quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Memórias em vinil (CCXXVI)

A chuva também me traz boas memórias de França.
Boa noite

Passos Coelho e a esquizofrenia





Durante o último fim de semana, as televisões repetiram à exaustão declarações de Pedro Passos Coelho criticando mais uma vez António Costa por ter feito acusações infundadas à Altice. Afiançava o líder do PSD que o relatório da ACT não tinha detectado UMA ÚNICA IRREGULARIDADE.
Se eu fosse ingénuo diria que PPC se enganara mais uma vez mas, como o prova à evidência o passado recente e remoto do líder laranja,  foi mais uma das mentiras deliberadas do  dandy de Massamá.
Na verdade, o relatório da ACT sobre a ALTICE detectou mais de uma centena de infracções e irregularidades, algumas das quais violam os princípios constitucionais.
O  percepcionismo ensina-nos que apreendemos o significado das coisas através dos sentidos, o que implica uma subjectividade analítica. 
Poder-se-ia dizer ( ou pensar), então, que foi a interpretação subjectiva de PPC que o levou a ler no relatório da ACT aquilo que não está lá. Seria um "remake" dos suicídios de Pedrógão Grande. 
O percepcionismo justificaria, igualmente, que PPC tivesse visto o Diabo, um novo resgate, a destruição da economia, a subida dos juros, o fim do investimento estrangeiro e até, quiçá, uma versão dos 3 Pastorinhos a aterrar numa azinheira em Massamá.
Infelizmente para ele e felizmente para os portugueses, sabemos que o percepcionismo não justifica  que PPC seja um mentiroso compulsivo. Apenas  revela que PPC tem distúrbios mentais graves. 
O homem  acredita mesmo que as mentiras que diariamente vomita na comunicação social se transformarão em verdade à força de tantas vezes as repetir. É uma paranóia que entra no domínio da esquizofrenia, pelo que me espanto e avergonho quando vejo que ainda há portugueses  dispostos a votar nele. 

Auto Europa:carne para canhão?



Os trabalhadores da Auto Europa iniciaram uma greve na noite de terça feira, que terminou ontem às 23h30m. 
Não vou aqui discutir se a greve é justa. Apenas quero lembrar que desde sempre  o diálogo entre trabalhadores e administração foi conduzido pela CT, pelo que me parece muito estranho que os sindicatos tenham avançado para uma greve antes de ser eleita a nova CT.
É por isso que não retiro uma vírgula ao que escrevi aqui no dia 8 de Agosto.
Lembro também que a Auto Europa emprega mais de 4 000 trabalhadores, está a contratar mais 1300 e tem sido apontada, ao longo de décadas, como um caso exemplar de diálogo entre patrões e trabalhadores.
Esta greve, alegadamente convocada por discordância com o trabalho ao sábado durante dois anos e meio ( ouvi um sindicalista dizer que não seriam todos os sábados) não visa defender os interesses dos trabalhadores. É uma tentativa dos sindicatos da CGTP marcarem posição na empresa e apearem a CT maioritariamente bloquista.
A História está cheia de exemplos  em que os sindicatos usaram os trabalhadores com intuitos políticos, em detrimento da defesa dos seus interesses.
Na Auto Europa os trabalhadores estão a ser usados como carne para canhão, numa guerra partidária à esquerda, que não coloca apenas em risco postos de trabalho na empresa, mas também em muitas outras empresas do Parque da Auto Europa.
Oxalá, daqui a uns anos, não vejamos milhares de trabalhadores a lamentar  terem caído num logro.