quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Memórias em vinil (CCXIII)


Porque já estava com saudades dos Doors..
Boa noite e boa semana

O juiz e a mulher de César




O facto de Paulo Vistas (presidente da Câmara de Oeiras) ser amigo pessoal e padrinho de casamento do  juiz Nuno Cardoso, pode não ser  condição suficiente para que o magistrado peça escusa na apreciação de uma causa em que Paulo Vistas é parte interessada.
Acontece, porém, que  o presidente da Câmara de Oeiras contratou a mulher do juiz há poucos meses para trabalhar na autarquia.  Ora esse emprego pode estar em perigo, se Paulo Vistas perder as eleições em Outubro. Logo, além da amizade, existe uma evidente comunhão de interesses entre o juiz e o presidente da câmara: ambos gostariam que Paulo Vistas fosse reeleito. 
Ora este facto já me parece ter relevância bastante, para que Nuno Cardoso tivesse pedido escusa na apreciação de um caso envolvendo candidaturas de adversários de Paulo Vistas.
Não pediu. O único pedido que fez foi para estar de turno em Oeiras, na primeira semana de Agosto. Pedido concedido, coube ao juiz Nuno Cardoso apreciar duas candidaturas independentes  à CM de Oeiras (uma delas de Isaltino Morais).
Como é sabido, o juiz chumbou ambas. 
Os candidatos  recorreram e o tribunal de Oeiras  deu-lhe razão. 
Se Nuno Cardoso fosse político já toda a comunicação social lhe teria chamado corrupto. Como é juiz, ninguém se atreve sequer a colocar em causa a sua honestidade.
Nenhum jornalista ousa sequer lembrar ao senhor juiz a história da mulher de César? Pois eu acho que estando envolvida a mulher do juiz, seria muito oportuno levantar a questão.
Eu até acredito que o juiz Nuno Cardoso seja a pessoa mais honesta do mundo. O problema não está aí, mas sim no facto de não se ter lembrado que a um juiz não chega ser honesto. Tem de parecê-lo. Perdoará o senhor juiz, mas eu analiso este caso e vejo que a honestidade e a justiça ficaram muito mal na fotografia.
Compete agora ao Conselho Superior de Magistratura, retocá-la no photoshop.

Não há almoços grátis...



Macron continua a descer nas sondagens. Nada que me espante. Eu previra  a hecatombe ainda antes das legislativas francesas.
Em França, em Portugal, como em todo o mundo a viver em  democracias subjugadas às regras de mercado e ao garrote das finanças, as pessoas adoram ouvir gente que lhes prometa políticas novas, fora do círculo mental padronizado pelos partidos tradicionais e correm para as urnas a votar neles.
 O problema é quando percebem que isso tem um preço, que não estão dispostos a pagar...