sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Coisas do Sebastião (18)

O mundo científico norte-americano anda em pé de guerra por causa do sono.
Enquanto investigadores da Universidade de Chicago afirmam que dormir pouco provoca obesidade, stress, perda de memória e envelhecimento precoce, e aconselham a dormir regularmente oito horas, evitando as habituais recuperações de fim de semana, dormindo até tarde, os seus colegas da Universidade de San Diego garantem que deitar tarde e cedo erguer é o melhor remédio para garantir a longevidade.
Depois do estudo que realizaram em mais de um milhão de americanos, afirmam ter chegado à conclusão que quem dorme entre cinco e sete horas vive mais tempo do que os que gostam de cumprir o ritual das oito horas diárias.
Como as conclusões parecem ser contraditórias, o melhor mesmo é não dar muita importância ao assunto e continuar a dormir tranquilamente. De preferência, fazendo como os nossos vizinhos espanhóis que não dispensam a tradicional “siesta”.



28 comentários:

  1. E vá lá que neste caso as opiniões dividem-se mas são contemporâneas.
    Lembra-se quando o pior que havia era comer peixes gordos, tipo sardinha, salmão, etc? Pois, agora são os melhores para a saúde.
    Mudam-se os tempos...
    Veludinhos azuis

    ResponderEliminar
  2. Vou continuar a dormir as minhas 6,7...

    ResponderEliminar
  3. Eu durmo pouco; já lá vão quase 47 anos; acho, até, que sou a versão feminina do Professor Marcelo; somos chatos, muito chatos, pelo que o Lá-de-Cima tem imensa dificuldade em arranjar um lugar para nós.

    ResponderEliminar
  4. A mim, quem me tira as minhas 8 horas de sono, nem sabe o que o espera no dia seguinte.

    ResponderEliminar
  5. Quero lá saber dos estudos científicos. Eu também não vou em tretas e contradições. É o que o corpo pedir e ponto final.
    Bjo e bom final de semana

    ResponderEliminar
  6. O meu pai, desde sempre cumpriu o ritual da sesta. Hoje, com 77 anos, continua a fazê-lo e ninguém diz que tem esta idade.
    Por isso, acho que vou começar a seguir o exemplo....desde já!
    Até logo...

    ResponderEliminar
  7. Ora bem, eu vou seguir o conselho baseado no saber de experiência feito do amigo!
    Enquanto lá pelas américas, os sapientes cérebros não se entendem vou manter a mesma serena postura de ressonar no colchão e reflectir no sofá ... expressão a que recorro frequentemente para despistar as herdeiras que vão alertando "o pai está a dormir", só que, sendo aquele sono ainda leve, a gente parece que ouve e logo respondo "estou a reflectir" ...

    Porque sou, ou acho que sou, cavalheiro educado, não posso deixar de relevar a referência que me fez num comentário à Blonde. Pela parte que me toca, muito me alegra a deferência de já me considerar quase como um membro de pleno direito do blogobairro!

    E, acredite, a porta está sempre aberta e pode sempre entrar. E eu, das vezes que por cá não debito nada, é mesmo por andar ocupado em coisas menos prazenteiras mas que me permitem ir tendo na carteira daquilo com que se vai aos melões.
    É um prazer vir a este rochedo sempre que posso.
    E, mais uma vez, grato pela deferência.

    ResponderEliminar
  8. Oh Carlos, mas a 'coisa' com a siesta vai para umas dez ou onze horas!

    ResponderEliminar
  9. De acordo com a conclusão. Mas para que esta questão não fique com insónias, tenho dias que durmo muito e outros que durmo menos. Infelizmente a siesta só é possivel mesmo ao fim-de-semana.

    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Eu prefiro as 8 horas, mas tomar um café antes.. ;)

    ResponderEliminar
  11. Eu sou 'mulher' para dormir entre 7a 8 horas por noite e, se bem que muitas vezes gostava de conseguir ficar a matina toda a dormir (especialmente se estiver mesmo a precisar de descanso e/ou de fechar a loja por um bocado) não é nada disso que me acontece. Só coloco o despertador por uma questão de segurança/hábito pois geralmente muito antes da hora, já eu me viro e reviro na cama ou já dela saí.
    Por isso os caros investigadores podem continuar a fazer estudos com resultados contrários, que eu cá continuarei a dormir o mesmo.
    E apesar de raramente conseguir dormir uma sesta, adoro o conceito, a recarga de energias que dá, os dias de verão ou as tardes de fim de semana de puro ócio que as mesmas representam.

    ;)

    ResponderEliminar
  12. Sou uma militante fervorosa da insónia e ainda cá ando.

    ResponderEliminar
  13. Blue: Lembro, lembro. A dieta mediterrânica era considerada uma coisa de alarves dos países do sul da Europa.

    ResponderEliminar
  14. Cristina: Então não é? sempre que posso, nem que sejam 20 minutitos, não perco a oportunidade. Revigora-me e fico como novo.

    ResponderEliminar
  15. Fátima: É também a minha média ( mais para as 6)

    ResponderEliminar
  16. Gi: Não me diga que também lê aquela quantidade de livros todas as semanas!

    ResponderEliminar
  17. Teddy Só que às vezes o corpo pede, mas depois chego à cama e nickles!

    ResponderEliminar
  18. Si: E faz muito bem. eu fico muito melhor quando durmo a sesta.

    ResponderEliminar
  19. Ferreira- Pinto: Tire o quase, faz favor! Obrigado pelas suas palavras.

    ResponderEliminar
  20. Patti: a minha siesta é sempre muito curta e não vai além da meia hora. Se juntar ao máximo de 7 durante a noite, nem chego a atingir a dose recomendada.

    ResponderEliminar
  21. Paulo: Curiosamente, ao fim de semana é raro dormir a sesta.

    ResponderEliminar
  22. Senhora: Café antes de ir dormir? Eu tomo para não dormir.

    ResponderEliminar
  23. Maloud: Quando tenho uma noite de insónia, no dia seguinte fico um rabugento que nem te conto!

    ResponderEliminar
  24. Não costumo ler estas "conclusões" muito à letra. São sempre muito parcelares.

    Uma coisa é certa... enquanto se dorme não se come...rsrsrs

    É sempre um prazer lê-lo!
    :))

    ResponderEliminar
  25. para quando o estudo aos que dormem entre três a cinco horas por dia?
    os cem anos ninguém me tira.
    abraço

    ResponderEliminar