quinta-feira, 19 de abril de 2018

Diz o roto ao nu

Os subsídios pagos aos deputados da Madeira e dos Açores podem ser contestados e considerados obscenos, mas não são ilegais.
O mesmo se diga dos subsídios pagos aos deputados europeus, substancialmente mais elevados do que os dos nossos deputados e que muitas vezes são utilizados para virem a Portugal participar em programas de televisão.
A obscenidade é inequívoca,mas sobejamente conhecida. Miguel Portas, quando era deputado europeu, criticou essas mordomias e foi então muito atacado pelos mesmos qu hoje se indignam com os subsídios pagos aos deputados dos Açores e Madeira que, muito provavelmente, farão mais para os justificar, do que muitos deputados europeus.

4 comentários:

  1. Atenção, amigo Carlos, que uma coisa é legalidade, ou não legalidade e outra coisa bem diferente é a Ética !
    Ora no aspecto ético, isso não faz qualquer sentido, embora não seja ilegal ! ... Atenção que sou EU que pago !!!
    E claro que me refiro a ambos os casos e aos políticos em geral, bem como, à política !
    É péssimo que a política não tenha a ética como um valor a ter em conta !

    Abraço, Carlos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pensei que essa destrinça tinha ficado clara no meu post, caro Rui, mas se não ficou, digo-lhe que estou totalmente de acordo consigo. De qualquer modo,não compreendo como é que estando a prática em vigor há mais de 20 anos, só agora veio a lume e só por esse motivo um ou outro deputado decidiu devolver ( ou dizer que vai devolver, o que é coisa bem diferente) dinheiro que andou a receber como se não soubesse que era falta de ética.
      Mal por mal, devo dizer que prefiro a posição de Carlos César, assumindo que não devolverá o dinheiro. Pelo menos não finge que não sabia que a prática é obscena.
      Grande abraço, Rui

      Eliminar
  2. Ficou tudo dito no meu post de ontem.
    E estamos todos na mesma onda - legalidade é uma coisa, moralidade outra bem diferente.

    ResponderEliminar