sábado, 31 de março de 2018

Lição da semana

Não basta os juízes serem independentes do poder político. É preciso que também não dependam do poder económico. 

sexta-feira, 30 de março de 2018

Tradições da Páscoa




Os coelhinhos, as amêndoas, o pão de ló e o compasso são tradições da Páscoa que remontam a tempos ancestrais
Nos últimos anos, nasceu em Portugal uma  nova tradição Pascal que, segundo creio, é única no mundo. Todos os anos os trabalhadores dos museus e monumentos assinalam a data com uma greve. Com ou sem coelhinhos.

Paixão, Paixão

Quando um primeiro ministro é escutado ilegalmente 212 vezes é legítimo questionar quem seria o juiz ( a juiza) que estaria tão perdidamente apaixonado por ele!
AVISO: Este post não é uma defesa de ninguém, é uma manifestação de medo pela justiça que (não)temos.

A Vitória de Puigdemont




Independentemente da opinião de cada um sobre a causa catalã, a personalidade de Puigdemont, ou a estratégia dos independentistas, uma coisa é certa: Puigdemont conseguiu europeizar a questão catalã, um dos seus objectivos. Lê-se a imprensa alemã,ouvem-se os comentários e opiniões dos partidos alemães e fica-se com a convicção de que saiu o tiro pela culatra a Rajoy e ao PP. Ao optar por ser preso na Alemanha, Puigdemont conseguiu o que não almejou durante seis meses em Bruxelas. O assunto é debatido a nível europeu e pode provocar reacções que se reflictam noutros países. E se a Alemanha decidir não extraditar Puigdemont ( o que até não me parece assim tão improvável) e o Comité dos Direitos Humanos da ONU- que deu uma reprimenda a Madrid no caso Sanchez- ter aceite a queixa de Puigdemont, pode muito bem acontecer um novo revés para os constitucionalistas espanhóis.
Se Rajoy fosse russo, húngaro, romeno ou polaco, seria um temível ditador ou, no mínimo, um autocrata que prende os adversários políticos. Sendo espanhol e mesmo recusando-se aceitar os resultados eleitorais, Rajoy ainda  é visto como um democrata a defender a unidade de um país que é um aglomerado de povos distintos onde é difícil encontrar unidade.
Tudo pode mudar se a decisão sobre o futuro de Puigdemont passar por Bruxelas e houver consenso que se trata de um preso político.  A partir desse momento, Rajoy estará metido num grande imbróglio.
A justiça alemã tem até 90 dias para tomar uma decisão sobre a extradição de Puigdemont. Quanto mais tardar a decisão, mais provável é que estejam a decorrer negociações para que Rajoy mostre alguma flexibilidade e, pelo menos, respeite os resultados eleitorais.
Se houver extradição, Rajoy terá de prender muitos mais catalães, pois o povo catalão não acatará sem luta a tirania de Madrid.


quinta-feira, 29 de março de 2018

Que raiva, senhor doutor Juiz!

Lamento muito mas, face ao que se vai sabendo sobre alguns juízes, sinto toda a legitimidade para perguntar se estes senhores andam a brincar connosco quando têm a distinta lata de proferir uma sentença destas.
Fico com a dúvida se foi por ignorância, convicção, ou porque a CELTEJO também oferece bilhetes para o futebol. 
Não posso calar a revolta perante a indiferença que a nossa justiça tem pelas questões ambientais.
Nem posso deixar de registar o silêncio do CM sobre esta matéria. 

O Diácono Remédios que há em mim



Vocês pensam que enquanto me lembrar das armas de destruição maciça vou acreditar nas armas químicas russas que matam espiões, sem que me seja apresentada uma única prova?  
Francamente, meus amigos! Pensava que me tinham em melhor consideração. Nestas matérias eu sou como S. Tomé: ver para crer. Ou, se preferirem a linguagem do Poker, " pago para ver o jogo da May".
Chamem-me o que quiserem, mas não consigo deixar de me perguntar por que razão  a May expulsou diplomatas, mas deixou ficar os milionários cheios de carcanhol que também não são do agrado de Putin. 
E já que ninguém vai pôr os pés no Mundial da Rússia, por que razão o  governo inglês  não retira a sua selecção? 
Não é preciso invocar o Santíssimo para saber a resposta.
Eu sei, meus amigos, que se eu disser que  a May inventou as armas químicas por sugestão do Trump, para desviar as atenções do Brexit e  tentar alguma benevolência da UE nas negociações, alguns de vós dirão que eu estou com macaquinhos no sótão mas, francamente, meus amigos, é isso mesmo que eu penso e com isto não quero desculpabilizar o Putin, mas apenas chamar a vossa atenção para aquele casal de mafarricos anglo-saxónicos! 
Cuidado com eles, meus amigos. Eu não costumo enganar-me nestas coisas. Lembram-se da Primavera Árabe? Também  disseram que eu estava maluquinho e precisava de ser internado e no final viu-se.
Atenção ao Trump e à May, porque aquilo não é gente de confiança...

Reforma da floresta: realidade ou utopia?




Toda a gente fala da necessidade de fazer a “reforma da floresta”, mas na verdade ninguém a quer fazer.
Cada medida apresentada pelo governo é de imediato alvo de um coro de críticas de um sector que se sente lesado. Sejam os bombeiros,  os pequenos proprietários, os agricultores,  as empresas agricolas, florestais, industriais ou de combate aos fogos, há sempre quem ataque as medidas do governo , porque colide com os seus interesses.
Em entrevista ao “Público”, o presidente da CAP  foi bem claro. Reformas? Sim…desde que o governo pague bem.
Apesar de se chocante, confesso a minha  admiração  pela frontalidade e clareza do presidente da CAP. Sem tibiezas, numa entrevista de várias páginas, em que faz diversas críticas às medidas propostas pelo governo, Eduardo Oliveira e Sousa  diz ao que vem numa pequena frase:
“ Isto ( a reforma florestal)  passa sempre por dinheiro e sou o primeiro a reconhecer que o dinheiro é um problema complicado. O instrumento mais fácil que o governo às vezes usa é (recorrer a) benefícios fiscais. Se uma pessoa lhe disser que lhe vai diminuir o seu imposto se fizer uma determinada acção na sua propriedade, mas já não pagar imposto- porque aquilo não lhe dá nada- o que é que lhe interessa dizer que vai pagar menos imposto? Mas  se lhe disserem que se fizer uma acção, se calhar tem um prémio, aí as coisas talvez mudem de figura Venha a imaginação e há aí muita coisa para fazer ”
Ou seja… se o governo pagar para as pessoas cumprirem as suas obrigações, a gente conversa, mas sem dinheiro não contem que a reforma se faça ( por outras palavras: que as pessoas cumpram as suas obrigações)
Isto não acontece só na reforma da floresta. Acontece em qualquer reforma que qualquer governo queira fazer. Os portugueses estão sempre a exigir respeito pelos seus direitos mas, quando se trata de cumprir deveres, querem dinheiro.
Para mim sempre foi claro que a dificuldade em fazer reformas reside mais no povo que somos, do que nos governos ( sem coragem) que temos.
Os tugas fazem-me lembrar a Jangada de Pedra de Saramago. Quando ficam à deriva no meio do Atlântico, procuram uma bússola para se orientarem.  Ora, como a História de Portugal nos ensina, a bússola dos tugas  é o dinheiro.
Assim sendo, estamos conversados

quarta-feira, 28 de março de 2018

É no que dá ouvir os conselhos do Abrunhosa





Portugueses gastam 27 milhões de euros em Viagra ( Capa do CM);

Só nos três primeiros meses de 2018, a DECO recebeu pedidos de ajuda de 7400 famílias sobre endividadas ( notícia RTP)
Isto anda tudo ligado. Eu sempre disse que aquela canção do Abrunhosa ( E agora que fazer? Talvez f....)  não devia ser levada à letra.

Para onde vai o dinheiro das escolas?




Lembram-se daquelas manifestações de pessoas vestidas de amarelo, reclamando contra o corte nos subsídios aos colégios privados?
Lembram-se das canárias amarelas que gritavam pelas  ruas que iam ser vítimas do maior despedimento colectivo de que há memória em democracia?
Lembram-se dos paizinhos a arrebanhar os vizinhos para se juntarem às manifs dos amarelos, porque os filhos iam ser obrigados a frequentar escolas públicas ?
Lembram-se de os proprietários das escolas privadas defenderem que a atribuição de subsídios é um dever  do Estado, porque as escolas privadas estão a garantir um serviço que o Estado não presta?
Lembram-se de a associação de escolas privadas reclamar mais dinheiro do Estado e dizer que muitas escolas seriam obrigados a encerrar e deixar milhares de crianças sem aulas e professores sem emprego, porque era impossível sobreviver  sem um aumento dos subsídios?
Agora me lembro que  o governo Passos/Portas despediu milhares de professores das escolas públicas para subsidiar colégios privados.

terça-feira, 27 de março de 2018

A Canção da Primavera


Acabo de tomar o café, remate da primeira refeição de 2018 no meu terraço com vista para a Felicidade.
Há muitos meses que não sentia aquele apelo irresistível do chiripiti, como complemento perfeito de um almoço com o mar aos pés em paisagem de fundo. Resisto à tentação mas, para  afastar   definitivamente as más energias, levanto-me da cadeira, despego o olhar do horizonte e dou uma espreitadela para o Casino.
Faltam 10 minutos para as três da tarde e já dezenas de pessoas fazem fila, à espera de quem lhes franqueie as portas. A maioria das pessoas tem mais de 50 anos e há uma percentagem significativa de mulheres de idade avançada. Talvez viúvas a gastar a herança que os maridos lhes deixaram. Envergonhado com pensamento tão  machista fixo-me no parque de estacionamento, onde os carros continuam a chegar a bom ritmo.
Olho novamente para o mar  que se espreguiça à minha frente, repousando da turbulência  em que andou nas últimas semanas, abanado por Giselles, Brunos, Anas e Davids.
A temperatura está amena e sinto  no ar, pela primeira vez este ano, os sinais da Primavera. De manhã havia gente a tomar banho na praia, bikinis de cores garridas contrastam com corpos da cor da areia, que avidamente procuram reter os raios solares e escurecer ra pele.
As portas do casino abrem-se e as pessoas precipitam-se para o seu interior. Não estou certo que a maioria acredite na possibilidade de ir ganhar dinheiro. O mais provável é que vão para lá matar o tempo.
Pergunto-me como é possível as pessoas meterem-se em salas onde a única luz que penetra é a das slot machines  a piscar  e ficarem ali sentadas , horas esquecidas, até que o dinheiro acabe ou as portas voltem a fechar, na expectativa de um prémio de algumas centenas de euros.
Como é possível resistir ao apelo do sol e do mar, à canção da primavera com todas as alergias e alegrias? Que fascínio encontrarão as pessoas numa slot machine ou numa mesa de jogo, quando lá fora a Natureza se lhes oferece retumbante, gratuita, numa simbiose de alegria e felicidade.
Será que essas pessoas sentem saudades do tempo em que viveram encarceradas em caixotes assépticos, 8 ou mais horas por dia, em troca do sustento de cada mês?
Não espero pela resposta. Saio de casa e volto para o paredão. Ali há vida. Há gente que ri. Há gente que conversa  sem o bloqueio dos  telemóveis. Gente que se olha, olhos nos olhos, mesmo que respaldados por lentes grossas de óculos escuros.
Espirro. Um. Dois. Três espirros. A Primavera entrou dentro de mim. Bem vinda sejas.

A Lei da Paridade é um embuste?

Não vou tão longe. De forma alguma alinho com os que consideram a Lei da Paridade um embuste mas, em minha opinião, é um insulto às mulheres e um atropelo à democracia.
Vejo que há muitas mulheres felizes com a Lei e ainda bem. Nesta matéria alinho (parcialmente) com o PCP e faço ainda uma pergunta: 
- O que vai acontecer nos organismos da administração pública onde a percentagem de mulheres em cargos de chefia é de 100%?

segunda-feira, 26 de março de 2018

A Estatística e as Cornélias do CDS




A Estatística é a ciência das conclusões absurdas. Só a estatística consegue a extraordinária proeza de por duas pessoas a comer meio frango cada quando, na realidade, uma delas comeu o frango inteiro, não deixando nem um ossinho para a parceira.
Foi com base nesta ciência, que o défice (real) de 0,92%, disparou para 2,96%, por força de uma operação financeira na CGD.
Fiquei a perceber como foi possível este agravamento fictício, pelas palavras do dr. João Loureiro na RTP 2. Fiquei a saber através dele - e das notícias de vários órgãos de comunicação social e estrangeiros-  que a UE não deu qualquer importância à decisão do Eurostat mas, porque em Portugal é preciso haver alguém a indignar-se, as Cornélias do CDS saíram à liça para dizer que o governo não cumpriu o défice e aldrabou as contas e outros disparates quejandos. 
Se as Cornélias do CDS insistirem nesta política de bota abaixo, a qualquer pretexto, correm o risco de ficarem tão descredibilizadas como os coelhos do laranjal. E,como acontecia na Visita da Cornélia, a sentença do júri será a eliminação. Neste caso, por falta de qualidade para participar no jogo da democracia.

Portugueses adoram um par de cornos




Já se sabia que Gabriela Canavilhas vê nas touradas cultura e Assunção Cristas um bailado.
Já se sabia que há inúmeros grupos de aficionados por esse país fora , dispostos a defender as touradas até às últimas consequências, afrontando a lei.
Há dias, na sequência de um referendo na Academia,  a Comissão Organizadora da Queima das Fitas de Coimbra anunciou o fim da garraiada, respeitando assim a decisão referendária. 
Ao conhecer os resultados, o Dux Veteranorum  marimbou-se  para a democracia e garantiu que haveria garraiada.
Não consigo encontrar outra explicação para a paixão desmedida de portuguesas e portugueses pela tourada, a não ser uma enorme atração por um par de cornos.
Razão tinha o Juca Chaves quando cantava "Esta é a vida que eu sempre quis/ eu sou cornudo, mas eu sou feliz"

domingo, 25 de março de 2018

Humor fim de semana

Um árabe cheio de sede atravessava o deserto há várias horas quando ao longe vislumbrou uma banca.
Na esperança de lá ter água, acelerou o passo.
Uma hora depois chega finalmente e aproxima-se:
- Boa tarde, tem água ?
- Não, a única coisa que tenho são gravatas para venda.
- Gravatas ? Quem é que compra isso no deserto ??
- Olhe que estão em promoção, cinco euros cada uma.
- Quer comprar ?
- Claro que não ! Estou cheio de sede e o que eu queria era água !
- Tenho aqui umas que combinam com a sua túnica...
- Não quero nada disso, já disse ! Quero é matar a sede.
- OK. Mas olhe, depois daquela duna ali, se virar para Oeste encontra um oásis a cerca de 4km.
- A sério ?!
- Garantido !
- Então vou-me pôr a caminho.
Passadas cinco horas e já rente à noitinha, o árabe volta ao local da banca das gravatas:
- Então, encontrou o oásis ?
- Encontrei.
- Então ?
- O sacana do porteiro diz que não se pode entrar sem gravata ....

Catarina e a idade da inocência

Ana Catarina Mendes propôs ao governo, há mais de uma semana, uma intervenção no futebol, para evitar males maiores.
Eu gosto imenso da secretária geral do PS, mas ACM devia saber que o pedido não pode ter provimento. Bastava-lhe atentar ao comportamento do IPDJ e do secretário de estado do Desporto e da Juventude, para perceber que qualquer intervenção do governo  seria  iníqua e, por consequência, contraproducente. 

sábado, 24 de março de 2018

Cães em restaurantes: a favor ou contra?


O atraso tecnológico de Portugal

Enquanto um pouco por todo o mundo, o FB ajuda a eleger os seus candidatos, ou manipula referendos, recorrendo às fake news, em Portugal  continuamos muito atrasados. As fake news são plantadas na comunicação social por jornalistas  que depois são promovidos  a dirigentes da administração pública, ou a assessores de gabinetes ministeriais.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Até podiam aproveitar a Páscoa...

O José Simões sugere e eu apoio:

Uma questão de Fé


Não tenho qualquer dúvida sobre a seriedade e independência do Professor João Guerreiro,uma das pessoas mais íntegras que conheço. Parece-me por isso muito estranho que a CTI não tenha ouvido o ex secretário de estado Jorge Gomes e venha agora admitir a existência de imprecisões no relatório.
Reconheço,igualmente, a enorme competência do professor Jorge Gomes. Se chama mentiroso ao 2 Comandante da Proteção Civil, não o afirma sem fundamento. É o próprio professor João Guerreiro que reconhece a possibilidade de se ter baseado em dados falsos que lhe foram fornecidos.
Não reconheço em Assunção Cristas idoneidade moral, nem capacidade técnica ou politica para fazer as acusações que tem vindo a fazer ao governo, atribuindo-lhe responsabilidades que a CTI não descortinou no relatório.
Posto isto, tirem as vossas conclusões. Eu já tirei as minhas e só vos digo isto:
Continuem a acreditar que a culpa dos incêndios foi da ministra e vão ter muitas surpresas desagradáveis. Nem precisam de esperar muito. Basta aguardarem pelo próximo Verão. 

quinta-feira, 22 de março de 2018

Memórias em vinil (CCCLXI)


Hoje apeteceu-me recordar este Desabafo. 
Boa noite!

Notícia de Última Hora

Meninas dos bares de alterne queixam-se de ter sido vítimas de assédio sexual.

Um imigrante de sucesso



Em meados da década de 70, um cidadão nigeriano entrou em Itália com um visto de estudante. Tinha abandonado a Nigéria natal uns anos antes para estudar economia numa universidade de Manchester e, concluído o curso, rumou a Itália onde entrou com um visto de estudante.   Concluiu o curso de finanças na Universidade de Bergamo e em 1993 ocupou o primeiro cargo político, como deputado municipal.
Em 2018, torna-se o primeiro senador negro da História de Itália. Não foi eleito por nenhum partido democrático, mas sim pela Liga Norte, partido que defende a deportação de 600 mil emigrantes- a maioria deles africanos.
Toni Iwobi –agora com 62 anos e a vida feita- defende  que a estratégia migratória deve passar por apoiar os candidatos a emigrantes nos seus próprios países. Uma teoria tão velha  e gasta como deve estar a sua memória, mas muito bem acolhida por  Matteo Salvini - líder da Liga Norte- que deposita grandes esperanças em Iwobi, para prosseguir a política xenófoba e anti-imigração  pelo partido que- recorde-se- poderá vir a fazer parte do futuro governo italiano.

quarta-feira, 21 de março de 2018

Memórias em vinil (CCCLX)

E porque hoje é Dia Mundial da Poesia, foi esta a primeira memória que me apareceu.
Boa noite!

O Passismo está bem vivo (Infelizmente...)




Anda por aí muita gente convencida que, com a saída de  cena de Passos Coelho e a ascensão de Rui Rio à liderança do PSD, o debate político subiu de nível.
Não nos iludamos. Acabo de ouvir Luís Montenegro acusar o governo de ser responsável pelo surto de sarampo que grassa no país.
Só uma pessoa com grande desonestidade intelectual e sem qualquer réstea de moral pode fazer uma afirmação destas.  
Com argumentos deste jaez, Luís Montenegro não pode ser uma pessoa séria. Não seria problema, se o ex líder parlamentar do PSD não tivesse anunciado que um dia voltará para disputar a liderança do PSD. 
De uma coisa não tenho dúvidas. Faz um belo par com Assunção Cristas. Será pela proximidade geográfica das suas origens que têm um estilo arruaceiro tão similar?

Prioridades da RTP: educar o gosto dos portugueses ao pontapé!





Na noite de segunda feira, dia do Pai, a RTP transmitiu em directo, no canal 1, uma gala de entrega de prémios Quinas de OURO, promovida pela FPF, Sindicato de Jogadores e outras entidades do mundo da bola. Durante duas horas, o principal canal da RTP serviu de palco ao desfile dos homens e mulheres da bola, no pavilhão Carlos Lopes. Cultura- dizem eles. 
Ontem à noite, a Sociedade Portuguesa de Autores atribuiu os prémios Autores 2018, durante uma gala realizada no CCB. A RTP remeteu a transmissão para o canal 2.
 Por muito que se goste de futebol - e eu gosto- só por masoquismo alguém passa duas horas diante de um televisor a ver a atribuição dos prémios da bola. Alguém na RTP, porém, terá considerado que os prémios Quina de Ouro tinham potencial para atrair grande audiência, já que por lá estavam vários ídolos dos portugueses, como Cristiano Ronaldo, Mourinho e ... LFV.
Já quanto aos Prémios da SPA, que distinguem autores e obras que marcaram a nossa vida cultural e artística em 2018, a RTP considerou que se tratava de uma gala menor, que não mereceria a atenção dos portugueses e remeteu-a, discreta e envergonhadamente para a RTP 2.
À primeira vista, a  escala de prioridades de serviço público da RTP parece um insulto aos portugueses mas depois olhamos à nossa volta, pensamos mais maduramente, e chegamos  à conclusão que às tantas a RTP  tem razão nas prioridades que estabelece. Os portugueses são capazes de passar uma semana inteira a discutir futebol mas, quando se trata de cultura, despacham o assunto rapidamente.
Creio - porventura com alguma ingenuidade-  que serviço público também é proporcionar aos portugueses  programas culturais ( sim, eu sei que a RTP 2 tem uma oferta boa e variada, mas é um canal  visto  por um público específico) no canal 1. 
Não resisto, por isso, a lançar um repto a Marcelo Rebelo de Sousa. Uma vez que esteve nas duas galas, reserve uns minutinhos do seu tempo para dizer  aos responsáveis da RTP que estiveram muito mal ao inverter a ordem de prioridades.
Agradecido

O caminho para a Felicidade (só para adultos)





A Primavera chegou hoje, a meio da tarde. Para assinalar esse momento sempre ansiosamente esperado, planeei divulgar aqui um pequeno filme sobre a Felicidade.

Estranhamente,  apesar de não se tratar de um filme de auto ajuda, o You Tube estabelece restrições de idade a este vídeo que nos indica o caminho para  chegar às Felicidade. Por esse motivo, não consegui reproduzi-lo aqui directamente
Como  me parece que este pequeno filme de Steve Cuts é imperdível, recorri a outra via para o mostrar aos leitores do CR.
Antes de vos começar a contar alguns truques utilizados pelas empresas para enganar os consumidores, sugiro-vos que vejam esta curta metragem ( 4m) porque, no fundo, a culpa de sermos apanhados nas ratoeiras que nos impedem de conhecer a prometida Felicidade Suprema, também é nossa.

terça-feira, 20 de março de 2018

Kadhaffi, Sarkozy e a homilia de Marcelo



Ao saber da detenção de Sarkozy por,alegadamente, ter recebido dinheiro de Kadhaffi para financiar as suas campanhas eleitorais, rebobinei imediatamente a cassette e recordei algumas coisas que aqui escrevi à época.
Quando, em plena Primavera Árabe, Kadhafi disse que o queriam matar porque   sabia muitas coisas sobre a França e a Europa e financiara as campanhas de Sarkozy, os deslumbrados com as democracias árabes chamaram-lhe tudo.
Num post que escrevi sobre o assunto, dizendo que matar Kadhaffi seria um erro histórico de que a Europa se iria arrepender, fui acusado de ser  pró árabe e apoiar ditadores.  
Sete anos depois, comprova-se que tudo era verdade e, muito provavelmente, que Kadhaffi foi mesmo morto para não dar com a língua nos dentes
Nada que nos deva surpreender.
No dia 23 de Outubro de 2011, na sua homilia dominical, Marcelo Rebelo de Sousa afirmava que "Kadhaffi não podia ir a julgamento.Tinha de ser morto,  porque sabia demais!"( siga link)



O Drama, a Tragédia, o Horror!


Manhã de domingo, algures no Ribatejo
Enquanto a câmara nos mostrava umas estradas parcialmente alagadas, a jornalista fugia afogueada da intempérie e lançava perguntas a quem encontrava à mão.
Num notável esforço para dramatizar a situação traçava cenários de grande catástrofe e procurava com denodo sinais de destruição.
Às perguntas sobre as cheias os entrevistados respondiam com um sorriso.
Cheias? Isto são só inundações, menina.  E pequenitas.Todos os anos temos cá disto e bem pior.
Mas a ponte está cortada ao trânsito, como fazem para ir trabalhar?
( Eu que me lembro bem dos idos de 70 , quando  duas vezes por semana atravessava a ponte parcialmente alagada numa Renault 4 por onde entrava água até me ensopar as galochas, não pude deixar de esboçar um sorriso com o horror da repórter, perante uma ponte cortada ao trânsito, mas com as faixas de rodagem parcialmente visíveis e por isso transitável por veículos TT em caso de emergência)
A entrevistada não sorriu por compaixão, mas sempre foi dizendo:
- Temos de ir à volta, menina. Paciência! Já estamos habituados, porque todos os anos acontece o mesmo.
E os prejuízos das cheias para a agricultura?
-Ó menina!- respondeu condescendente o agricultor. Esta água é ouro para os campos. Renova-os e torna-os mais férteis.
A jornalista –repórter, ou vice versa, estava descoroçoada com a indiferença dos ribatejanos a uma tão grande catástrofe.  Para ela aquelas estradas parcialmente alagadas e os terrenos circundantes  submersos eram uma paisagem digna do Inferno de Dante.  Aquele cenário era  o espelho do drama, da tragédia, do horror!
Tive vontade de lhe telefonar e convidá-la para ver as fotografias dos anos 70 que tenho no meu espólio. Especialmente uma, onde o meu  supervisor do PNUD, um belga de provecta idade vai sentado no capô da Renault 4 ( com água até meio das portas) a dar-me orientações para não cair em buracos, nem sair da estrada.
Antigamente é que havia cheias, menina! O que acabou de ver e reportar aos telespectadores com tanta emotividade, foi apenas um  transtorno para os ribatejanos.

segunda-feira, 19 de março de 2018

Memórias em vinil (CCCLIX)

Espero bem que seja verdade.
Boa noite e boa semana

E os políticos é que são corruptos?

Foram detectados cerca de 400 processos irregulares nos pedidos de apoio das vítimas de Pedrogao. Alguns deles são referentes a agregados familiares em que três ou mesmo quatro membros  da mesma família-apresentaram candidatura.
A corrupção e a cunha fazem parte do ADN tuga, não são um exclusivo da classe política.

Revolta na Corte




Na corte de Luis XIV ( foto roubada da Net)


Depois de aturadas pesquisas descobri a razão de terem começado a chamar nomes aos dias de chuva e vento.
Tudo começou no Verão passado, durante os fogos florestais. Farto de ser acusado pelos terráqueos de mandar no tempo e lhe caber a escolha dos locais que deve aspergir com a bênção ou a maldição divina, S. Pedro convocou uma AG de Santos da Corte Celeste para acabar com a paródia.
Aberta a sessão, tomou a palavra e disse:
-Vocês acham bem que seja sempre eu a ser insultado pelos terráqueos por causa do tempo? Se chove gritam “ fecha a torneira, S. Pedro”  Se faz sol reclamam “ manda-nos um pouco de água. S. Pedro”. Se faz vento “ não estejas zangado connosco, S. Pedro!”  Se as estações andam descontroladas vociferam “ Ó S. Pedro esqueceste-te que já estamos na Primavera? Vê lá se acertas o relógio!” Se o Verão é um bocado mais fresco “ Francamente, S. Pedro, tirei férias e tu mandas-me um tempo destes?” Mas se o Verão se estende um bocadinho e adentra Outubro, lá estão eles a chamar-me a atenção para a pouca vergonha, que aquilo não são temperaturas para o Outono e lá se vai o vinho e as colheitas e não sei que mais”.
Confesso-vos, caríssimos santos e camaradas, que estou farto de ser chamado constantemente a  apagar fogos ou secar inundações. Estou velho, quero reformar-me e ter um bocado de descanso. Preciso que alguém me ajude a aturar aquela gente sempre insatisfeita e que não sabe o que quer.  Se não fosse aqui a Bárbara ajudar-me em dias de trovoada, já tinha morrido de cansaço com aqueles europeus. Aquela malta lá em baixo não consegue governar os seus países e agora querem que eu, lá por ser santo, regule o tempo no meio daquela confusão. Portanto, meus caros santos e santas, vou criar um Gabinete de Crise e, a partir do próximo Inverno, a exemplo do que acontece com os tufões e os ciclones, as chuvazitas que caem no sul da Europa ( e já agora  nas ilhas Britânicas, porque eles andam lá atrapalhados como Brexit, ou lá que é)  também vão passar a ter nomes. Quer isso dizer que todos vocês estão convocados para passarem o próximo Inverno na Europa. No entanto, para não se atrapalharem uns aos outros no serviço, vou fazer uma escala. A primeira será a Ana, depois o Bruno…. o Felix, a  Gisela…
Imagem  do blog O Cão que fuma



-Ó chefe Pedro! Desculpe mas eu não sou santo e não tenho nada a ver com isso- reclamou Felix
- Não és santo? Quem te disse? Ora anda aqui ver o mapa. Estás a ver?  S. Felix da Marinha em Portugal, ao pé de Espinho. Estás cheio de sorte, porque Portugal está na moda e não te devem chatear muito…
-  Ó chefinho! Não me venha dizer que eu também sou santo lá na Europa- reclamou Bruno
S. Pedro abriu o Google, consultou o dicionário dos santos, depois foi ao Google Maps e, vitorioso,  apontou para a cidade do Porto. 
-  Aqui está. Sampaio Bruno! Mesmo no centro do Porto.
- Ó chefe Pedro! Sampaio não é S. Paio- reclamou Bruno
- Não digas disparates, Bruno. Tu não conheces o novo acordo ortográfico! Agora lá em Portugal cada um escreve como lhe apetece.
Foi a vez de Giselle intervir. 
-Eu não devia estar na escala, Pedro! Sou bailarina, já ando muito ocupada e os europeus do sul nunca ouviram falar de nenhuma Santa Gisel
- Santa por aquelas bandas não serás mas, se insistes em ser bailarina, cuidado quando fores a Portugal, porque anda lá uma fulana da política que rapinou alguns dos nossos nomes e confunde bailados com touradas.
- Quem? A Assunção Cristas?  Essa conheço eu de ginjeira. É uma chata do caraças- interrompeu Judas Tadeu. Quando era ministra, punha as secretárias, o chefe de gabinete, os assessores e até o motorista a rezar- me a pedir chuva. Eu sempre a dizer-lhe que isso não era do meu pelouro mas ela insistia que era em mim que confiava e não me largava  do pé. Uma chata do caraças, essa Assunção.
Em política não me meto, por isso, está terminada a reunião. Escalei 22 nomes, 11 mulheres e 11 homens, por causa da paridade, ou igualdade do género, ou lá o que é e ninguém se vai baldar. Acabou a paródia, ouviram?  A partir do próximo Inverno vão estar os 22 de prevenção e, pelo sim pelo não, ainda vou escalar 5 suplentes, porque aqueles gajos lá na Terra  andam tão entusiasmados a dar cabo do Ambiente, que a gente aqui não tem mãos a medir para reparar as asneiras que eles fazem. 
Vá lá, Ana, prepara-te porque vais ser a primeira a ser chamada e eu não quero atrasos.
E tu, Paulo, vai convocar uma conferência de imprensa para comunicarmos ao mundo esta decisão da Corte Celestial.
Neste momento entra Jesus, afadigado.
- Que se passa consigo, mister? perguntaram os santos em uníssono.
Vocês sabem lá o que me aconteceu… Vai ser difícil ganhar o campeonato e, se não ganhar a Liga Europa, vou ser escorraçado, deitado aos leões pelo Bruno de Carvalho e vamos ter que reinventar a Páscoa.

domingo, 18 de março de 2018

Um Rio pouco transparente...




Não me surpreendem absolutamente nada os ataques à "entourage" de Rui Rio. Faz parte da estratégia da ala do PSD duplamente derrotada com a  criação da troika e o fiasco Santana Lopes.
Orfão do cavaquismo e do passismo,  seu sucedâneo, o PSD tenta recuperar a linha dura protagonizada por aquele duo, denegrindo a imagem do actual líder.
Digamos que tem a vida facilitada pela inabilidade do actual líder que, além de ter má imprensa, se pôs a jeito.
Se as críticas ao que recebe da Ordem dos Contabilistas, ou o caso Elina Fraga ainda podem ser vistos como mero revanchismo dos derrotados, já o caso dos relvados sintéticos, implicando um presidente de câmara que foi um dos seus principais apoiantes, ou o "curriculum" inflacionado de Barreiras Duarte são  demasiado  graves para Rui Rio assobiar para o ar, ou enviar recados aos visados para que se demitam. Exige-se muito mais a quem promete rigor e transparência. Exige-se, no mínimo, coerência.

Como um dia de domingo

Manhã de domingo. Levanto-me suficientemente tarde, para fundir num brunch o breakfast e o lunch ( há coisas que não se podem mesmo dizer em português, pois não?)

Desço ao Continente dos pequeninos que abriu há umas semanas à porta de minha casa para comprar pão fresco e outras miudezas.

Enquanto espero uns minutos, até que o pão saia do forno, sou atraído pelo alvoroço de duas crianças, que brincam com um carrinho de compras ainda meio cheio. A mãe aproxima-se. Antes de depositar no carrinho o que traz na mão avisa:

- Vá lá, meninos! Agora tenham cuidado porque vou por os ovos...

Troco um sorriso cúmplice com a empregada da padaria. 

sexta-feira, 16 de março de 2018

Para que conste...


Eu sou ESCORPIÃO!



Notícias da doença X

Depois da Gripe A, de que certamente todos se lembram, a OMS apresenta o último grito em epidemias. Capaz de dizimar uma boa parte da Humanidade, a doença X promete também enriquecer laboratórios e farmacêuticas.

António Costa disse alguma mentira?

António Costa não disse que a informação mentia, disse que a informação em Portugal é má. Alguém tem dúvidas disso? 
Alguém tem dúvidas que a informação anda atrás dos acontecimentos, em vez de se antecipar a eles e aproveitar para fazer alguma pedagogia? 
Não precisam, pois, algumas jornalistas histéricas de vir para a praça pública acusar o PM de querer fazer censura, porque isso só as desqualifica como jornalistas.

quinta-feira, 15 de março de 2018

Memórias em vinil (CCCLVIII)

Boa noite!

OLÁ Direitos do Consumidor! Sorriam para a fotografia, sff



Há uma série de  direitos sectoriais plasmados  nas leis de cada país, ou em Convenções e Acordos Internacionais, que apenas servem para maquilhar a face das democracias ocidentais e embelezarem a fotografia.
É o caso, por exemplo, dos direitos do consumidor cujo Dia Mundial hoje se assinala.
Tempos houve em que estes direitos eram respeitados mas, quando a sua aplicação começou a doer às empresas, o poder económico tratou de convencer o poder político a varrê-los para debaixo do tapete.
Hoje em dia, a defesa e  protecção do consumidor em Portugal e na Europa  é encarada  como uma bizantinice de uns quantos parolos como eu que, embora já não acredite na  aplicação universal dos direitos dos consumidores, reconhece que servem para resolver situações pontuais.
Acima de tudo, acredito que a melhor protecção do consumidor se faz promovendo o consumo ético  e sustentável. Como facilmente se demonstra pela actuação de algumas empresas, pelo comportamento néscio de muitos consumidores e pela indiferença do Estado, ética e sustentabilidade são duas batalhas perdidas. Mais grave ainda é que a comunicação social tenha deixado de dar importância a estas questões, limitando-se a reproduzir aquilo que a DECO lhes impinge. Mas que se pode esperar de uma associação de defesa do consumidor que recorre às técnicas de marketing que outrora combateu, para promover os seus produtos?
Nunca fui adepto do princípio “ se não consegues combater o inimigo junta-te a ele”, pelo que considero a actuação da EDIDECO absolutamente vergonhosa e lamento que o Estado encolha os ombros perante as práticas da empresa/associação.

Como pretendo  ser até ao fim um lutador pela protecção do ambiente e dos consumidores,  nos próximos dias irei escrever sobre empresas camaleão  que fazem dos CTT uma empresa exemplar, de empresas municipais que agem com dolo, de empresas de serviços de interesse público geral que zombam dos tribunais e de outros casos que merecem ser noticiados, para percebermos o lamaçal que é, hoje em dia, a defesa dos direitos do consumidor.

Este país não é para levar a sério

E quando chegar Junho, com o alto patrocínio de S.EXª o Presidente da República, quem não tiver feito a limpeza terá a condescendência merecida e não haverá multas para ninguém. Se os fogos forem outra vez devastadores, há sempre um ministro a quem culpar e um PR a exigir a sua demissão.

Este país, onde tudo o que de mau acontece é culpa dos governos e as coisas boas são mérito dos privados, não é para levar a sério. Lamentável é que o PR seja da mesma opinião.

A cobardia da Europa



Escrevi  há umas semanas um post sobre a  actuação de Erdogan na Síria e o silêncio cúmplice da Europa ( ler aqui) 
Quando a Turquia prepara o assalto final a Afrin, as televisões continuam a empanturrar-nos com notícias sobre  Ghouta, enquanto de quando em vez nos lembram , em rodapé, o miserável ataque de Erdogan ao Curdistão, com a consequente ocupação de uma parte da Síria.
Os países europeus, com excepção da França,optam pelo silêncio e não fazem uma única crítica a Erdogan. Na ONU ninguém pede uma reunião de emergência para condenar a Turquia.
 Já não se trata de hipocrisia da Europa. É mesmo cobardia! 

quarta-feira, 14 de março de 2018

Memórias em vinil (CCCLVII)


Com tanta chuva, esta não me sai da memória. Boa noite!

Encontro entre Trump e Kim Jong Ün será em Port



A Casa Amarela de Van Gogh


Na semana passada, o mundo ficou a saber que Kim Jong e Donald Trump vão encontrar-se em Maio, em local não divulgado.
Ainda eu estava a imaginar como seria o diálogo entre as duas crianças loucas que gostam de brincar às guerras em tempo real, já Durão Barroso anunciava que estava disponível para patrocinar o encontro  e servir os cafés. 
Ao contrário do que aconteceu no encontro  em que serviu de mediador para promover a Guerra do Iraque e viu armas de destruição maciça, graças a uma generosa dose de alucinogéneos que lhe puseram no café, Durão Barroso propôs que o encontro se realizasse num local discreto, em Lisboa. Mais propriamente no Júlio de Matos.  
A proposta foi de imediato recusada por Trump, alegando que nunca se reuniria numa casa cor de rosa, porque não faz cedências ao LGBT.
Durão propôs como alternativa um edifício  Sant'Ana à Lapa frequentado por um apreciável número de pessoas estranhas, mas a proposta foi recusada por Kim Jong Ün, porque a sede do PSD é Branca e Kim não faz cedências ao imperialismo yankee.
Foi então que entrou em cena Rui Moreira que, perante o impasse, propôs que o encontro se realize na Quinta da Casa Amarela, situada no Douro, em zona protegida pela UNESCO. Trump começou por torcer o nariz quando ouviu falar da UNESCO, mas assim que lhe disseram que lá se produzia um belíssimo vinho  deixou de colocar obstáculos, o que mereceu a anuência imediata de Kim Jong Ün, sublinhada com risinhos nervosos ( e , segundo dizem, amarelos...).
Embora ainda não tenha sido divulgada a agenda do encontro entre Trump e Kim, o CR sabe que o encontro começará com a leitura de um excerto do "Soldadinho de Chumbo" , prosseguirá com um torneio de "Jogos de Guerra" e terminará com a assinatura de um acordo comercial para troca de brinquedos de guerra.
Os dois presidentes também trocarão lembranças simbólicas para marcar este histórico encontro. Donald Trump oferecerá  ao presidente norte-coreano uma caderneta de cromos sobre "A Conquista do Oeste", recebendo do seu homólogo uma réplica em miniatura do míssil com que Kim Jong Un  pretende destruir os EUA. 
Durante o encontro serão servidos sumos de fruta norte coreana, Coca Cola, Smarties e Kyungdan, os típicos bolos de arroz com recheio de mel e açúcar.
Durão Barroso disse ao CR que, se o encontro se realizar em Lisboa, a Goldman Sachs oferecerá pastéis de nata.

À atenção do sr Putin




Vladimir Putin anunciou que a Rússia tem uma arma invencível, porque não pode ser detectada pelos escudos americanos.
Se eu fosse  Putin não estaria tão confiante. Talvez fosse melhor alguém lembrar-lhe que Filipe II de Espanha também pensava ter  uma Armada Invencível e lixou-se!

terça-feira, 13 de março de 2018

Memórias em vinil (CCCLVI)


Sugiro-vos que leiam o  post anterior, para perceberem  porque trouxe hoje esta memória.
Alguém duvida que foi um dos maiores sucessos do ano?
Boa noite 

1986: os amigos de Alex

Hoje à noite,pelas 22 horas, estreia na RTP 1 a série 1986.
Não arrisco comentar previamente, mas palpita-me que teremos uma revisitação ao estilo Amigos de Alex  mas, certamente, sem a mesma pujança. 
Entretanto, recupero para os leitores do CR, um resumo  das minhas memórias  do ano 1986, escritas, produzidas e publicadas por mim em 1999, no âmbito do trabalho sobre  a História do século XX que, em breve, terá reedição em livro.






A entrada em 1986  faz-se ao som de Rui Reininho cantando “ Quero ver Portugal na CEE”. Foi feita a sua vontade...

No primeiro dia do ano , Portugal entra formalmente para a CEE e o primeiro bébé proveta a nascer no nosso País já é um cidadão comunitário. Ambos os acontecimentos podem ser registados com as novas máquinas fotográficas descartáveis.

No Hospital de Santa Cruz faz-se o primeiro transplante cardíaco. A medicina portuguesa vive um ano de glória. 
Acaba o papel selado e começa o "Cartão Jovem" . A sociedade de consumo proclama eufórica :"Venham a mim as criancinhas".

"Era Uma Vez na América" enche as salas de cinema, enquanto a campanha de Freitas do Amaral sob o lema "P'ra Frente Portugal" é feita ao bom estilo americano. Mário Soares "é fixe" e ganha as eleições, mas quem vai p'rá frente é a sociedade de consumo. A D. Branca está presa, mas a Bolsa faz a sua vez e os portugueses entram em euforia bolsista.

O filme “África Minha” é o rei de Hollywood, ao conquistar sete estatuetas e o nigeriano Wole Soyinka é o primeiro africano galardoado com o Prémio Nobel da literatura. A África do Sul, no entanto, persiste na sua teimosia e o governo vê-se obrigado a decretar o estado de sítio, na sequência de graves tumultos raciais.

O vai-vem Challenger explode com sete tripulantes a bordo. Pausa no programa de voos tripulados.

Aquilo que se dizia ser impossível acontece: em Chernobyl (URSS) explode um reactor da central nuclear e é libertada para a atmosfera uma gigantesca nuvem de radiações, que atinge vários países europeus.

Na Alemanha um incêndio numa fábrica de produtos químicos polui gravemente o Reno.

Os cientistas lançam alertas de perigo, mas os políticos assobiam para o ar. Se o povo quer circo, os políticos estão dispostos a fazer-lhe a vontade, em troca de uns votos nas urnas. Não admira, pois, que muitos tenham encarnado a figura do palhaço rico, para conferir mais realismo ao circo da sociedade de consumo.
Em Portugal os portugueses fazem filas. Para levantar dinheiro no multibanco e para preencher os boletins do totoloto, na esperança de verem descer a inflação. 
As agências de viagens andam numa azáfama a organizar excursões de todo o País para Lisboa. Motivo: nas Amoreiras fora inaugurado , em 1985, o farol da
sociedade de consumo à portuguesa - o Centro Comercial das Amoreiras. Os portugueses que antes do 25 de Abril se deslocavam a Badajoz para comprar caramelos, riem-se das hordas de espanhóis que invadem Lisboa e desembarcam, estupefactos, no paraíso ibérico da sociedade de consumo. ( Anos mais tarde o Corte Inglês há-de vingar os espanhóis, mas isso é outra história)
A partir de agora é possível uma visão do que será o século XXI, com a inauguração, perto de Paris, de La Villette- a Cidade da Ciência. Se as previsões não falharem, é capaz de ser agradável viver essa época tecnológica.
No final do ano, na URSS, a glasnost junta-se à  perestroika e com duas palavras apenas, os portugueses aprendem a falar russo.