as manchetes vendem mais do que os conteúdos, os bons profissionais da comunicação social, serão mais apreciados e naturalmente o seu trababalho sério será devidamente reconhecido.
    abraço

    ResponderEliminar
  3. Para quem tão jovem já recebeu um prémio de Carreira, supostamente tudo lhe deveria ser permitido.
    Gostei da irreverência e principalmente da reacção do J.C. Malato.
    Sem comentários, foram os agentes da autoridade virem aos pares de cinzeiro na mão. Penso que um assistente de produção seria suficiente.

    Bom Domingo!

    ResponderEliminar
  4. Carlos,

    ... quando isso acontece dá no que nos mostrou e em pior. Lembro que "esta jornalista" é uma notável passadora de droga disfarçada e jornalismo de investigação e com estabelecimento permitido o: "SOL". A si, fora de qq suspeita, só pergunto porque aceitou o prémio? Não seria acto inusitado... J.P. Sarte recusou um Nobel, por razões bem mais subjectivas do que as que poderia enumerar...

    ResponderEliminar
  5. Nada de pior que o jornalista ser a notícia.
    Sempre foi isso que ouvi de amigos jornalistas.

    ResponderEliminar
  6. Folha Seca: espero poder vira dar-lhe razão. A bem do jornalismo.

    ResponderEliminar
  7. Rogério: aceitei, porque nada teve a ver com o prémio atribuido a Felícia Cabrita. Tina acabado de regressar a Portugal e foi um incentivo para mim, que me motivou bastante.

    ResponderEliminar