quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXLVI)

E como parece que veio para ficar, vamos ter muitas noites para recordar esta canção. Na voz de Sylvie Vartan, ou na versão inglesa

ÉPOCA DE INCÊNDIOS (2ª Chamada)


Ontem, apesar da neve e do frio, uma queimada provocou um incêndio de grandes dimensões em Caminha.No último sábado foram registadas 274 ocorrências. Perante este cenário, tentei encontrar justificação para tanto incêndio em pleno Inverno.
Um bombeiro amigo esclareceu-me que estão em curso os exames da segunda chamada, para ingresso nos quadros, dos bombeiros que no Verão andaram a atear fogos, em vez de os apagarem e para guardas florestais que não enxergam queimadas ilegais.

António Costa e o Poliamor

A chegada de Rui Rio à liderança do PSD confirmou aquilo que eu- e muitos milhares de portugueses- já desconfiavam: António Costa é adepto do POLIAMOR.
Cansado das exigências (por vezes caras)  dos parceiros da Geringonça, virou-se para Rui Rio, um amor antigo que nunca esqueceu, na esperança de receber algum conforto.
Compreendo o cansaço de António Costa face às exigências cada vez mais caras dos parceiros da Geringonça, mas fico a torcer para que não se deixe embeiçar demais por esse amor antigo, pois isso pode ser encarado como provocação, ou mesmo traição, pelos seus parceiros actuais que já deram sobejas provas de  não serem adeptos da prática amorosa que António Costa tanto aprecia. Enquanto não passar de arrufos, tudo bem, mas se os actuais parceiros da Geringonça -mesmo que apenas por estratégia-  optarem pelo divórcio, quem fica a perder são os portugueses. Especialmente os que mais precisam que a actual fórmula governativa se mantenha para lá de 2019.

À atenção dos investidores



E também dos operadores turísticos e empreendedores imobiliários.
Chegou a hora de investir na Gronelândia, onde as temperaturas são amenas no Inverno. 

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXLV)






Se encontrarem algum melhor,avisem-no, por favor..Boa noite!  

Como se faz um filho da puta?




Por muito que custe admitir à senhora Merkel e a outros lideres europeus, foi a  Europa que construiu este monstro.

As mulheres vêm equipadas com um órgão da mentira?




Quando escrevi sobre essa cena, prometi-vos que um dia viria aqui explicar porque adivinhei o conto que eles estavam a ler e lançar-vos um desafio.
O conto do livro "Homens sem Mulheres", de Haruki Murakami, intitula-se "Um órgão independente".
(Haruki Murakami esclarece que se trata de um conto real com personagens reais, pelo que lhe deve ser dado o consequente crédito)
A personagem central é o doutor Tokai  que um dia terá exposto a Murakami uma deveras interessante teoria sobre as mulheres.
Diz o autor que Tokai que todas as mulheres nascem com um órgão independente concebido para mentir. Passo a citar ( sublinhados meus):
" Quanto ao tipo de mentiras, em que circunstâncias mentem e como o fazem, varia de mulher para mulher. Mas todas mentem quando chega a hora, sobretudo tratando-se de assuntos sérios. Também mentem sobre problemas de lana caprina como seria de esperar mas, acima de tudo, não hesitam em contar uma peta em assuntos da maior importância.E quando isso acontece a maioria não muda de expressão nem de tom de voz. Porque não são elas que mentem: é o órgão independente que mente por sua alta recreação. Daí que a mentira- salvo raríssimas excepções- não lhes pese na consciência nem as impeça der dormir um sono tranquilo".
Os leitores já terão percebido a razão de a conversa entre os jovens ir extremamente animada. Ora, para animar um bocadinho a caixa de comentários do CR, sugiro-vos que dêem a vossa opinião sobre a teoria do doutor Tokai.
Suspeito, também, que algumas daquelas mulheres de preto que se dizem vítimas de assédio sexual tenham recorrido ao auxílio daquele órgão, para esconder que foram elas a propiciar o assédio através da sua actuação Pessoalmente, confesso já ter sido vítima desse "órgão independente" em diversas situações
Se algum leitor quiser partilhar a sua experiência de vítima desse órgão, esteja à vontade. A caixa de comentários é sua.



A Epifania





"Não foi plágio, é igual"- diz António Vitorino de Almeida sobre a canção de Diogo Piçarra que venceu a segunda meia final do Festival da Canção.
Na verdade, até uns ouvidos duros como os meus percebem logo que a canção de Diogo Piçarra é decalcada de um hino da IURD.
O jovem músico diz que foi coincidência mas, diz-me a experiência, coincidências como esta não existem. 
A minha teoria é que  alguém levou Diogo Piçarra, em criança, a umas cerimónias da IURD. O puto assimilou os acordes e, um dia mais tarde, sem saber como, aquilo veio-lhe à cabeça.
Não estou a ser irónico. Isso pode perfeitamente acontecer. No entanto, se a minha teoria estiver errada, só encontro uma explicação: Diogo Piçarra teve uma Epifania e os acordes da sua canção festivaleira foram-lhe revelados por Edir Macedo.
E fico-me por aqui, pois a terceira hipótese ( Diogo Piçarra pertencer à IURD e estar a tentar um golpe publicitário) é demasiado perversa.
Uma coisa é certa: por uma questão de honra, Diogo Piçarra já devia ter retirado a canção. Como não o fez, deve ser a RTP a tomar essa decisão. Para preservar a credibilidade de um Festival que estava de rastos e ano passado conseguiu reabilitar. 
Se a canção de Diogo Piçarra fosse à final e, na pior das hipóteses, a nova versão do hino da IURD fosse escolhido para representar Portugal, seria um descrédito para  RTP e para o país.
Por tudo isto, Diogo Piçarra, seja homenzinho e faça o que qualquer Homem no seu lugar faria.

