segunda-feira, 2 de abril de 2018

TOP FIVE

E os CINCO posts mais lidos durante o mês de Março, após 51 846 pageviews, foram:

5- Postal para Marcelo Rebelo de Sousa ( 1370) 

4- Ó Cristas! Então vai p´ró ballet (1425)

3- Que raiva, senhor doutor juiz  (1804)

2- A Brasileira de Prazins ( 4068)

1- Para onde vai o dinheiro das escolas? (9196)

Obrigado a todos os leitores que continuam a passar pelo CR e assim ajudam a que continue a ter vontade de aqui estar

"A nossa vergonha"




O título deste post foi roubado da crónica do Miguel Esteves Cardoso  hoje no "Público" ( sem link) .
MEC envergonha-se com a actuação do  governo e do estado espanhol na causa Catalã, lembrando aquilo que desde sempre me parece óbvio:  é patifaria prender pessoas só porque têm ideias políticas inconvenientes,  ou considerar traição o facto de os catalães quererem ser independentes. 
A este propósito  apenas recordaria, mais uma vez,  que se os portugueses que em 1640 quiseram ser independentes da tirania filipina,  tivessem sido considerado traidores, Portugal não existiria. O mesmo é válido para  as nossas colónias em África. E nesse caso, obviamente, também não teria havido TIMOR que  uniu e tanto emocionou a sociedade portuguesa. 
A vergonha de MEC, porém,  abrange  outra vertente que também já aqui abordei: a solidariedade europeia e portuguesa com Madrid é uma indignidade que nos devia envergonhar a todos.
Fico satisfeito por MEC partilhar a minha opinião nesta matéria mas, mais ainda, porque na sua crónica ( que vale a pena ler) faz referência a um Manifesto divulgado ontem no Público, com o título " BE,  PS,PSD, CDU e PAN  unidos num manifesto pela Catalunha". Ali se pede  a liberdade dos presos políticos  catalães, algo que deveria ser consensual no amplo espectro partidário, mas que não mereceu a concordância do CDS.
MEC indigna-se uma vez mais com a posição do partido ( de que ele próprio está próximo) e pergunta: 
"Como é que (o CDS)  se discorda duma única palavra de um protesto tão claro, simples, democrático e humanista (...)?
Eu creio ter a resposta: o CDS anda feliz, porque a democracia centrista se esgota na exibição de Adolfo Mesquita Nunes como símbolo da pluralidade e da "tolerância homofóbica" reinante no Largo do Caldas.

Balanço da Semana Santa




1- Palestinianos manifestam-se na Faixa de Gaza. Atiram umas pedras para o outro lado e os militares israelitas respondem a tiro.  O Koweit recebe apoios dentro da ONU para a sua proposta de criação de uma  task force independente que avalie o que se passou.  Os EUA , no entanto,vetam.
Moral da História: os filhos da puta protegem-se sempre

2- O ditador Erdogan- que invadiu Afrin, matou milhares de curdos e os expulsou do seu território- fez um discurso inflamado aos turcos. Depois de tecer duras críticas à actuação das tropas de Israel na véspera, na Faixa de Gaza, chamou criminoso e terrorista a Nethaniau.
Moral da História: Diz o roto ao nu

3- A  falta de provas e a entrada da polícia e serviços secretos ingleses num avião da Aeroflot, sem conhecimento da tripulação, nem das autoridades russas, aumenta a convicção de que a acusação de Theresa May a Putin é um enredo semelhante ao das armas químicas do Iraque. No dia de Páscoa, Putin faz xeque à rainha, pedindo para que seja autorizada uma visita oficial a Skripal e sua filha. May manda dizer que... vai pensar.
Moral da História: Quem não deve não teme

4- Kim Jong Un desloca-se a Pequim para uma reunião com Xi Jin Ping. Terminado o encontro, o presidente chinês informa a Casa Branca do que foi acordado entre os dois lideres. Assiste-se a um desanuviamento na península coreana, com a aproximação entre as duas Coreias. Como sempre, o Ocidente desconfia e desvaloriza qualquer tentativa da paz em que não seja protagonista.
Moral da História: E os Diabos somos nós?