domingo, 6 de agosto de 2017

Grandes mulheres!



Tarde de domingo. O calor convida a ficar  em casa, a  ouvir música, ler um livro e, de quando em vez, dar uma espreitadela ao mar ( o areal não é visível, tanta a gente que demandou a praia para se refrescar nas águas frias destas paragens).
Já os ponteiros do relógio se encaminham paras 4 e meia, quando dou uma pausa à música e ligo o televisor para ver o final da etapa da Volta a Portugal em bicicleta. O televisor tinha ficado sintonizado na RTP 2. Está a dar a final do europeu de futebol feminino, o resultado  está em 2-1 para a Holanda com menos de meia hora de jogo e os comentadores tecem rasgados elogios à entrega das equipas. Decido ficar a ver durante  uns minutos. A Dinamarca empata com um golo de levantar o estádio, o jogo está a ser disputado taco a taco e começo a ficar entusiasmado. 
No intervalo mudo para a Volta mas, passados alguns minutos, o apelo da bola é mais forte. Assisto a uma segunda parte emotiva, muito bem disputada, sem paragens, faltas ou lesões simuladas, nem retrancas e congelamentos para encanar a perna à rã. 
A arbitragem passa quase despercebida e quando o jogo termina com a vitória da Holanda por 4-2, estou rendido ao futebol feminino. Sem manhas, com muita entrega e paixão pelo jogo, como era nos tempos em que eu adorava futebol.
Grandes mulheres que deram aos homens que ganham muitos milhões, uma belíssima lição sobre a forma como o futebol é entusiasmante quando, em causa, está apenas a arte de o jogar.
Admito que dentro de poucos anos a clubite  e  interesses extra desportivos alastrem ao  futebol feminino  e o futebol praticado pelas mulheres se torne tão sensaborão como o masculino, onde apenas alguns talentos individuais proporcionam jogadas que sobressaem da mediania enfadonha da maioria dos jogos de futebol.
Por agora, porém, agradeço às jogadoras holandesas e dinamarquesas o excelente espectáculo que me proporcionaram.

Dia do Bilhete Postal Ilustrado (65)


Este postal foi enviado pela Turmalina, uma leitora do outro lado do Atlântico. 
No blog dela existem outros exemplares belíssimos mas, como as regras limitavam a um postal, foi este que escolhi. Vão lá ver os outros e ler o que a Turmalina escreveu