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXLIV)

Curiosamente, foi a leitura da capa do jornal "Hoje Macau" que me trouxe esta memória.
Que querem? É assim que eu gosto de recordar.
Tenham uma boa noite e uma excelente semana.

Quando as torneiras secarem

Todas as fotos deste post foram retiradas da Internet


Volto à cidade de Cabo.

A escolha justifica-se, porque creio ser difícil aos cidadãos ocidentais, repimpados nas maravilhas das novas tecnologias, imaginar que dentro de pouco tempo poderão não ter acesso a velhas tecnologias, como água canalizada a brotar das torneiras, por exemplo.
Já experimentei viver com água racionada em algumas zonas do globo fustigadas por secas prolongadas, onde a miséria é indescritível  e inimaginável para os padrões de vida ocidentais. Posso dizer-vos que não é nada agradável. 
Enquanto a seca só afectava as regiões  mais pobres do mundo, o mundo “civilizado” não deu grande importância. Afinal o Sudão do Sul é um inferno na Terra…  e os muitos milhões de seres humanos sem acesso a água potável vivem nessa zona miserável do globo, a que chamam de Terceiro Mundo
Agora, porém, a seca começa a ameaçar grandes metrópoles, como  Cidade do México ou Melbourne.
A situação mais grave vive-se, porém, na maravilhosa, luxuosa, ambígua, contraditória e exclusiva cidade do Cabo.  As famílias mais pobres há muito se habituaram a ter de percorrer diariamente longas distâncias, para acarretar água.
Já na zona mais luxuosa, onde estão as  mansões das famílias mais abastadas, as piscinas deixaram de ter a função para que foram construídas e estão a ser  utilizadas como reservatórios de água. 
Em Setembro, os quatro milhões de residentes  ainda podiam gastar 150 litros de água diariamente. Desde o início de Fevereiro  estão restringidos ao uso de 50 litros ( abaixo dos mínimos recomendados pela ONU)  o que significa, por exemplo, tomar banho uma vez por semana,   ter de recorrer a sanitas secas de compostagem e habituarmo-nos a uma série de artifícios  de “reciclagem” caseira.








O que mais impressiona e  faz de qualquer ambientalista aprendiz um  cidadão iracundo, é o facto de as autoridades sul africanas saberem, desde 1990, que no prazo de 20 anos as torneiras iriam secar na cidade do Cabo, se não fossem tomadas medidas adequadas. Ninguém ouviu os conselhos e advertências  de cientistas e ambientalistas e o resultado está à vista: as autoridades prevêem que, se a seca continuar ( praticamente não chove há três anos), o Dia Zero ( dia em que a água deixará de brotar das torneiras) deverá ocorrer entre Maio e Junho.

Será difícil imaginar quatro milhões de habitantes  a terem de deslocar-se, diariamente,  dezenas de quilómetros para se abastecerem em pontos indicados pelas autoridades.  Para além das questões logísticas que envolvem um problema desta magnitude, haverá consequências gravíssimas em termos económicos, sociais e de saúde pública. Centenas de milhares de pessoas ficarão sem emprego mas, os que conseguirem manter o seu posto de trabalho, como arranjarão forma de ir para as longas filas da água, onde terão de passar horas?



Não quero lançar o pânico, nem ser catastrofista, mas face ao que se está a passar em várias regiões do nosso país, com as barragens praticamente secas e a esperança de reposição significativa ser escassa, é altura de começar a encarar seriamente a necessidade de restrições. E se não chover, ou  se multiplicarem os incêndios estivais, é imperioso que se tomem medidas preventivas. Antes de racionar a água nas torneiras, há muita coisa a fazer. Para além de campanhas de sensibilização para poupança de água também é necessário ser implacável com quem não limpar as matas, ou fizer queimadas ilegais.
Toda a irresponsabilidade individual  que ponha em risco o bem comum deverá ser severa e exemplarmente punida. Sem contemplações. É altura de os tugas aprenderem a viver em sociedade e não incrustados nos seus mundos eivados de egoísmo, onde apenas conta o seu próprio interesse.


Em tempo: este post foi escrito ontem. Não sabia, por isso, que o "Público" iria publicar hoje um extenso dossier sobre a seca em Portugal. Congratulo-me ao ver que um dos jornais de referência lança alertas muito semelhantes aos que aqui deixo. É mais um sinal de que o assunto é sério e não pode ser desvalorizado pelo governo, nem  escamoteado  pela sociedade civil. 

Sob os escombros de Erdogan

Escrevi e publiquei  este post na sexta feira mas, face às últimas notícias, parece-me apropriado recordá-lo.


