sexta-feira, 8 de junho de 2018

Um papá exemplar!





Macron anunciou ao mundo que no próximo ano lectivo o uso de telemóveis será proibido nas escolas francesas.
Inglaterra pondera seguir o exemplo francês mas, em Portugal, o presidente da Confederação de Associações de Pais já veio manifestar a sua discordância e classificar a medida como "inadmissível privação da liberdade" e uma demonstração de que "alguma coisa falhou na educação em Portugal"
Dou razão ao paizinho indignado e permito-me dizer-lhe o que falhou na educação em Portugal, mas não só. FORAM OS PAIS!

19 comentários:

  1. Pensei o mesmo ao ouvi-lo!
    Apesar de eu ter lecionado no ensino secundário, assisti, algumas vezes, ao toque de telemóveis e sei que eram alguns pais que pareciam ignorar os horários letivos dos filhos. Incomodados,os jovens pediam-me desculpa. Uma das vezes, uma encarregada de educação telefonou-me a pedir imensa desculpa mas precisava, naquele exato momento, de saber onde estava uma chave lá em casa!
    Essa da privacidade que o tal senhor invoca...enfim.

    ResponderEliminar
  2. Ontem vi imagens de professores em escolas francesas e os jovens sentados até de costas entretidos com o seu telemóveis. só que os professores de lá também não estão muito de acordo com a medida porque não têm mão nem meninos, nem podem fiscalizá-los, além de haver sempre maneiras de tornearem as medidas. Consideram que no fundo ser sempre uma medida útil até por questões de saúde. Cá os papás pensam que podem controlar os seus meninos se eles andarem com o telemóvel. Todos se querem descartar das suas responsabilidades.
    Carlos, já não tenho dúvidas quanto ao assunto dos professores. O problema está na interpretação das leis e propostas. mas os professores querem forçar a barra, porque não pensam no país e só pensam nos seus interesses. vamos lá a ver a que acordo chegam. Uma coisa essencial seria de aprovar: acabar com a promoção automática dos professores. Mas sendo tantos, todos sabemos a força que têm para destabilizar o país, numa área tão sensível. Todos se lembram quando MLRodrigues quis que fossem avaliados, para interferir nas promoções….mesmo depois de sair de Ministra foi perseguida e teve de andar pelos tribunais, além de outras coisas. Mas uma coisa eu acho que vou fazer: se o Governo ceder passando os encargos para futuros governos, como fez o Guterres, que nunca esteve para se ralar, acho que passarei a inutilizar o meu voto.

    ResponderEliminar
  3. "Uma coisa essencial seria de aprovar: acabar com a promoção automática dos professores."

    Seria igualmente importante que se soubesse que há muito que não há progressões automáticas, não só devido ao congelamento (2009), como se desenharam novas regras que remontam ao governo de Sócrates. A progressão (embora haja dois tipos)obedece:
    *:classificação obtida na avaliação de desempenho ao longo de cada dois anos e em todas e quaisquer áreas de atuação do docente.

    * número de vagas estipulado pelo ministério da educação.

    Não há, pois, progressões automáticas e há dois tipos de progressões.
    Neste link tem a possibilidade de ficar esclarecida

    http://expresso.sapo.pt/economia/2017-09-09-Descodificador-Progressao.-zinha-#gs.wMyJzfY



    E neste também .

    https://eco.pt/2018/01/23/progressao-de-professores-arranca-em-fevereiro/

    Infelizmente a sociedade portuguesa prefere ler um JMT, ou escutar um MST...é mais fácil do que pesquisar nas fontes.
    Se os professores têm razão? Não me pronuncio. Saí. Sinto-me eternamente grata às centenas e centenas de alunos com quem tive o prazer de trabalhar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conheço essas avaliações.. assim como as vagas(?) nos escalões….

      Eliminar
    2. Claro que sim. Aliás qual será o português que não é um expert em assuntos de Educação?

