quarta-feira, 8 de agosto de 2018

O perigo amarelo (1)



Este troglodita, com o apoio de Trump, quer ser o próximo inquilino do nº 10 de Downing .
A última das suas bacoradas foi comparar mulheres de burqa a marcos de correio. 
E ainda há quem diga que as loiras é que são burras!
Em Inglaterra, ainda há alguns políticos com um pingo de vergonha na cara mas, como não têm coragem de exigir a demissão de energúmenos como Boris Johnson, limitam-se a fazer advertências. 

A Gata



( Hoje  é o Dia Internacional do Gato. Assinalo a data, recuperando este texto que dediquei à Preta em Maio de 2009)

Era a gata mais feia que algum dia vi na vida, mas era uma gata simpática que me cumprimentava sempre que nos cruzávamos. Nas manhãs frias de Inverno sentava-se no beiral da garagem gozando os favores do sol e à minha passagem lançava-me um “miau” desprendido. Fazia-o por educação, porque àquela hora não estava para conversas.
Diferente era o seu comportamento se nos cruzávamos durante o dia. Por vezes abria-lhe a porta e deixava- a entrar no prédio, à minha frente. Saltava para a mesa do hall de entrada e lançava-me um miau dengoso de agradecimento.
Outras vezes, normalmente ao início da noite, quando chegava a casa, ela lá estava sentada nas patas traseiras. Assim que eu entrava lançava-me um longo miau. Era nessa hora que, habitualmente, conversávamos. Fixava o olhar dela no meu, tentando perceber as minhas palavras até que, em determinada altura, levantava a pata esquerda e coçava os olhos, como a perguntar: “quando é que aprendes a falar língua de gato para eu te entender? Nessa altura dava-lhe as boas noites e despedíamo-nos entre miaus amistosos.
Se chegava a casa cansado ou sem me apetecer conversar, ela só parava de miar quando eu entrava no elevador. Por vezes, já no elevador, lançava-lhe um desafio em voz de cão e ela elevava o tom do seu miar, mostrando o seu desagrado. “ Não estejas a desconversar!”.
Convivi com ela durante 10 anos. Ontem de manhã não a encontrei a apanhar banhos de sol, nem a vi durante todo o dia. Hoje de manhã perguntei por ela à porteira. Na terça–feira ficou doente. Morreu ontem de manhã nos braços do veterinário, que fez tudo para a salvar. Ataque de coração, foi o diagnóstico.
Não me pude despedir da minha amiga gata. Trocar com ela um último miar. Com quem vou conversar quando entrar no prédio logo à noite?
Que sejas feliz no céu dos gatos!