sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXIII)

Para esta noite escolhi uma canção italiana, cantada no Festival de San Remo de 1968, por um brasileiro.
Boa noite e bom fim de semana

São precisos dois para dançar o Tango




Joana Marques Vidal lamentou as  notícias que têm vindo a público nos últimos dias sobre processos judiciais em curso e não se coibiu de acusar os jornalistas por  explorarem estes casos.
Em primeiro lugar quero aplaudir a PGR por, finalmente, se ter manifestado sobre as fugas de informação. 
Lamento, porém, que só agora o tenha feito, pois já há muito tempo devia ter tomado posição sobre o assunto. (Nomeadamente quando Sócrates foi preso à saída de um avião, diante de jornalistas previamente avisados).
Por outro lado, Joana Marques Vidal devia saber que se as fugas de informação acontecem, é porque há alguém, nos meandros da Justiça, que está interessado nisso.
Nunca se esqueça, senhora Procuradora, que são precisos dois para dançar  o tango.

Conversa surrealista. Ou talvez não...

Oficial de diligências- Assine aqui este papel
LFV - Que papel? Que m.... é essa c.....?
Oficial de diligências- É a informá-lo que foi constituído arguido
LFV- Assino esta m....João?
João Correia- Assina. Eu depois digo à comunicação social que não assinaste e não és arguido.
LFV ( enquanto assina) - Vou ligar ao Bernardo para ele convocar a comunicação social e tu vais dizer-lhes que eu não sou arguido, ok?
João Correia- Está bem, mas tu também devias falar.
LFV- Eu P'ra quê, c.....?
João Correia - Para explicares como é que o Alverca subiu da 3ª divisão à I Liga num ápice, quando tu eras presidente, e depois de lá saíres se afundou nas distritais e nunca mais de lá saiu...
LFV- Tás parvo, ou quê? Qu'e que o Alverca tem a ver com as buscas a minha casa e ao Benfica?
João Correia- Desculpa lá.... estava  pensar noutra coisa, tinha a cabeça no Japão...
LFV - ( para o oficial de diligências) .- Tome lá esta m.... e ponha-se a andar. 
( Uma hora depois os jornalistas acotovelam-se no estádio da Luz à espera de LFV e João Correia). Ao presidente do SLB ninguém conseguiu por a vista em cima mas  João Correia, com ar de enfado, lá se prontificou a responder às perguntas dos jornalistas.
Jornalistas- Pode esclarecer por que razão LFV foi constituído arguido?
João Correia- O presidente do Benfica não foi constituído arguido
(Nenhum jornalista percebeu a subtileza por isso, depois de uns minutos de blá-blá, retiraram-se para as redações)
Um deles, ao chegar à redacção, lembrou-se de telefonar para a PGR a relatar a conversa com João Correia. Meia hora depois a PGR emite um comunicado em que confirma que LFV foi constituído arguido.
Depois de contactarem João Bernardo, os jornalistas voltam ao estádio da Luz para nova conversa com João Correia
Jornalistas- A PGR emitiu um comunicado a dizer que LFV é arguido no processo Lex
João Correia- O MP até pode estar convencido que o presidente do Benfica é arguido, mas não é.
Jornalista- Mas não é porquê?
João Correia- Porque estou a dizer que não é. Porque não há provas, apenas suspeições vagas e difusas e as buscas foram ilegais
Infelizmente- porque não foram  autorizados pelo chefe, ou porque houve um apagão total daqueles neurónios- nenhum jornalista  perguntou a João Correia se acumulava as funções de advogado do SLB e de LFV, nem lhe lembrou este episódio



A justiça quer fazer de nós parvos?


No mesmo dia, ouvimos o MP fazer "mea culpa" pela actuação no caso Centeno, alegando que " não podia ignorar as notícias dos jornais"  e o CSM dizer que não podia suspender os juízes Rangel e Galante, porque " não tem conhecimento das buscas"  ( apesar de, obrigatoriamente, as buscas terem sido acompanhadas por juízes e terem sido tão amplamente noticiadas pelos jornais, que antes de  começarem as buscas em casa de Rui Rangel, já lá estavam jornalistas da Sábado).
Já chega de fazer de nós parvos, porra!