quarta-feira, 13 de junho de 2018

Cabe sempre mais um. Até quando?




Quando  Itália e Malta recusaram receber um navio com 629 migrantes à deriva no Mediterrâneo, o Homem Branco indignou-se ( justamente!) com a desumanidade de Salvini. Como já se indignara com Orban, Erdogan, Marine Le Pen, Trump e outros que escolhem um  discurso populista  com cada vez mais adesão nas ruas e nas urnas. 
As indignações passam depressa, por isso, logo que o Aquarius ancorar em porto seguro e depositar os migrantes, o assunto deixará de ser notícia. 
Muitos dos indignados nem sequer chegarão a  saber que os migrantes foram divididos por 3 barcos, por razões de segurança,  nem que muitos deles  disseram que não queriam ir para Espanha - quase provocando uma rebelião a bordo - porque já estarão a indignar-se com a desdita de mais 800 migrantes que andam à deriva no Mediterrâneo, na expectativa de encontrarem um porto de abrigo.
Depois espantem-se com o crescimento da extrema direita e a radicalização do discurso xenófobo.
Já não viverá muito tempo quem não assistir a uma mudança radical no discurso europeu, relativamente ao acolhimento de migrantes nas águas do Mediterrâneo. 



Equívocos de Santo António

I met a Chinese girl when I was in Lisbon , two days before Santo Antonio's Day
 I asked her if she would escort me for a sardine's dinner  and asked for her mobile number, so I could call her.
 She got excited and said:
"SEX SEX SEX WANT FREE SEX FOR TO NIGHT".
Wow, I'm guessing this is how Chinese woman expresses hospitality!
But then, my friend explained me what she really said it was: "6 6 6 1 3 6 4 2 9"