O Ocidente, dito civilizado e democrático, do alto da sua superioridade moral, indigna-se contra o massacre de Ghouta. Como se estivessem isentas de culpas, as grandes potências irrompem em choros tronitruantes, lamentando a perda de centenas de vidas humanas.
Lágrimas de crocodilo que não brotam dos olhos desses mesmos lideres, acolitados por uma comunicação social acéfala, quando Erdogan ameaça dizimar os curdos.
Alguém poderia fazer o favor de lembrar a esses miseráveis lideres ocidentais que governam o mundo, que os curdos lutaram bravamente contra os jihadistas e a eles devemos em grande parte a derrota do Daesh?
Alguém poderá, por obséquio, lembrar aos lideres europeus que é chegada a hora de deixarem de apaparicar Erdogan e condenar veementemente as suas  ameaças contra os curdos, traduzidas nas últimas semanas em massacres de uma violência inaudita que a nossa querida comunicação social parece desconhecer?
O que se está a passar em Ghouta é tão inadmissível como o que se está a passar no Curdistão
 Em Afrin, cuja população é maioritariamente curda, tropas sírias e turcas já  entraram em conflito e se Erdogan - intolerante face ao acordo entre sírios e curdos- cumprir  as ameaças, tronar-se-á palco de mais um massacre do ditador turco a quem os países ocidentais continuam a prestar vassalagem.
Estamos perante mais um momento de cobardia do ocidente, do qual a Europa  se arrependerá. Ao deixar Erdogan em roda livre, a Europa não está apenas a ser ingrata com os curdos. Está também a demonstrar que não aprendeu nada
 com a Primavera Árabe.
A Europa tem  contornado (aparentemente) sem grandes danos  inúmeros erros estratégicos em conflitos regionais. No entanto, cada um desses erros lhe tem retirado poder e protagonismo à escala global, estando hoje reduzida a um papel subalterno. 
Em breve saberemos se conseguirá "sobreviver" sob os escombros do ataque de Erdogan aos curdos, que  com o seu silêncio cobarde avalizou.

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Excitações

"Juro, sobre o livro mais sagrado que se encontra nesta sala, que é como quem diz, a lista telefónica ordenada alfabeticamente,dizer a verdade e apenas a verdade. A vida humana é um imenso vazio. Contudo, a salvação existe.No princípio a vida não era totalmente vazia. Somando erros atrás de erros, fomos nós que nos esforçamos por esvaziá-la de todo o conteúdobem explicado. Não vou perder o meu tempo a descrever com precisão esses erros. Seria demasiado longo e fastidioso.Aqueles que quiserem saber mais podem ler  Jean Christophe de Romain Rolland. Vem lá tudo muito bem explicado."

Haruki Murakami, "citando" Derek  Hartfield in "Ouve a Canção do Vento)

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXLII)

Orchestral Manoeuvres in the dark estiveram em Lisboa a semana passada. Não são a minha praia, como dirá o Pedro Coimbra, mas é justo incluí-los nestas memórias.
Boa noite e excelente fim de semana

Tento na língua, Daniel Oliveira




Chegou-me às mãos ( que é como quem diz à caixa de correio electrónico)  uma missiva de Daniel Oliveira de repúdio à actuação e postura de Bruno de Carvalho.
Nada mais natural num adepto sportinguista que pense pela sua cabeça e não seja fanático. O problema, porém, é que Daniel Oliveira resolveu acrescentar que não gostava de BdC, porque não queria ter no seu clube um Pinto da Costa.
Fiquei tentado a apostar que se BdC der ao Sporting tantos títulos como Pinto da Costa deu ao FC do Porto, Daniel Oliveira ainda é bem capaz de assinar uma petição para construir uma estátua de BdC à porta de Alvalade, mas nem por isso deixo de repudiar a comparação que fez, porque revela muita ignorância por parte de quem a proferiu.
Não sei se Pinto da Costa comprou árbitros com meninas ou viagens e pouco me interessa se ele muda de mulher como quem troca de automóvel. Sei, outrossim, que quer a nível civil, quer desportivo, tem sido absolvido de todos os processos em que foi acusado, incluindo este último da empresa de segurança. Se Pinto da Costa utilizou armas que outros já utilizaram e outros gostariam de utilizar se tivessem poder para isso, lamento e repudio, mas lembro que a essas acusações respondeu com muitos títulos internacionais, que outros não almejaram. Já agora, lembro a DO um princípio que ele muito gosta de invocar: " In dúbio, pro reo"
Sei, também, que  Pinto da Costa tem desenvolvido uma obra social de relevo na cidade do Porto que não posso menosprezar.
Não nutro qualquer simpatia especial por Pinto da Costa, mas sei que  é um homem educado e de cultura que, ao contrário de BdC ou LFV, nunca insultou sócios do clube em AG, pelo que sinto o dever de avisar Daniel Oliveira para ser mais rigoroso quando faz acusações a terceiros, ou criterioso quando estabelece comparações, para não escolher alvos errados.
No meu clube, eu quero ter um presidente que me dê títulos. A sua vida privada é-me absolutamente indiferente. E, se quiser fazer comparações, mais  depressa direi  que não quero ter um presidente que tenha enriquecido à custa da droga e da corrupção, do que um que diga umas diatribes como Bruno de Carvalho,. Acicates ( Não insultos...) aos adversários, remoques à comunicação social desportiva, apelos bacocos ao regionalismos (mesmo quando servem para denunciar os benefícios descarados aos clubes da capital), são inofensivos face a práticas de outros presidentes de clubes que vieram para o futebol para se servir dele e têm um percurso cheio de mácula na corrupção de jovens. 
Se Daniel Oliveira resistisse ao ódio que tem a Pinto da Costa ( por razões de todos conhecidas) escolheria certamente outro alvo e outro presidente para a comparação. Não precisava de ir ao Porto. Fazê-lo demonstra uma outra espécie de bairrismo bacoco que repudio de forma veemente.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXLI)

Mais um grande sucesso de Simon & Garfunkel.
Boa noite

Formação de professores: o método Trump




Donald Trump admite que é necessário reforçar as verbas para a formação de professores.
 Um dos objectivos é reduzir os atentados  nas escolas americanas ( desde o início do ano já se registaram 18), pelo que Trump considera uma boa ideia armar os professores, e dar-lhes formação adequada no seu manuseamento, de forma a poderem ripostar aos alunos.
Mais surpreendente, é que a ideia tenha sido lançada e apoiada por alguns pais.
Suspeito, por isso, que nesta América de regresso ao Velho Oeste, passe a fazer parte da formação dos profs americanos um módulo " Como se tornar um bom matador para defender os seus alunos".
Quando começará a próxima guerra civil americana?

