domingo, 29 de abril de 2018

Rua dos Cafés (2)



Nunca tive um café certo em Lisboa mas, quando vim para cá viver, o meu primeiro poiso foi a Granfina , em Entrecampos, que nada tem a ver com a actual. Morava então no Pio XII e encontrava-me na esplanada ao princípio da tarde com amigos e amigas do Porto, depois do almoço. Por ali iniciei namoros enquanto fazíamos palavras cruzadas, construí sonhos e vivi alguns pesadelos, planeei noitadas que naquele tempo terminavam cedo.
Ao final da tarde, ou princípio da noite, ia muitas vezes ao Vavá , outro descaracterizado de que tenho saudades, principalmente pelas pessoas que por lá conheci, como o meu saudoso amigo Zé Calvário.
Ao sábado à tarde ia à Colombo ou à Versailles. Mas o café que marcou uma boa parte da minha vida em Lisboa, não foi nenhum destes. Foi o Monte Carlo, hoje desaparecido, para dar lugar à Zara, ali na Fontes Pereira de Melo, onde conheci alguns dos grandes nomes da nossa vida cultural, especialmente no campo das Letras.
O Monte Carlo era considerado por muitos “a catedral” dos cafés. Naquele imenso corredor cruzavam-se jornalistas, escritores, estudantes actores de teatro e actrizes de revista, numa autêntica Babilónia. Havia muita gente que não ia ao Monte Carlo. Vivia lá, desde a manhã até à noite. Tertuliava, lia, comia, bebericava, jogava bilhar , damas ou xadrez, pregava partidas a partir de uma cabine telefónica que lá estava instalada ( ficou célebre a "estória" de alguém a chamar o Humberto Delgado ao telefone) e até cortava o cabelo!
Só quando regressei a Portugal soube que o Monte Carlo tinha desaparecido para dar lugar a uma loja da Zara. 
Senti uma revolta ainda maior do que quando vi a Colombo transformada em Mc Donalds. Só quem conheceu e "viveu" de perto o Monte Carlo, percebe a enorme perda que o seu desaparecimento significou na vida de Lisboa.

(Texto  publicado no dia 13 de Maio de 2010)

18 comentários:

  1. Também andei pelo Monte Carlo, era eu tão menina e moça!!! As recordações inundam-nos, quando nos deparamos com a "moderna" e descaracterizada Lisboa, transformada numa qualquer cidade do sul da Europa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apesar das muitas recuperações, que tornaram Lisboa ainda mais bonita do que era, a cidade está a perder personalidade e isso entristece quem, como eu, passou aqui alguns dos melhores anos da sua juventude

      Eliminar
  2. http://lisboadeantigamente.blogspot.pt/2016/03/cafe-monte-carlo.html

    Um site que preenche as lacunas da memória e deixa saudades

    ResponderEliminar
  3. Embora não tenha conhecido este café, também me sinto sempre irritada quando fecham cafés carismáticos.

    Beijos da cor do nosso querido DRAGÃO, tremendo pelo resultado do jogo desta noite contra o Marítimo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também o meu coração bateu muito forte, Teresa, mas no final foi um suspiro de alívio .
      Só tenho pena de não poder ir festejar ao Porto
      Beijinhos azuis

      Eliminar
  4. Já me lembro do Monte Carlo mas nunca lá entrei!
    Bjs e bom resultado para o FCP...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabe o que perdeu, Papoila.
      Felizmente as coisas correram bem para o FCP. Obrigado

      Eliminar
  5. Só por curiosidade: era no Monte Carlo que se comia o melhor bife de Lisboa e arredores.
    Colombo e Versailles: gente fina é outra coisa :)
    Granfina: recordo com saudade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizem que sim, mas devo dizer com sinceridade que não me lembro se alguma vez o experimentei .
      Versailles era só nas tardes de sábado, António. O meu poiso diário era mesmo a Grafina

      Eliminar
  6. A Colombo foi a minha pastelaria de eleição nos meus tempos de Faculdade - 2ª metade de 60. Também gostava da Versailles, mas a Colombo tinha uns bolos .... hummmmmm e um ambiente bem simpático, citadino como eu gosto/ou gostava....

    E biba o Puorto, carago!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tive uma pena imensa quando a Colombo fechou, Graça.
      Biba o Porto!

      Eliminar
  7. Fui lá algumas vezes em especial quando ia ao cinema "Estúdo" que havia no Monumental, onde vi fabulosos filmes. o mesmo me aconteceu com o Estúdio do antigo Império. Saudades desses tempos! Não gosto de ver filmes em cada, mas as salas de cinema de hoje perderam todo o encanto. Também estudei em muitos cafés e em algumas pastelarias. Quando falou no Gelo, penso que acabou para dar lugar a uma dependência do Banco do Alentejo, que depois foi absorvido pelo Fonsecas e Burnay que acabou por ir parar às mãos do BPI. Os Bancos realmente tomaram conta de tudo. Aquele café no Rossio, onde se reuniam todos os retornados. que se podai entrar pelo Rossio e sair pela rua primeiro de Dezembro seria o "Chave d'Ouro"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também ia a cafés com pretexto de estudar, mas nunca tinha bons resultados :-)

      Eliminar
  8. FC Porto vence Marítimo na Madeira por 1-0 e é quase campeão.
    E biba o Puorto, carago.
    Claro que não vai ser festa num café, mas sim, num bar na FOZ.

    O FORTUNA Düsseldorf subiu para a primeira divisão.
    Festejámos na cidade velha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parabéns pela subida do Fortuna, Teresa. Espero que no próximo domingo possa festejar o título do nosso Porto, Canudo! :-)

      Eliminar
  9. Não conheço.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar