terça-feira, 17 de julho de 2018

Chamem um notário, p.f.*




A ministra da Igualdade espanhola decidiu mostrar ao mundo que gente idiota também pode ser ministra Daí, resolveu  fazer alarde da sua estupidez e  apresentou uma proposta, no sentido de um acto sexual que não tenha o consentimento expresso da mulher, seja considerado violação 
Gostaria muito que a ministra explicasse se  o consentimento tem de ser reconhecido presencialmente por um notário, ou basta que o macho apresente como prova uma gravação, onde a parceira diga solenemente: 
"Juro, por minha honra, que vou para a cama com este gajo de livre vontade"
Até quando teremos de assistir a esta degradação do poder político que escolhe para cargos de governo gente sem um mínimo de capacidade cívica para o desempenho das funções?
Este caso deveria ter levantado um sobressalto cívico em Espanha, não se desse o caso de os espanhóis terem perdido capacidade para se indignarem, deixando essa tarefa para as mulheres.
*Tenho sido assediado por uma espanhola, mas não avanço, porque tenho medo que ela me acuse de violação. Um Homem hoje em dia tem de saber defender-se...