quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXL)


Influenciado pelos ares mágicos do final de tarde, quando o Dragão veio ao Estoril papar uns canários, lembrei-me deste sucesso de Peter Paul & Mary.
Boa noite!

Breve crónica sobre a estupidez humana




Um autocarro com turistas sobe a Avenida da Liberdade. A determinado passo do percurso, o condutor  é obrigado a desviar-se para a  berma. para fugir a um outro veículo. Alguns ramos das árvores são arrancados, os turistas que viajam no piso superior (descapotável)  são atingidos e 13 ficam ligeiramente feridos.
Não foram ainda apurados os responsáveis pelo acidente, todos os turistas estão em perfeitas condições de saúde, prosseguindo as suas férias, mas já há um culpado: a árvore!
Num processo sumaríssimo, a câmara de Lisboa mandou cortar a árvore ( provavelmente acusada de não se ter desviado do autocarro) e agora ameaça retirar competências ao presidente da junta de freguesia de Santo António, por não  cuidar devidamente  da manutenção das árvores na Avenida da Liberdade.
Como o presidente da junta é do PSD e o da câmara  do PS, prevê-se uma longa discussão com litigâncias de má fé de permeio.
Entretanto a pobre árvore, alheia às querelas e sem culpas no cartório, foi privada da vida pela impiedosa mão humana, numa sublime manifestação de estupidez.
As árvores continuam a não ter voz mas, ainda assim, continuam a morrer de pé

A Vendetta

Caiu muito mal no PSD a escolha de Elina Fraga para vice-presidente.
Especialmente entre os adversários de Rui Rio, a escolha representou uma afronta para o governo Pafioso.
 No dia seguinte a comunicação social fez jus ao seu papel de apoiante do governo Passos/ Portas e divulgou a notícia de que a ex-bastonária dos advogados está sob investigação.
A celeridade em inquinar a escolha de Rui Rio, não explica apenas o estado a que chegou a justiça. Mostra também como a comunicação social assume, sem complexos, que a sua missão não é apenas informar. Tem uma agenda que passa, indubitavelmente, pelo apoio à direita mais retrógrada que governou o pais desde 1974. E se para isso for necessário recorrer à "vendetta", há media e jornalistas que não hesitam fazê-lo.