quarta-feira, 18 de abril de 2018

Bibó Porto (80)




O propósito deste post era escrever sobre o Hotel Infante de Sagres, um ex-libris da cidade que ontem reabriu depois de obras de remodelação. Até tinha  repescado uma foto da última vez que lá estive, no Verão passado- a qual acabei por publicar apenas no FB.
Ia lembrar, inclusive, que quando fiz o check in fiquei surpreendido, porque a recepcionista não falava português, o que na altura me provocou uma enorme fúria. 
Acontece, porém, que enquanto me regozijava com a reabertura do Hotel e me preparava para enviar uma farpa aos proprietários do Infante Sagres, fazendo votos que os recepcionistas tivessem aproveitado a pausa das obras para aprenderem a falar português,  fiquei a saber que a empresa proprietária do Infante Sagres (The Fladgate Partnership)  vai forçar o encerramento de uma emblemática livraria da baixa do Porto, vizinha do Infante Sagres.


A Sousa e Almeida, instalada na Rua da Fábrica há mais de 60 anos (desde 1956) era especializada em literatura galega, brasileira e africana e era frequentada por alguns dos mais ilustres nomes   das Artes e Letras portuense.
Não se sabe que destino pretende a empresa proprietária do Infante Sagres dar à emblemática livraria da Rua da Fábrica, mas é sabido que é apenas mais uma das livrarias do centro do Porto que encerra as portas em 2018,  vítima da voragem do turismo. 



4 comentários:

  1. Carlos
    Livros? Conte com o
    "emblemático Continente"
    e
    se espera por património
    ligado ao livro
    esqueça
    Hoje, os autores
    assinam dedicatórias
    de edições históricas
    em grandes superfícies

    Acho que sabe disso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei sim Rogério. Aliás sempre avisei que a venda de livros em supermercados não iria contribuir para melhorar os índices de literacia literária dos portugueses,. Basta dar uma vista de olhos ao que por lá se vende para perder as iluões

      Eliminar
  2. Especulação imobiliária?
    Apostava nisso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palpita-me que não é bem isso. inclino-me para especulação turística, Pedro

      Eliminar