Sissi: era uma vez em Berlim...




Vou lendo que este ano a Berlinale não tem sido palco para grandes filmes. Como, salvo raras excepções, confio cada vez menos na opinião dos críticos de cinema da nossa praça, fico a aguardar com grande expectativa a estreia em Portugal de " 3 Tage in Quiberon".
É mais um filme biográfico, género muito em voga nos últimos tempos. Neste caso a biografada é Romy Schneider mas, ao contrário da maioria das biografias,  "3 Tage in Quiberon" não relata a vida integral da  belíssima actriz alemã de nascimento, mas francesa de coração, que se celebrizou numa série de filmes sobre a imperatriz Sissi e se tornou musa de uma parte substancial da minha geração. 
Seremos por isso poupados aos episódios trágicos e "escandalosos" que Romy Schneider protagonizou ao longo da sua vida. Quem não tiver vivido no tempo da actriz, Romy Schneider, provavelmente nunca se aperceberá que ela  bebia para se sentir alegre e feliz, que viu o marido suicidar-se e teve de enfrentar a morte do filho, com apenas 14 anos.
O filme desenrola-se ao longo de apenas  três dias numa estância termal da Bretanha onde a actriz estava a fazer um tratamento de desintoxicação. Diz  quem  viu o filme, que aqueles foram dias felizes. Contrastantes com a vida angustiada de Romy (Sissi) Schneider, interrompida aos 43 anos. 

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXL)


Influenciado pelos ares mágicos do final de tarde, quando o Dragão veio ao Estoril papar uns canários, lembrei-me deste sucesso de Peter Paul & Mary.
Boa noite!

Breve crónica sobre a estupidez humana




Um autocarro com turistas sobe a Avenida da Liberdade. A determinado passo do percurso, o condutor  é obrigado a desviar-se para a  berma. para fugir a um outro veículo. Alguns ramos das árvores são arrancados, os turistas que viajam no piso superior (descapotável)  são atingidos e 13 ficam ligeiramente feridos.
Não foram ainda apurados os responsáveis pelo acidente, todos os turistas estão em perfeitas condições de saúde, prosseguindo as suas férias, mas já há um culpado: a árvore!
Num processo sumaríssimo, a câmara de Lisboa mandou cortar a árvore ( provavelmente acusada de não se ter desviado do autocarro) e agora ameaça retirar competências ao presidente da junta de freguesia de Santo António, por não  cuidar devidamente  da manutenção das árvores na Avenida da Liberdade.
Como o presidente da junta é do PSD e o da câmara  do PS, prevê-se uma longa discussão com litigâncias de má fé de permeio.
Entretanto a pobre árvore, alheia às querelas e sem culpas no cartório, foi privada da vida pela impiedosa mão humana, numa sublime manifestação de estupidez.
As árvores continuam a não ter voz mas, ainda assim, continuam a morrer de pé

A Vendetta

Caiu muito mal no PSD a escolha de Elina Fraga para vice-presidente.
Especialmente entre os adversários de Rui Rio, a escolha representou uma afronta para o governo Pafioso.
 No dia seguinte a comunicação social fez jus ao seu papel de apoiante do governo Passos/ Portas e divulgou a notícia de que a ex-bastonária dos advogados está sob investigação.
A celeridade em inquinar a escolha de Rui Rio, não explica apenas o estado a que chegou a justiça. Mostra também como a comunicação social assume, sem complexos, que a sua missão não é apenas informar. Tem uma agenda que passa, indubitavelmente, pelo apoio à direita mais retrógrada que governou o pais desde 1974. E se para isso for necessário recorrer à "vendetta", há media e jornalistas que não hesitam fazê-lo.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXIX)


Será que passa por aqui alguém que não goste desta magnífica pérola? 
Tenham uma excelente noite.

Responda quem souber

O que acha mais grave? Terem apalpado o rabo a uma actriz em Hollywood, ou a Volkswagen ter testado os efeitos dos óxidos de azoto em macacos e seres humanos? Por favor não responda. Cada macaco no seu galho.
(lido no FB)
Além disso, como os testes foram feitos por marcas alemãs, tudo se perdoa- digo eu

Um grande filme, uma extraordinária actriz e uma boa notícia


Ao conquistar  cinco prémios, "Três Cartazes à Beira da Estrada" foi o grande vencedor dos Prémios BAFTA, reforçando  a minha convicção de que pode conquistar  os Óscares de Melhor Filme e  Melhor Actriz na noite de 4 de Março.
É um filme sobre o inconformismo, a violência e a amizade, com uma interpretação fabulosa de Frances Mc Dormand, que interpreta o papel da mulher inconformada que luta pela justiça, contra a ineficácia e a inoperância de um polícia laxista. 
Um exemplo para as mulheres de preto que gostam de pisar as passadeiras vermelhas com um protesto justo, mas que pelo seu radicalismo ameaça tornar-se inconsequente.


segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXVIII)




Porque neste fim de semana a RTP Memória assinalou o 80º aniversário de Simone num excelente "Inesquecível", como sempre conduzido por Júlio Isidro, resolvi associar-me a essa memória e recordar esta belíssima canção.

