quinta-feira, 8 de março de 2018

A Visita

Dedicado a todas as mulheres solitárias deste mundo

A noite caiu há muito, está escuro como breu,  uma chuva miudinha rega  a terra seca  pelo prolongado estio.  Isilda chega à janela, afasta o reposteiro, abre a vidraça para sentir o cheiro da terra húmida,  procura  luzes  acesas em alguma das casas próximas. De Monfortinho a Monsanto toda a gente  já se foi deitar. Como sempre ela é a última, esteve até àquela hora a fazer companhia às personagens da telenovela que todas as noites lhe entram em casa. Com elas bebe chá ou café, no verão um refresco, quase sempre limonada, porque limões é coisa que tem em casa com fartura.

Isilda tem a sensação que as visitas  hoje se foram embora mais cedo. Olha para o relógio a confirmar, está parado nas 11 e 23 desde a morte do tio Marcelino, porque ela nunca mais deu corda àquela geringonça. Dá uma volta pela casa a certificar-se se está tudo bem fechado, um relâmpago ilumina o corredor escuro  e logo de seguida um trovão  ribomba, fazendo estremecer as frágeis paredes da casa.
Isilda tem medo, aconchega melhor o xaile ao corpo e pede protecção a Santa Bárbara.

Santa Bárbara, Bendita
Que no céu está escrita
Com papel e água benta
Para espantar esta tormenta
Espalhe-a lá para bem longe
Onde não haja eira nem beira
Nem raminho de oliveira
Nem raminho de figueira
Nem mulheres com meninos
Nem ovelhas com borreguinhos
Nem vacas com bezerrinhos
Nem pedrinhas de sal
Nem nada que faça mal…
Amen!

Um segundo trovão leva-a de volta à sala. Fica à espera. Passam alguns minutos, mas nada.  Vai para o quarto.Antes de apagar a luz beija o retrato do marido que há 24 anos repousa na cabeceira até que alguém lhe dê outro destino, quando Isilda morrer e com ele se for encontrar. Pelo menos é assim que ela pensa... Não consegue dormir. Volta a acender a luz, pega no livro de orações e finalmente adormece.
(…)
Acorda com o sr. Abílio que lhe traz o pão à porta.Fala-lhe do quarto.
Já tiraste o leite à vaca, Abílio?
Já D. Isilda. Está tudo direitinho. Quer vir ver?
Não, já vou buscar.
 A Júlia vem trazer-lhe o almoço à hora do costume. Hoje tem um petisquinho especial!
Ela que não se atrase, ouviste?
Esteja descansada!
Isilda levanta-se.  Liga o rádio enquanto toma o pequeno almoço. Está um belo dia de sol. Talvez dê uma volta pelo jardim, mas não pode demorar muito, porque- lembra-se- é dia de o filho lhe telefonar da Suíça.
Vai arranjar-se. Já não olha para o espelho, porque não quer ver  as rugas que lhe sulcam o rosto , outrora fascínio de  bela moçoila requestada em todos os bailes de Idanha, pelos rapazes desde Monfortinho a Castelo Branco.  Sai para o jardim. Corre uma aragem húmida e opta por ficar no alpendre enquanto espera a chegada das visitas. A Estrela troca mugidos com o Loiro da D. Ester, namoro antigo, o ti Tono passa com o rebanho e saúda-a com um bom dia, ela volta para dentro, esqueceu-se de pôr as jóias, apressa-se porque as visitas estão a chegar.
Senta-se no sofá em frente ao televisor , a Praça da Alegria já regurgita de gente.
Bom dia sr. Gabriel, Bom dia menina, Sónia. Então de que vamos falar hoje?

Em tempo: Este post foi publicado no crónicas on the rocks em Maio de 2012

13 comentários:

  1. Gostei, um certo aroma a alecrim pelo ar...

    Um abraço a todas as mulheres solitárias que travam lutas justas e não mediáticas, que se levantam cedo para deixar tudo pronto para os filhos comerem, para vestirem, que depois ainda vão tratar dos animais, do marido, e no final de um dia duro e extenuante tratam da roupa, da casa, dos filhos, da comida que nunca parece chegar e refeições que nunca acabam.
    Mulheres que lutam para sobreviver, porque a vida já há muito lhes tirou a Vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só acrescentaria...mulheres que lutam contra a tirania e a opressão dos machos

      Eliminar
  2. Também eu sou uma mulher solitária desde o dia que o meu "deserto loiro" me abandonou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando repesquei este post, lembrei -me de si, Teresa. É que fui ver os comentários e estranhei que não estivesse lá pois, nessa altura, a minha querida amiga era visita frequente. Beijinho e feliz DIM

      Eliminar
  3. Em 2012 eu não frequentava o blogue. Agora faço-o sempre embora a maior parte das vezes não comente.
    Gostei deste retrato do quotidiano da solitária Isilda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Noutros tempos aqui- e depois no cronicas on the rocks- havia crónicas quase diárias. Espero ainda publicar mais algumas.
      Obrigado pelas suas palavras

      Eliminar
  4. Obrigado Carlos pela belissima homenagem às mulheres, a todas estas e aquelas que fazem de mãe e pai, é o meu caso desde 1995 data em que meu marido faleceu. E a todas aquelas que como o Carlos diz no comentário, "lutam contra a tirania e a opressão dos machos" foi o caso da minha filhota durante 14 anos, hoje também ela é mãe e pai de 3 filhos, mas porque o pai não quer saber dos filhos desde o dia em que a policia tirou a mulher e filhos de casa e os trouxe para um lugar onde vivessem sem pancada a toque de álcool e droga, hoje e ao fim de 7 anos vivem com o indispensável (nem sempre, porque a fome às vezes bate à porta) mas há amor e carinho, não há represálias.

    Obrigado meu amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem nada que agradecer, Adélia. Apenas me lembrei que seria importante este ano homenagear as mulheres que sofrem em silêncio.
      Beijinho

      Eliminar
  5. A solidão é um horror, quer se trate de mulheres ou homens.
    A solidão na velhice uma insuportável violência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pior ainda, Pedro, é que muitas vezes a velhice, +por si só, já é uma violência.

      Eliminar
  6. Acho bem que nas visitas sou assim uma versão dessa senhora, mas sem novelas. Prefiro falar com quem conversa na rádio:). Dá-me mais pica.

    ResponderEliminar
  7. Esqueci-me (mal da idade), obrigada pela oração a santa Bárbara. Faz-me jeito por mor das trovoadas e só a sabia até ao raminho de oliveira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achei esta oração linda, Bea.
      Partilho do seu gosto pela rádio mas, conversas, só mesmo com a televisão :-)))

      Eliminar