quarta-feira, 12 de abril de 2017

Memórias em vinil (CV)


Porque hoje se assinalou o Dia do Beijo, recordo este grande sucesso de Lena d'Agua. Ela bem merece esta homenagem, pela coragem num demonstrada ao regressar ao contacto com o público aos 60 anos. E logo num Festival da Canção.
Boa noite com muitos beijinhos.

Caiu o último reduto do Coelho

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) tem sido considerado um órgão de apoio a Passos Coelho, pelas posições críticas que tem tomado em relação às contas do governo.
Passos Coelho decidiu cavalgar a onda e esticou a corda com as falsidades a que nos habituou. AZAR! 
Embora o governo continue a contestar as contas de  CFP( por sem pessimistas e desmentidas pela realidade) o órgão presidido  acaba de divulgar um relatório absolutamente arrasador, que destrói todo o discurso de aldrabão de feira que faz parte da estratégia laranja.
Depois de o INE ter revisto o défice de 2016, fixando-o em 2% e o Banco de Portugal ter revisto em alta o crescimento para 2017, o relatório do CFP é o golpe de misericórdia em Passos Coelho, Marilú e restante trupe de idiotas que lidera o PSD.
Politicamente, não se pode dizer  que Passos Coelho vai ter uma Páscoa Feliz.

A Incrível Almadense (actualização)


A Incrível Almadense é uma respeitabilíssima sociedade filarmónica,  cultural e recreativa, com mais de um século de vida ( completará 170 anos em 2018). 
Esta  prestigiada colectividade não é, todavia, a razão deste post. Trago-a à colação, a propósito de uma notícia que me chegou ontem à noite:
Maria Luís Albuquerque ( sim, essa mesma, a Miss Swaps, nº 2 do PSD, ex-ministra das finanças e mulher de mão de Passos Coelho)  vai ser a candidata do partido  laranja à  Assembleia municipal de Almada.
Inicialmente pensei que fosse notícia do Inimigo Público, mas afiançam-me que é mesmo verdade.
Assim, mesmo reconhecendo que é um abuso, peço as minhas desculpas à Incrível Almadense, mas não encontrei título mais apropriado para esta escolha do dandy de Massamá.
Em tempo: Maria Luís será candidata à Assembleia Municipal e não à Câmara. Do mal o menos. É só para dar o nome. Depois fará como Teresa Leal Coelho em Lisboa. Só lá vai quando não tiver mais nada para fazer