Bruno de Carvalho e a IURD






Quando rebentou o escândalo das adopções ilegais da IURD, Edir Macedo  impôs aos seus seguidores um jejum de notícias.
Não me lembro de ouvir uma condenação do Sindicato dos Jornalistas ao apelo de boicote feito por  Edir Macedo
Lembro-me, porém, que aquilo que parecia ser apenas uma medida para impedir  os crentes  de acompanharem a par e passo os desenvolvimentos do caso das adopções ilegais, colocando em causa a actuação e a credibilidade do líder da seita religiosa, teve desenvolvimentos e consequências inesperadas. Poucos dias depois  da proibição decretada por Edir Macedo, surgiu a notícia de que Joana Marques Vidal, a PGR incensada pela direita, teria responsabilidades no caso, por não ter  mandado encerrar o lar ilegal.
Nos dias seguintes ficou a saber-se que o caso ficava em segredo de justiça e nunca mais se ouviu falar do assunto.  Edir Macedo, com a colaboração da Justiça, conseguiu silenciar os jornais e obter uma importante vitória.
No último sábado, numa jogada ao estilo da IURD, Bruno de Carvalho pediu aos seus fiéis que não comprassem jornais desportivos, não  vissem televisão, ( excepto a Sporting TV) e recomendou aos comentadores que abandonassem os programas televisivos em que participam.
Bruno de Carvalho terá pensado que os comentadores são propagandistas da Fé sportinguista e os adeptos do SCP fiéis cegos e acéfalos, como os das seitas religiosas.
Num primeiro momento  até parecia estar a pensar bem pois, de imediato, alguns adeptos sportinguistas agrediram jornalistas, seguindo o exemplo dos fiéis da IURD que, em tempos, tiveram a mesma reacção com os jornalistas que divulgaram notícias comprometedoras sobre Edir Macedo.
O apelo de Bruno de Carvalho não deverá ter mais consequências.  Os comentadores ( com excepção de Manuel Fernandes) decidiram permanecer  nos programas onde debitam opiniões e os bispos, perdão, figuras influentes e de grande importância no Sporting CP, em vez de se solidarizarem com o comandante, como fizeram os bispos da IURD,  criticaram o apelo feito por Bruno de Carvalho.
Como se tudo isto não fosse suficiente até o Sindicato dos Jornalistas, que se remetera ao silêncio no caso da IURD, veio agora pedir aos órgãos de comunicação social uma posição unânime de condenação ao apelo de Bruno de Carvalho.
Fica assim provado que apesar de o fanatismo clubístico e religioso terem muitos pontos em comum, as estratégias de combate aos “inimigos” das colectividades não podem confundir-se.
Salvo se Bruno de Carvalho tiver , como Edir Macedo, um trunfo na manga para obrigar a comunicação social a calar-se…

Notícias do elevador social




De porteiro da Tecnoforma a professor soldado numa Universidade, em apenas cinco anos?
Alguma coisa está errada, quando alguém que nunca soube fazer mais nada do que política rasteira, arranja como primeiro emprego, aos 50 anos, um lugar de professor universitário.
Terá sido cunha de Marilú, ou jogada antecipada de um reitor, a prever prebendas futuras?
 Não sei se era a isto que Paulo Portas se referia quando falava de elevador social mas, se assim for,  as vítimas são os alunos. Em vez de um professor, passam a ter aulas com um delegado de propaganda médica. Ainda por cima rasca, ordinário, como se viu no discurso de despedida do PSD.
 Um discurso marcado pelo ódio, que denuncia a irresponsabilidade da docência em determinadas universidades. Quem contrata gente desta estirpe para dar aulas, não deve estar preocupada em formar homens, mas apenas em ganhar dinheiro.
Claro que isso não é novidade para ninguém. O mundo das universidades privadas está repleto de exemplos destes, sendo raras as excepções que prestigiam a escolha.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Humor fim de semana

No tribunal

Pergunta o juiz
- Portanto, o réu começou a toca-lá dentro do carro?
- Sim!!!
- E ele tinha uma forte erecção?
- Não, tinha um Ford Fiesta...

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXVII)

Porque é preciso não deixar de sonhar, este fim de semana trago-vos esta fascinante memória de Ellis Regina.
Boa noite e bom domingo

Lição da Semana

Se cada utilizador/a das redes sociais, em vez de publicar fotos de filhos e netos, se dedicasse de corpo e alma à causa ambiental, escrevesse e partilhasse textos sobre  sustentabilidade, não correria o risco  de vir a ser acusado/a por essas mesmas crianças, de nada ter feito para lhes deixar um planeta  saudável em que fosse agradável viver.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXV)

Acabou o Carnaval, mas a música brasileira ainda vai ficar por aqui alguns dias para recordar alguns sucessos. Como este de Sandra Sá, por exemplo.
Boa noite!

O PARAÍSO ESTÁ EM CRISE!




