quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Memórias em vinil (CCCIV)

1968 não foi dos melhores anos de Françoise Hardy em matéria de sucessos musicais. Casara no ano anterior com Jacques Dutronc e esta canção reflecte um bocado a influência que o marido terá tido num desvio ( felizmente curto) do seu estilo tradicional. 

5 comentários:

  1. Ela sempre será associada a uma música.
    Nem é preciso dizer qual.
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Pedro, mas é muito redutor e injusto reduzir Françoise Hardy a essa canção.
      Abraço e bom FdS

      Eliminar
  2. Carlos, será que andamos com transmissão de pensamentos? Ontem estive a ouvir canções dela e vi/ouvi uma comovente, quando ela pensava estar a despedir-se do deu filho Thomas Dutron, porque estava numa fase terminal de leucemia, mas que conseguiu sobreviver. Chama-se "Tant de Belles Choses"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio já lhe ter dito que tenho todos (MAS MESMO TODOS) os discos de Françoise Hardy e a ouço com muita frequência. Porque gosto, e porque ouvi-la me põe a viajar por tempos muito felizes.Mesmo se algumas canções, como a que cita, nada têm a ver com felicidade...

      Eliminar
    2. Quando escolhia uma canção para dar os parabéns a FH pelo 74º aniversário que hoje celebra, o FB lembrou-me que ano passado, aqui no CR, "Tant de belles choses" foi uma das canções que escolhi.

      Eliminar