quinta-feira, 29 de março de 2018

Reforma da floresta: realidade ou utopia?




Toda a gente fala da necessidade de fazer a “reforma da floresta”, mas na verdade ninguém a quer fazer.
Cada medida apresentada pelo governo é de imediato alvo de um coro de críticas de um sector que se sente lesado. Sejam os bombeiros,  os pequenos proprietários, os agricultores,  as empresas agricolas, florestais, industriais ou de combate aos fogos, há sempre quem ataque as medidas do governo , porque colide com os seus interesses.
Em entrevista ao “Público”, o presidente da CAP  foi bem claro. Reformas? Sim…desde que o governo pague bem.
Apesar de se chocante, confesso a minha  admiração  pela frontalidade e clareza do presidente da CAP. Sem tibiezas, numa entrevista de várias páginas, em que faz diversas críticas às medidas propostas pelo governo, Eduardo Oliveira e Sousa  diz ao que vem numa pequena frase:
“ Isto ( a reforma florestal)  passa sempre por dinheiro e sou o primeiro a reconhecer que o dinheiro é um problema complicado. O instrumento mais fácil que o governo às vezes usa é (recorrer a) benefícios fiscais. Se uma pessoa lhe disser que lhe vai diminuir o seu imposto se fizer uma determinada acção na sua propriedade, mas já não pagar imposto- porque aquilo não lhe dá nada- o que é que lhe interessa dizer que vai pagar menos imposto? Mas  se lhe disserem que se fizer uma acção, se calhar tem um prémio, aí as coisas talvez mudem de figura Venha a imaginação e há aí muita coisa para fazer ”
Ou seja… se o governo pagar para as pessoas cumprirem as suas obrigações, a gente conversa, mas sem dinheiro não contem que a reforma se faça ( por outras palavras: que as pessoas cumpram as suas obrigações)
Isto não acontece só na reforma da floresta. Acontece em qualquer reforma que qualquer governo queira fazer. Os portugueses estão sempre a exigir respeito pelos seus direitos mas, quando se trata de cumprir deveres, querem dinheiro.
Para mim sempre foi claro que a dificuldade em fazer reformas reside mais no povo que somos, do que nos governos ( sem coragem) que temos.
Os tugas fazem-me lembrar a Jangada de Pedra de Saramago. Quando ficam à deriva no meio do Atlântico, procuram uma bússola para se orientarem.  Ora, como a História de Portugal nos ensina, a bússola dos tugas  é o dinheiro.
Assim sendo, estamos conversados

4 comentários:

  1. Não havia um consul romano que, numa carta a Julio César se referio aos lusos como "esse povo que nem se governa, nem se deixa governar"?
    De há 2000 anos para cá pouco mudou...

    :)

    ResponderEliminar
  2. Desejo um Domingo de Páscoa cheio de sol e alegria!

    ResponderEliminar
  3. Olá. Visitando, vendo, lendo, admirando, e gostando muito das suas publicações
    .
    * Amor: a Incompreensão dos sentimentos *
    .
    Votos de uma Páscoa muito feliz,
    repleta de amêndoas feitas amor
    .

    ResponderEliminar
  4. Se só queremos é dinheiro porque temos doa maiores níveis de pobreza? Porque raio não temos pelo menos a garra dos espanhóis, aqui ao lado? Eu acho é que sempre fomos medíocres ou malucos. Só trabalhamos com chicote ou nos aventuramos feitos loucos. E como sempre fortes com os fracos e fracos com os fortes. Nunca tivemos ninguém que fizesse algo de jeito em favor do país. Ou esbanjamos, ou destruímos. Já não falando da Monarquia veja-se o que foi a primeira república. Abril, foi o mais engraçado, mas porque foi feito em cima do joelho, não se alcançou muitos resultados que podíamos ter obtido. Primeiro gastámos tudo o que tínhamos. Entretanto os que estavam mais preparados e tinham mais escola foram tomando conta do resto e voltámos a ser pobres em tudo. Menos em Liberdade. Melhorámos muito, em certos direitos, mas comparando com outros países da Europa e do Mundo estamos muuuito atrasados. E há quem goste. Hoje não há governo que tenha força para impor medidas. Eu ainda não percebi o que devo fazer às árvores centenários, que tenho perto de casa. Se me basear na s tevês e na lei fico sem nenhuma. E eram elas que tornavam o s verões do meu Algarve mais amenos. Prefiro pagar coimas, que me tirem as casas, a reforma, tudo. Se estiver consciente mato alguém para ir parar à prisão, assim fico com um lar, porque agora já nem a pensão dá para isso. E se não tirarem também só inconsciente é que me apanhariam lá... Já vi prisões melhores do que muitos lares...

    ResponderEliminar