Durante as décadas de 80 e 90 passei várias vezes férias nas Maldivas. Creio que nunca estive tão perto da noção  que tenho de Paraíso como lá. (À Patagónia ou Terra do Fogo, falta aquela temperatura ímpar do ar e da água).
Lembro-me de num dia de Natal, ver o Pai Natal chegar de barco e atracar no cais do hotel, deixando a criançada em êxtase. Éramos ainda poucos, espalhados pelos bungallows em cima da água
No início do século XXI apercebi-me que o Paraíso começava a ficar conspurcado e demasiado populoso para o meu gosto. 
Aquele recatado café em Malé, longe do Paraíso,  onde por vezes ia de manhã para escrever, tornou-se um ponto de atracção turística e as lojas onde parava para amena cavaqueira tornaram-se locais assépticos e globalizados.
Apesar de tudo, solto um lamento quando leio notícias que dão conta da grande crise política que está a atingir as Maldivas. 
Nunca é  bom agoiro, quando uma crise atinge o imaculado Paraíso.

Os Brandos Costumes nas revistas cor de rosa

Parece-me de extremo mau gosto que uma dessas revistas de mexericos, a que se convencionou chamar cor de rosa, tenha publicado na capa, em grande destaque, um caso de aparente negligência das autoridade.
Reduzindo a notícia ao essencial:
Bárbara Guimarães foi apanhada hã três meses a conduzir com uma taxa de alcoolemia de 2,8%. Não sei se foi na mesma  noite em que foi apanhada  depois de embater com o jeep, onde levava a filha menor, no banco traseiro.
Não me interessa e -  repito-  considero nojento que uma revista  tenha fotografado a apresentadora da SIC a conduzir o seu veículo, quando devia estar inibida de conduzir.
Se trago este caso à colação, é com um único intuito. Como não acredito que  Bárbara Guimarães tenha sido perdoada ou esteja a ser protegida pelas autoridades,  não me surpreende que a maioria dos condutores apanhados em infracções graves continue a conduzir descansadamente nas estradas portuguesas, porque a única coisa que preocupa seriamente as autoridades é punir  os condutores apanhados com excesso de velocidade.


Em tempo: por mero acaso encontrei este post publicado em 2009 que, em certa medida, contradiz o que escrevo hoje, sobre a protecção das autoridades a algumas figuras públicas, mas tenho consciência de que os tempos eram outros. Ora leiam:


Carolina Salgado deixou de ter direito a segurança privada, paga por todos os portugueses, com o beneplácito da srª Procuradora Maria José Morgado. A causa? Aparentemente a última cena de ficção da Vidente do Monte da Virgem, cujo cenário foi uma quinta no Alentejo de onde se recusa a sair. A causa remota, porém, estará relacionada com o facto de os seus seguranças ( pagos pelo erário público, repito...) terem impedido que fosse sujeita a controlo de alcoolemia quando teve aquele acidente às 4 da manhã na ponte da Arrábida e que motivou a sua retirada para o Alentejo a fim de escrever mais um livro.Presumo que o CM chore amargamente a desdita da sua colunista que escreve através de um “ghost wtiter”

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXIV)

E porque hoje é Dia dos Namorados, esta Memória vem mesmo a calhar, não vos parece?

Quando S. Valentim estragou um conto de Fadas

Era uma vez uma jovem que via muitas telenovelas, lia a “Maria” e sonhava casar com um homem rico. Um dia encontrou uma Fada que lhe disse:
- Posso satisfazer-te esse desejo, com uma condição: terás de ir trabalhar  numa casa de alterne.
- Quanto tempo?- perguntou a jovem
- Não muito. O suficiente para eu fazer o meu feitiço.
Ao fim de alguns meses, numa manhã de nevoeiro, a Fada voltou a aparecer e disse-lhe :
- Prepara-te. É hoje que vais encontrar o teu futuro marido.
A jovem passou o dia em sobressalto. Foi ao cabeleireiro, pediu dinheiro emprestado para comprar um vestido novo e à noite sentou-se na sua mesa habitual à espera do homem que lhe iria mudar a vida.
Ao bater das 12 badaladas da meia-noite, viu entrar um homem que conhecia das capas de revista e não teve dúvidas que era aquele o marido que a Fada lhe destinara. Não era bonito, era já um pouco velho, mas a conta bancária colmatava esses pequenos defeitos. Pensou que a  Fada podia ter sido mais generosa,  mas  se era aquele que ela escolhera, devia saber o que estava a fazer.
Confortada com esta ideia, não hesitou. Passados alguns dias estava a viver com o homem que a Fada lhe destinara. Foram muito felizes durante dois anos. Ela começou a aparecer nas capas de revistas, exibindo roupas luxuosas e sorrisos de plástico, evidenciando o desafogo em que vivia. O problema é que o companheiro não queria nada de casamento  e ela começava a desesperar.
Um dia, numa visita a Lisboa, encontrou a Fada no Jamaica e atirou-lhe:
- Enganaste-me, Fada! Afinal ele não quer casar comigo…
- Não tenhas pressa. Ele não te dá tudo o que desejas?
- Sim, mas é velho, um dia bate a bota e eu fico sem nada…
- Eu fiz o que tinha a fazer. Agora é a ti que compete fazer o resto.
A jovem era um bocado lerda, por isso não entendeu as palavras da Fada e decidiu agir de acordo com  a sua ambição. Começou  a roubar o companheiro.
Quando percebeu que estava a ser vigarizado, o candidato a marido decidiu pô-la na rua.
Despeitada, jurou vingança e resolveu escrever um livro contando algumas malandrices do seu companheiro. Como a imaginação era demasiado fértil, carregou nas cores da paleta, inventou umas mentiras que um casal de Lisboa lhe soprou ao ouvido e tornou-se escritora de ficção.
O livro foi um sucesso de vendas e despertou a curiosidade de um realizador de cinema, que pretendeu transformá-lo em filme. A jovem já pensava ser a protagonista, mas teve de contentar-se com o argumento. Para a compensar, o realizador ofereceu-lhe uns fins de semana em Lisboa e disse-lhe que havia uma senhora que estava disposta a ajudá-la, desde que ela contasse umas histórias em Tribunal.
A jovem aceitou de imediato. Dando asas à imaginação inventou umas histórias, garantiu em Tribunal que tinha assistido a umas cenas com fruta que puseram em delírio a imprensa desportiva, o Correio da Manha e os adeptos do Benfica. Passou a ter segurança privada, espatifou um jeep durante a madrugada, em condições que a imprensa escondeu, refugiou-se no Alentejo em casa de um novo namorado, mas acabou outra vez mal, como podem ver aqui e aqui
Mas um azar nunca vem só! Os juízes descobriram que era tudo mentira e decidiram proceder criminalmente contra ela pelo crime de “testemunho falso, agravado”.
Quanto à senhora que a considerava testemunha credível, percebeu o logro em que caiu, assobiou para o ar e começou a dar entrevistas ao Mário Crespo na SIC, para falar de outros assuntos mais mediáticos.
É por estas e por outras que podemos estar descansados com a Justiça em Portugal.
Ao fim e ao cabo, foi só uma história de amor que acabou mal, em véspera de S. Valentim. Tal como o clima, também as histórias de amor e os contos de Fadas já não são como eram dantes. A culpa é da fruta, que afinal estava estragada!

