segunda-feira, 6 de março de 2017

Memórias em vinil (76)


Porque estamos no rescaldo do Festival da Canção, pareceu-me oportuno recordar esta belíssima canção de Gabriela Schaaf.
Sim eu ontem assisti ao Festival da Canção. Impecável realização a pedir meças aos canais privados, boas memórias  e algumas canções razoáveis.
Vi o Festival, não me caíram os parentes na lama, assumo que gostei do que vi e ouvi. Qual é o problema?
Boa noite!

À mesa do café "Entulho" (pastelaria fina)



Nota prévia:
Este texto foi escrito pela Teté e publicado no crónicas on the rocks em Janeiro de 2013, no âmbito do passatempo que então lancei intitulado " Rua dos Cafés".
Na noite de sexta-feira, estava a escrever a rubrica "Chazinhos da Paróquia" , quando soube da sua morte. Quis escrever qualquer coisa, mas bloqueei. A Teté era leitora do CR quase desde o início. Dotada de grande sagacidade, simpatia  e humor, tinha também essa extraordinária capacidade de ser conciliadora, sendi as suas qualidades consensuais neste blogobairro.
Durante o fim de semana tentei alinhavar umas palavras para manifestar a tristeza que senti com o seu desaparecimento, mas acabei por concluir que a melhor forma de a homenagear e manifestar o meu agradecimento por ter sido minha amiga nos últimos 10 anos seria reproduzir um texto escrito por ela para um dos desafios lançados por mim.
Aqui fica.

"Assentei malas e bagagens naquele café de bairro de Benfica em finais de 1977, decorria então o primeiro ano do famigerado propedêutico, inventado pelo ministro da Educação da época - Sottomayor Cardia - que não servia rigorosamente para nada, para lá de atrasar o ingresso na universidade.
As aulas eram leccionadas via televisão, das 9 horas ao meio-dia e picos, os programas das disciplinas ainda estavam a ser engendrados, os “alunos” sabiam apenas que existia uma longa lista de livros para ler a Língua Portuguesa (comum a todos) e dois exames em datas a estipular. De cuja média ponderada com a do liceu daria a nossa nota de acesso à faculdade que pretendíamos frequentar, que a outra novidade inventada pelo ministro era a dos numerus clausus.
 Certo é que para evitar preguicites de levantar cedo para ver televisão em casa - com escasso interesse por matérias que eram quase uma recapitulação - combinei com algumas amigas reunirmo-nos todas as manhãs para assistir às aulas: um dia em casa de uma, outro na de outra e assim sucessivamente. Encontrávamo-nos para beber o café lá no estaminé, antes de seguirmos para a frente do televisor. Ou de um baralho de cartas. O que nunca faltava era um reconfortante chá com torradas lá para o final da manhã e muitas conversetas e risotas. Adiante!
 Embora o local mais parecesse uma leitaria de bairro, os patrões ostentavam no toldo amarelo os dizeres "Pastelaria fina", a par de um nome comercial igualmente pomposo, mas que mais tarde alcunhámos carinhosamente de "Entulho".
 Apesar dessa pretensão dos donos, o ambiente era soturno: de um lado a única montra e a porta de entrada, um pequeno balcão alto e metálico logo ali a tapar parcialmente a luz do corredor estreito que se seguia; do outro lado uma vitrine onde se exibiam caixas de bombons, chocolates, caramelos e boiões de rebuçados, a separar as mesas iniciais das restantes onde era permitido estudar; ao fundo e a toda a largura uma espécie de janela junto ao teto, de vidro martelado e num tom lilás, mas que nem a um jogador de basquete permitia ver o exterior; também ao fundo duas casas de banho de um lado e uma porta de acesso a um armazém na cave do outro; e as paredes forradas a linóleo azul acinzentado não contribuíam em nada para a luminosidade do ambiente, as múltiplas manchas acumuladas de infiltrações ou outros pequenos incidentes também não.
 Teriam passado talvez uns 11/12 anos desde que me tornara cliente habitual - foi lá que estudei durante todo o curso, mas, acima de tudo, tornou-se ponto de encontro com grupos de amigos (estudantes ou não) dessa época - quando num sábado à tarde cheguei lá e bati com o nariz na porta. Já trabalhava na altura e a assiduidade diminuíra, mas rara era a noite que não passava por lá, daí não entender o desconhecimento da novidade. O que tinha acontecido? Um qualquer antepassado da ASAE visitou o estabelecimento e alvitrou que necessitava de grandes obras para manter o alvará (ou coisa), quando não seria encerrado. E entraram em obras durante largos meses, pelo menos durante todo o verão desse ano, salvo erro só reabriram lá para outubro ou novembro.
 Óbvio que não perdi o contacto com os amigos mais próximos, mas de outros fui perdendo o rasto. Até que  o "Entulho" reabriu luminoso como nunca, dada a multiplicidade de luzes, o longo balcão envidraçado (e frigorífico) ao longo de quase todo o corredor, as superfícíes espelhadas na parede detrás dele onde se exibiam garrafas para venda, mesas e cadeiras novas mais confortáveis, quase tudo tinha mudado. Muito mais moderno, mas efetivamente a lembrar um pouco uma árvore de Natal...
 O que não mudou? A dimensão da montra, obviamente, a espécie de janela ao fundo (embora tenha a vaga sensação que os vidros martelados foram substituídos por outros idênticos e sem cor) e a vitrine dos chocolates e companhia, que continuava a dividir as quatro mesas da entrada das restantes agora no lado oposto, mas só lá mais para as dos fundos é que se podia estudar, o número total de mesas reduzira significativamente. Nos meses seguintes continuou a ser ponto de encontro costumeiro, senão diário, pelo menos nas noites de sexta-feira e sábado, mais convidativas para novas borgas ou noitadas.
 Numa dessas noites, apareceu lá um cliente desconhecido, a querer apresentar uma reclamação no livro: comprara uns chocolates na semana anterior, para oferecer aos filhos de um amigo que morava ali perto e o convidara para jantar, para descobrir, estupefacto, que as tabletes estavam bichosas! O patrão de serviço demorou a acalmar a irritação do cliente, a nós só dava para rir: raramente abriam aquela vitrine, antes ou depois das obras, facto é que apesar do investimento avultado na renovação da decoração, o stock da chocolataria devia ser o mesmo de sempre...
 Igualmente e como é hábito neste país, o tal ano propedêutico de outrora - inútil em termos de conhecimentos - mantém-se até hoje. Só mudou de nome para 12º ano de escolaridade!"
Obrigado, Teté. Bjkas

Lar de idosos de luxo

Portugal  é o paraíso dos reformados europeus. Compreende-se. Com este clima e o baixo custo de vida ( os salários já estão ao nível dos praticados na China), é normal que os reformados europeus escolham Portugal para passar os últimos anos da sua vida com desafogo financeiro.
Não me parece é que fosse necessário atraí-los, acenando-lhes com isenção de impostos. Essa medida pode contribuir para que Portugal se transforme no maior Lar de Idosos da Europa, mas é uma injustiça e um insulto para os muitos reformados portugueses, obrigados a fazer esforçada ginástica contabilística  para que a reforma dure os dias todos do mês.
Não havia necessidade!