quinta-feira, 20 de julho de 2017

Memórias em vinil (CXC)

Deixo-vos com Claude François.
Boa noite!

Homofobias



Gentil Martins deu uma entrevista ao "Expresso" em que classificou a homossexualidade como anomalia.
Não foi o primeiro médico/ cientista a dizê-lo, nem será o último, pelo que os soundbytes que a sua afirmação provocou nas redes sociais  me soaram a dejà vu.
Espanto maior provocou-me a  decisão do metro de Londres  substituir  o  tradicional "  Ladies and Gentlemen" por um assexuado , perdão, inclusivo, " Hello everyone".
O Metro londrino justifica a decisão, com o pedido feito pelas associações LGBT para acabar com a alusão a senhoras e senhores que consideram discriminatórias e violadora dos direitos de lésbicas, gays, homossexuais e transexuais.
Espero, sinceramente, que a LGBT portuguesa não faça igual pedido aos metros de Lisboa e Porto pois, em português, não existe uma palavra/expressão neutra que abranja "todos os géneros".
E sinceramente, não me parece muito prático,nem eficaz, que os maquinistas tenham de dizer:
"Atenção senhoras, senhores, lésbicas, gays, homossexuais e transexuais, agradecemos que abandonem rapidamente  a composição, porque deflagrou um incêndio na última carruagem".
O mais provável é que, no final do aviso, o incêndio já tenha alastrado a metade da composição.
Agora a sério: esta mania da linguagem de género politicamente correcta é supimpamente cretina. E, já agora, absolutamente nada inclusiva.

O nosso Le Pen

Já ouvi e li muitos lamentos por não termos em Portugal um homólogo de Le Pen.
Chegou finalmente a hora de esses saudosistas festejarem a entrada em cena do seu redentor. 
É comentador desportivo, veste a camisola do SLB, escreveu um livro em co-autoria com a taróloga Maya, é professor universitário e, ao contrário do que seria de esperar, não chegou à política pela mão do PNR, mas sim do PSD, cujo lider o escolheu para candidato à CM Loures. 
Não foi uma escolha acidental, obviamente. Ventura assenta como uma luva na estratégia do PSD: 
Uma vitória de André Ventura em Loures, pode servir de rastilho para despoletar a xenobobia e o racismo que existe na mentalidade portuguesa, especialmente no seio dos retornados, saudosos dos tempos colonialistas que transformou pobres diabos em grandes senhores, graças à exploração dos pretos e são a sua grande base de apoio.
Vivemos num país livre, o  senhor Ventura tem direito à sua opinião  e a dizer as alarvidades que lhe apetecer.
A extrema direita agradece e rejubila com o candidato Ventura. Às cavalitas de um partido que se reclama "democrático" consegue apresentar um candidato com possibilidade de vencer uma eleição democrática.
O PSD tem sido barriga de aluguer de muitas alarvidades. Não me espanta que também sirva de porta de entrada à extrema-direita.