AVISO: Publiquei este texto noutro blog, no  Dia de S. Valentim de 2009 mas como se tornou novamente actual para algumas cabecinhas obcecadas com o Apito Dourado ( apesar de Pinto da Costa ter sido ilibado  civil e desportivamente, continuam a esgrimir o Apito como se fosse um caso real e não de pura ficção) achei oportuno recuperá-lo para os arquivos do CR

Calendários



Hoje estive a analisar detalhadamente o calendário e concluí que 2018 não augura nada de bom. Até o Dia dos Namorados coincide com a quarta feira de cinzas, chiça!

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXIII)


Eu acredito na Bethânia, mas continuo a adorar o luar do Guincho. Ou de Belmonte. Ou da Régua, quando o luar se espraia  nas águas do Douro.
Boa noite! 

Pausa para publicidade

É um facilitador de negócios?
Foi porteiro na Tecnoforma?
Criou cursos fantasma com verbas do FSE?
As suas acções  da SLN  que nem sequer estavam cotadas em bolsa  foram mais rápidas a dar lucros, do que o Speedy Gonzalez a dar uma queca?
Recebeu luvas da venda de uns submarinos?
Deu autorização para o abate de uns sobreiros em zona protegida?
Ganhou uma licenciatura na compra de um bolo rei?
Permitiu a construção de imóveis em RAN, alegando interesse público?
Vendeu património do Estado e recebeu comissões?
Tem outros  problemas sérios de corrupção, desonestidade e tráfico de influências, que o podem colocar no banco dos réus?

NÓS RESOLVEMOS O SEU PROBLEMA


INSCREVA-SE NO  PAF, QUE NÓS TRATAMOS DO ARQUIVAMENTO DO SEU PROCESSO!


PAF - CONFIE NA EXPERIÊNCIA DE QUEM SABE ESTABELECER AS LIGAÇÕES CERTAS PARA NÃO TER DE ENFRENTAR A JUSTIÇA
      

A Guerra dos Sexos

"A propósito da confusão que vai por aí sobre sexo, tenho uma notícia a dar aos meus amigos.

Há uns anos, vi um documentário sobre vida selvagem que nunca mais esqueci. Tratava-se de um leão a tentar copular com uma leoa. Depois de ter espantado todos os outros machos concorrentes, ficavam então sós o leão e a leoa. A leoa no seu tufo de erva e o leão a uma distância que ela considerava aceitável. Quando o leão ultrapassava a distância que ela considerava aceitável, era imediatamente corrido e a grande velocidade. O pobre rondava e ela permanecia no seu tufo de erva, inacessível. A coisa dura dias. O leão emagrece. Ruge cada vez mais rouco. Enquanto isso, a leoa rebola-se. Chama-o para logo o afastar sem piedade. A distância que ela considera aceitável vai encurtando, mas ao leão continua a ser negada a cópula. Ele, persistentemente chato, não desiste de a cortejar e ela, persistentemente provocadora, não desiste de se rebolar. Até que um dia, sem que decerto o leão perceba porquê, a leoa aceita-o e pouco depois cada um vai à sua vida. Com as devidas diferenças, e com excepção desse crime abominável que é a violação, é isto que se passa entre machos e fêmeas. Ou seja: nós mandamos!"

( Ana Cristina Pereira Leonardo no FB)


segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXII)


Vamos lá a quebrar a rotina!
Boa noite

E por falar em rankings

Já sabem o que penso dos rankings das escolas, mas acreditem que há rankings piores.Mais funestos e com implicações mais problemáticas na nossa vida.
Se acreditam que  é uma coisa de chineses, desenganem-se. Isto é o retrato do futuro.  E há sobejas razões para nos preocuparmos.

