quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Uma Alma Inquieta



Eu sabia há três anos que Ela me viria bater à porta a qualquer momento, mas não sabia como seria informado da sua chegada.
Desde Maio que peço, quase diariamente que Ela venha depressa
Há pouco mais de duas semanas fez-se anunciar por um mensageiro  que me avisou da Sua chegada eminente.
Quando a pressenti a pairar sobre o terraço suspirei de alívio e até lhe agradeci. pois foi sempre meu desejo morrer a ver o mar
Preparei-me com tranquilidade para a partida mas ELA, cínica e perversa. tinha-me reservado uma surpresa. Em vez de entrar em casa e me levar sem delongas,  sentou-se ao meu lado no baloiço do terraço, paralisou todo o lado esquerdo do meu corpo e retirou-se dizendo: já não te resta muito tempo, mas ainda tens uma missão a cumprir. Volto quando tiveres terminado.
Quando estava no Hospital de Cascais, pensei que a Cabra queria que eu, num assomo de fúria, escrevesse um post irado a denunciar a foma ignóbil como fui tratado, especialmente por uma enfermeira que às 5 da manhã deve ter saído do bordel directamente para o hospital com o objectivo me azucrinar a vida e a da Baixinha que me acompanhava. Mais tarde, depois de quatro horas  à espera de uma ambulância que me transferisse para o Hospital de Santa Maria ( onde fui muito bem tratado, embora dispensasse ouvir as discussões sobre questões laborais e competências de algum pessoal de enfermagem) confirmei que entregar o negócio da saúde a entidades  privadas cujo único objectivo é o lucro foi um erro colossal e desejo que os mentores das parcerias público - privadas na área da saúde sejam exemplarmente punidos pela abstrusa e inadmissível opção que tomaram ao entregar o negócio da saúde a uma mafia de chulos que deviam estar presos e ter os seus bens confiscados eternamente.
Duas semanas depois o post “Uma noite com os VAMPIROS “, alinhavado na minha cabeça, com o intuito de denunciar os negócios da saúde, está por escrever, porque percebi que a MAGANA, afinal foi condescendente e pretendeu dar-me oportunidade para me despedir doa leitores do CR que ontem completou 11 anos e lhes agradecer toda a simpatia, generosidade e compreensão que tiveram comigo durante o tempo em que o CR durou.
Creio ser uma data bonita para me despedir, dar por terminada a minha aventura na blogosfera e vos dar a garantia de que, seja qual for o sítio para onde a Magana me leve, tudo farei para continuar a ser a alma irrequieta e inconformada que fui neste planeta. O qual- diga-se- não me deixa saudades, pois está cada vez mais mal frequentado, por pessoas obnibuladas pelo consumismo, sem qualquer sentido de decoro, que desconhecem os princípios básicos da educação e não se importam  de  ser governadas por crápulas do tempo da Idade da Pedra, que pretendem por os ponteiros do Relógio do Tempo a andar para trás.
Quero por isso que saibas, Magana, que te estou muito grato por me libertares deste fardo que é a vida neste Planeta e ainda por cima me teres dado oportunidade de me despedir condignamente dos meus estimados leitores, a quem renovo os agradecimentos por todas as palavras amáveis ou críticas que me dirigiram ao longo de 11 anos.
Quanto a ti, Magana, vê lá se me levas para um sítio decente onde valha a pena viver e não haja Facebook, nem Twitter  onde as pessoas põem  a nú a sua verdadeira(má) índole. Uma sociedade onde haja apenas blogosfera e os governantes sejam gente decente, deve ser um local muito mais aprazível do que isto.
Como há dias me dizia um amigo, isto aqui já deu o que tinha a dar.  
Fiquem bem e façam o favor de ser felizes! 
Até um dia, num qualquer  IQ 84, em convívio com Murakami.