segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Memórias em vinil (71)

Nunca fui fã do Carnaval e muito menos de bailinhos onde se ouvia música brasileira até à exaustão e toda a gente tinha de transpirar  felicidade.
Não nego, porém, que era ( e sou) fã de Gal Costa, por isso nesta noite de Carnaval deixo-vos um pot pourri de canções de Carnaval ( de que até eu gosto) interpretadas por Gal Costa.
Divirtam-se!

Pimenta na língua

" Nunca mais nomeiam a porcaria do candidato do PSD à Câmara de Lisboa"
(José Miguel Júdice advogado)
Então isso diz-se?
Apesar de estarmos no Carnaval isso não é próprio de um ex militante do PSD,apoiante de Cavaco e ex-apoiante de Maria José Nogueira Pinto e de António Costa (nas autárquicas de 2007)

Gente infeliz sem coluna

- Se a D. Assunção tivesse um pingo de vergonha estava calada. Se acha que um tipo que fez vista grossa à fuga de 10 mil  milhões de euros é uma pessoa com carácter, sou obrigado a deduzir que Cristas ainda é pior do que ele.
- Parem com a lengalenga de que do acto de Paulo Núncio não resultou prejuízo para o país. Isso só é verdade, porque a vigarice foi descoberta. 
- Passos Coelho e o seu lambe cús Montenegro são uns cobardolas. Depois de descoberta a marosca, desapareceram de cena e mandaram para os cornos do touro Hugo Soares. Vermes de caca sem coluna vertebral!

Dia do Postal Ilustrado (42)- Solução


E a resposta é....
Estou na 6ª fila do lado esquerdo atrás de um casal muito sorridente ( ele é a minha irmã e ele o meu cunhado) Atrás de mim está um dos meus irmãos. A Janita acertou na minha idade. Tinha 13 anos. Faria 14 um mês mais tarde.


Como estamos no Carnaval, resolvi fazer algo diferente nesta rubrica.
Este é um postal personalizado, feito a partir de uma foto, tirada em 1963 durante um passeio de barco nos canais de Copenhaga.
Eu estou nesse barco e a pergunta que vos coloco é a seguinte: conseguem localizar-me?

Carnaval sem palhaços? Podia lá ser!




Os milhões que voaram durante o governo dos pafiosos não têm nada a ver com aquela lista de contribuintes VIP que Núncio e Marilú sempre negaram, mas se veio a saber terem existido.
Eu é que tenho a mania de fazer associações...
De qualquer modo, depois de Paulo Núncio ter admitido a sua responsabilidade política, contrariando Passos Coelho que na véspera, com aquela cara de parvo indignado que tão bem o caracteriza, tinha descartado essa responsabilidade, é absolutamente legítimo tirar três conclusões:
1- Paulo Núncio reconheceu uma responsabilidade que não tem, pois os secretários de estado não têm responsabilidade política.De acordo com a CRP, a responsabilidade política cabe exclusivamente a ministros e vice- primeiro ministros;
2- Como muito oportunamente lembra o embaixador Seixas da Costa, a CRP (artº 191º) é explícita ao estabelecer que os secretários de estado respondem perante o ministro da sua tutela o que significa que têm apenas responsabilidade funcional. A responsabilidade política é, portanto, do ministro de quem Paulo Núncio era ajudante. E quem era esse ministro? Não era um, eram dois: VÍTOR GASPAR e  MARIA LUÍS ALBUQUERQUE! Portanto, cabe a Miss Swaps e Vítor "brutal aumento de impostos" o dever de irem explicar-se à AR e a uma eventual comissão de inquérito que venha a ser criada para julgar os actos  (pouco transparentes, digamos)  praticados por membros do governo PSD/CDS.

3- A propósito dos 10 mil milhões que voaram para off shores, perante a passividade do governo anterior, Passos Coelho acusou António Costa de ser reles e ordinário. 
Provados que estão os factos e reconhecidos os erros por quem os praticou, é altura de Passos Coelho pedir  desculpa a António Costa pelos insultos e ao país por ter sido implacável com quem trabalha e negligente com quem vive a explorar os outros.
Se o não fizer, todo o pais terá direito de dizer a Passos Coelho
- ORDINÁRIO ÉS TU, PALHAÇO!
Eu sei que podia haver Carnaval sem palhaços, mas não era a mesma coisa...