segunda-feira, 11 de junho de 2018

Uma profissão com futuro?

Que haja putos a pensar que ser youtuber é uma profissão -e ainda por cima de futuro-parece-me absolutamente normal. 
Agora ver paizinhos é mãezinhas a incentivarem os filhos a abandonar os estudos  e trocarem um curso pela "profissão" de youtuber, parece-me idiota, irresponsável e próprio de progenitores que nunca  deviam ter a seu cargo a educação dos filhos.
Tenham juízo e deixem de armar-se em pais modernacos. Exerçam a vossa função de pais com responsabilidade e resistam a tentação de se tornarem ridículos. A juventude não é eterna e os vossos filhos um dia vos julgarão por não terem sabido ser pais.

16 comentários:

  1. Nunca li nada sobre essa “nova” tendência dos pais quanto à educação dos seus filhos. A sério? Ou é apenas uma meia dúzia de pais portugueses que não dá para generalizar? : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente não dá para generalizar, Catarina. A moda restringe-se a uns quantos progenitores frustrados que não souberam envelhecer.

      Eliminar
  2. Também desconheço essa moda louca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas olhe que até já foi várias vezes notícia de telejornal da noite, Bea

      Eliminar
  3. Acho piada o Carlos estar sempre em guerra com os paizinhos e as mãezinhas portuguesas.

    A "profissão" de youtuber ainda não chegou à Alemanha. Logo que chegue, eu mãezinha super-moderna, vou obrigar os meus quatro "cactos" a seguir essa profissão, sempre melhor do que ter um título sem o respectivo emprego, como acontecem com alguns familiares portugueses.

    Boa semana, esquecendo todos os putos portugueses e os seus respectivos progenitores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "acontece" em vez de "acontecem".

      No meu tempo, os paizinhos e mãezinhas queriam uma carreira académica para os filhos, mesmo que eles fossem burros como uma porta. O que era desagrdável e ridículo.

      Para os jovens alemães, o diploma académico não é o único caminho que leva a um bom salário e ao reconhecimento da família e da sociedade. De curta duração, cursos técnicos garantem rápida entrada no mercado de trabalho.

      Tanto o meu marido como eu, deixamos que os nossos filhos tomassem, eles próprios, uma decisão sobre o seu futuro. Porque o futuro é deles, não é nosso.

      Eliminar
    2. Com toda a sinceridade lhe digo que duvido muito que os seus "cactos" lhe dêem ouvidos, Teresa.
      Não estou em guerra com os paizinhos e maezinhas portuguesas Teresa. Não aprecio é que alguns para parecerem modernaços, ou porque não sabem envelhecer, estejam a enganar os filhos. Também não se trata de ter ou não ter um curso superior, mas sim de perceber que ser youtubber não é profissão. Infelizmente há muitos progenitores que não vêem além do umbigo e isso só prejudica os filhos. É contra esses que me insurjo

      Eliminar
    3. Francamente, Carlos, eu não sei o que é um youtubber. E os meus "cactos" são sensatos como o pai.

      Eliminar
    4. Eu bem lhe dizia que os seus "cactos" não lhe dariam ouvidos, Teresa:-)
      Agora imperdoável é uma fã das novas tecnologias como a Teresa, não saber o que é um youtubber...

      Eliminar
    5. Eu sou um zero à esquerda no que respeita as novas tecnologias, mas eu trocava todos os meus conhecimentos inúteis para ser uma perita nas tecnologias que tanto me fascinam.

      Não faço ideia que alguém possa ser profissional no YouTube, portanto, peço-lhe mais uma vez, Carlos, que me explique.

      Eliminar
  4. Francisco de Sousa Rodriguessegunda-feira, 11 junho, 2018

    Sempre tivemos certos paizinhos a querer fazer dos filhos vedetas, isto dos youtubers é a fruta da época.
    Claro está que os pais limitam-se a reproduzir as suas "não resoluções" nos filhos, relacionamente, como bem diz o Carlos, são ventos e tempestades que virão a ser colhidos.

    A situação ilustrada não será uma referência à generalidade dos pais portugueses, nem de qualquer outra nacionalidade, pois o disfuncional e o pseudo-adaptado, apesar de serem muito exuberantes, não são a regra.

    Liberdade de escolha do futuro, sempre, mas, por vezes, um "ó filho/a tem juízo" é o que distingue pais de progenitores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco de Sousa Rodriguesterça-feira, 12 junho, 2018

      Pode preparar já a caneta para assinar!

      Eliminar
  5. Acho que os pais estão a ser mais irresponsáveis do que os próprios filhos!

    Boa semana Carlos e um beijinho.

    Adélia

    ResponderEliminar
  6. Isso não são pais, Carlos, são progenitores.
    Coisa bem diferente.

    ResponderEliminar
  7. Acredito. Mas ando, na medida do possível, a fugir ao horário:)

    ResponderEliminar