      Eliminar
  4. Sou contra a proibição dos telemóveis nas escolas. Não tem nada a ver com “privação de liberdade”, mas, hoje em dia, tem a ver com segurança mesmo a nível elementar.
    Os alunos devem mantê-los em silêncio e ser proibidos de os utilizar durante as aulas. Sem dúvida. Fora disso, não tenho qualquer problema em ver um aluno ao telefone no recreio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui, pelo menos no liceu da Ema, os alunos não podem utilizar os telemóveis durante as aulas. Fora disso, ninguém proíbe o seu uso.

      O Emmanuel Macron proibe o uso do telemóvel durante as aulas, mas não proíbe que os alunos levem telemóveis para os estabelecimentos de ensino.
      É uma segurança para uma criança contactar os pais quando precisa deles.

      Eliminar
    2. Acho graça as estes "argumentos", e as gerações anteriores? Eu e os meus filhos,e milhões de outros,crescemos e aprendemos sem tlm. E sobrevivemos.

      Eliminar
    3. Eu não quero sobreviver, Teresa, quero sim, VIVER e aproveitar ao máximo as novas tecnologias.

      Eliminar
    4. Óbvio, que eu e os meus também queremos viver como diz,e a prova é que estou aqui a comentar e a usar a tecnologia,o que sou,é contra o Grande Exagero que lhe é dado.

      Eliminar
  5. Sou, em princípio, contra proibições deste género. Porque são difíceis de controlar e, a existirem, acordam mil expedientes para as furar. E porque julgo que há uma idade em que não resultam e tem de ser regra interiorizada tal como não copiar, não ser mal educado, respeitar os mais velhos...
    Mas reconheço que, para bem de alunos, professores, pais e até sociedade em geral, os telemóveis não devem, sobretudo em algumas idades, ir para a escola. Não são apenas os toques que perturbam. Dá azo a distracções, copianço e falta de concentração em geral. E se ver no metro toda a gente com os olhos no écran é apenas ligeiramente triste, que aconteça nas aulas - e acontece demais - parece-me grave. Lesa a autoridade do professor, incentiva outros alunos, desvirtua o espírito escolar, contribui para o desinteresse dos alunos pelas matérias escolares. E no entanto conheço casos bem sucedidos de professores que usam os telemóveis dos alunos nas suas aulas como auxiliares e materiais de consulta.

    Os pais podem ligar uma vez ou outra aos filhos. Mas garanto que as distracções em aula não são nem de longe motivadas por ligações dos pais.

    ResponderEliminar
  6. Já agora uma pergunta: esse Daniel Sampaio é pai???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pai e avô. Eu gosto dele e desse e de outros livros que escreveu.

      Eliminar
    2. Nunca tinha ouvido falar dele, mas talvez os livros que ele escreve, não sejam o tipo de livros que costume ler.

      Agradeço a resposta, bea, desejando-lhe a continuação de um bom fim de semana.

      Eliminar
    3. Ema, é dos psiquiatras mais famosos no país. Cá quase não há quem o conheça, desde livros a programas de televisão, médico essencial no desenvolvimento de algumas crianças com problemas. Ainda por cima é irmão de Jorge Sampaio, que foi nosso PR. Julgo que só teve uma falha na sua carreira. Enganou-se totalmente ao apoiar Bruno de Carvalho à presidência do Sporting.

      Eliminar
    4. Ignorância pura! Muitíssimo obrigada pela informação, Gisela.

      Quanto ao Jorge Sampaio ele teve outras falhas, além de apoiar Bruno de Carvalho à presidência do Sporting.

      Eliminar
    5. Não, quem apoiou o Bruno de Carvalho à presidência do Sporting foi o Daniel Sampaio que, aliás, chegou a ser presidente desse clube de futebol.

      Eliminar
    6. Jorge ou Daniel fica tudo em família.

      Como psiquiatra o Daniel Sampaio podia dar uma ajudazinha ao Bruno de Carvalho, ou até escrever um livro "Inventem-se novos presidentes de futebol".

      Eliminar
  7. Concordo, Carlos! os pais de hoje, na sua maioria (ou pelo menos os que conheço), demitiram-se do seu papel de educadores. É triste!

    ResponderEliminar