O Cabo dos Trabalhos




A cidade do Cabo é uma das mais belas cidades de África e mesmo do mundo. 
Visitada anualmente por milhares de turistas, os quatro milhões de habitantes estão sob a forte ameaça de deixar de ver a água correr pelas torneiras. 
Não se trata de ficção. A ameaça é bem real e, embora o prazo de três meses seja provavelmente muito exagerado, a sistemática escassez de água obrigará a racionamentos drásticos no prazo máximo de um ano.
Deveríamos aprender com  o que se está a passar na cidade do Cabo e tomar medidas preventivas que atrasem e minorizem os efeitos da mais que previsível desertificação que irá afectar boa parte do nosso país nas próximas décadas. 

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXXI)



Esta semana, excepcionalmente, as Memórias  também chegam ao domingo.
É Carnaval e ninguém leva a mal. Ou leva?
Boa noite e boa semana!

Estilos de Liderança

Há três estilos de liderança para  se desenvencilhar dos adversários

1- Enfrente-os, mostre que é um ditador, o seu lema é "Quero posso e mando. Quem não está comigo está contra mim". Utilizado por Salazar, Trump ou Bruno de Carvalho

2- Se não quer ter chatices, compre os adversários. Com dinheiro, oferta de lugares e outras prebendas, ou chamando-os para  compartilhar a liderança. Muito utilizado por dirigentes partidários e por Luís Filipe Vieira

3- Responda aos seus adversários com títulos e sucesso. É o estilo de Pinto da Costa, mas também de António Costa, Mário Centeno ou Macron.

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXX)

Se estavam à espera que por estarmos no Carnaval eu viesse para aqui recordar aquelas musiquinhas brasileiras para fazer comboio, que me irritam mais do que a Ágata e o Marco Paulo juntos, desiludam-se.
Aproveito estes dias para recordar música brasileira, mas da boa...
Boa noite e desfrutem!

Humor fim de semana


Homem Prevenido...

Na noite de sexta-feira fui pedalando até a loja, comprei uma garrafa de uísque e coloquei-a na minha cesta. Antes de ir embora, achei que poderia cair da bike e acabar por partir a garrafa. Assim, resolvi beber a garrafa toda de uma vez. Foi uma decisão muito sábia, porque no caminho até casa eu caí 7 vezes...

Lição da semana

Nunca acredites que as palavras do Senhor foram aquelas que aprendeste na catequese. 
Há sempre um dia em que um idiota com capachinho virá corrigi-las. Aprenderás, então, que Jesus Cristo estava muito à frente quando disse "Crescei e multiplicai-vos". Ele não estava a pensar nessa forma pecaminosa de reprodução, que são as relações sexuais, mas sim na fertilização in vitro. Por isso lhe terão chamado Profeta!

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Memórias em vinil (CCCXXIX)




Antes de entrar em ritmo carnavalesco, deixo-vos esta pérola de Donny Hathaway
Boa noite e bom Carnaval ( especialmente para os apreciadores)

A interpretação ( possível) das palavras de D. Clemente



Não tencionava perder um minuto a escrever sobre a castração do patriarca de Lisboa, pois já nada me surpreende nessa categoria de primatas. 
Lembro-me muito bem de D. Manuel Clemente ter dito que os direitos das minorias deveriam ser referendados e o seu antecessor, um Policarpo que também era D. ter ido a Fátima para dizer que os direitos das pessoas não se  resolvem com protestos de rua, porque isso é inconstitucional. Em 2012 eu ainda me indignava e até perdi tempo a escrever-lhe esta carta que, obviamente,  ficou sem resposta.
Acontece, porém, que ao aperceber-me que a tese de D. Manuel Clemente se aproxima da do pastor Edir Macedo, da IURD, fiquei com a pulga atrás da orelha e decidi levantar algumas questões que me parecem bastante pertinentes.
Quando andava na catequese, aprendi que Cristo  nos terá deixado como desígnio a função reprodutora, expressa na frase "Crescei e  multiplicai-vos". 
Até ao aparecimento dos bebés proveta sempre pensei, também, que a única forma de reprodução possível  seria através das relações sexuais. E sempre acreditei que essa era a forma patrocinada pela Igreja. Até que apareceu D. Clemente a esclarecer-me que relações sexuais, mesmo para procriar, pode ser pecado!
No início pensei que D. Clemente sofresse de alguma forma precoce de Alzheimer. Se até a Marilú, que andou a f..... milhares de portugueses  disse aos jovens laranja  "Ide e Multiplicai-vos", como é que o patriarca Clemente pode contrariar a sua ministra das finanças?
Depois, pensei melhor e cheguei à conclusão que, estando  D. Clemente em sintonia com Edir Macedo, talvez esteja a defender  a IURD e as adopções ilegais. Se assim for, a PGR, que consta ter responsabilidades nessas adopções e na legalização do lar daquela seita, estará perdoada. Pelo menos aos olhos de Deus, porque aos olhos das mães a quem as crianças foram roubadas, nunca terá perdão. 

A cassette do CDS



Nos últimos dias Assunção Cristas não se tem cansado de repetir, em tudo quanto é sítio, que não é preciso ganhar eleições. O importante, segundo a líder centrista, é  conseguir que o bloco de centro direita eleja pelo menos 116 deputados.
Espanta-me que Assunção Cristas só agora tenha percebido que essa é uma regra elementar da democracia. O partido (ou partidos)  que consegue eleger metade mais um dos deputados tem toda a legitimidade para formar governo. 
Fica-me também uma dúvida: porque razão Cristas insiste tanto na mesma tecla? Será que  decidiu adoptar a cassette que tanto criticou ao PCP?