domingo, 20 de maio de 2018

Rua dos Cafés (5)










Ir a Roma e não visitar o Café Greco, na via Condotti , é ainda mais grave do que não ver o Papa. Talvez por isso, nas diversas vezes que estive em Roma nunca vi o Papa, mas nunca falhei uma visita ao Greco.
Fundado por um grego no século XVIII (1760) foi local de tertúlias e ponto de encontro obrigatório para os estrangeiros que viviam em Roma, durante os séculos XVIII e XIX. Por lá tertuliavam personagens tão diversas como Goethe ou Buffalo Bill, e compuseram alguns dos seus mais belos trechos musicais, Lizt ou Wagner.
Ao longo do século XX o Greco foi perdendo influência, passando a constar dos roteiros turísticos. Estive lá pela última vez com a Martinha e impressionou-me a sua decadência. Afiançaram-me que ia fechar para dar lugar a uma gelataria de uma multinacional.
Felizmente  a notícia não se confirmou. Ainda não voltei lá desde que reabriu mas, se algum dos leitores esteve lá nos últimos três anos,agradeço que me informe se mantém as mesmas características.
É que o Café Greco, bem perto da Piazza di Spagna, merece bem uma visita. Apesar dos preços escandalosos que lá se praticam.

4 comentários:

  1. EU falhei o Papa (estava de férias) e o Café - ainda tentei, mas estava fechado para obras :(

    ResponderEliminar
  2. Não fui a Roma. Não vi o papa senão pela TV. Portanto, do majestoso café de que fala, nada posso adiantar.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Fui a Roma e não vi o Papa nem fui ao Café Greco.
    Heresia!
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar