segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Sob os escombros de Erdogan

Escrevi e publiquei  este post na sexta feira mas, face às últimas notícias, parece-me apropriado recordá-lo.


O Ocidente, dito civilizado e democrático, do alto da sua superioridade moral, indigna-se contra o massacre de Ghouta. Como se estivessem isentas de culpas, as grandes potências irrompem em choros tronitruantes, lamentando a perda de centenas de vidas humanas.
Lágrimas de crocodilo que não brotam dos olhos desses mesmos lideres, acolitados por uma comunicação social acéfala, quando Erdogan ameaça dizimar os curdos.
Alguém poderia fazer o favor de lembrar a esses miseráveis lideres ocidentais que governam o mundo, que os curdos lutaram bravamente contra os jihadistas e a eles devemos em grande parte a derrota do Daesh?
Alguém poderá, por obséquio, lembrar aos lideres europeus que é chegada a hora de deixarem de apaparicar Erdogan e condenar veementemente as suas  ameaças contra os curdos, traduzidas nas últimas semanas em massacres de uma violência inaudita que a nossa querida comunicação social parece desconhecer?
O que se está a passar em Ghouta é tão inadmissível como o que se está a passar no Curdistão
 Em Afrin, cuja população é maioritariamente curda, tropas sírias e turcas já  entraram em conflito e se Erdogan - intolerante face ao acordo entre sírios e curdos- cumprir  as ameaças, tronar-se-á palco de mais um massacre do ditador turco a quem os países ocidentais continuam a prestar vassalagem.
Estamos perante mais um momento de cobardia do ocidente, do qual a Europa  se arrependerá. Ao deixar Erdogan em roda livre, a Europa não está apenas a ser ingrata com os curdos. Está também a demonstrar que não aprendeu nada
 com a Primavera Árabe.
A Europa tem  contornado (aparentemente) sem grandes danos  inúmeros erros estratégicos em conflitos regionais. No entanto, cada um desses erros lhe tem retirado poder e protagonismo à escala global, estando hoje reduzida a um papel subalterno. 
Em breve saberemos se conseguirá "sobreviver" sob os escombros do ataque de Erdogan aos curdos, que  com o seu silêncio cobarde avalizou.

2 comentários:

  1. Já o disse e repito - fiquei incomodado com a minha estadia na Turquia.
    Mal sabia que era o sexto sentido a avisar-me que aquilo é podre.

    ResponderEliminar
  2. Tão pouco tempo vivemos e o mal que fazemos...

    ResponderEliminar