quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Memórias em vinil (64)



Também conhecido por sr 100 000 volts, Gilbert Bécaud ( 1927-2001) é um nome incontornável da música francesa.
Teve dois sucessos estrondosos. "Nathalie" (1964) e "Et Maintenant" (1961).
Por razões óbvias ( o momento político e as incertezas sobre o futuro do planeta) escolhi "Et Maintenant".
Boa noite!

Caderneta de cromos (57)


António Lobo Xavier, conselheiro de estado, amigo de António Domingues decidiu ( fazendo fé no que leio e oiço na comunicação social) dedicar-se à bufaria, revelando o  conteúdo de SMS trocados entre Mário Centeno e António Domingues.
Neste país de embusteiros, em que qualquer tipo desprovido de carácter chega a conselheiro de estado, nenhum jornalista se deu ao trabalho de investigar as relações entre Xavier e Domingues.
Com um bocadinho de esforço, até eram capazes de conseguir que Lobo Xavier denunciasse os nomes dos seus clientes que têm calotes à CGD!
Depois de Dias Loureiro, temos agora Lobo Xavier a demonstrar que há cromos que andam sempre com a ética na boca, mas não têm qualquer pudor em desprestigiar um cargo, para defender interesses pessoais.
António Lobo Xavier é um desses cromos.

Os caminhos da Assunção

No último fim de semana, Assunção Cristas foi ao Congresso do PP espanhol e botou discurso. 
Já todos percebemos que quando a líder do CDS abre a boca ,ou entra canção  do Tony Carreira, ou sai asneira. Ora nesta visita ao homólogo vizinho, mais uma vez saiu asneira. Durante uma intervenção a que poucos terão prestado atenção, Cristas lamentou que Portugal não tivesse seguido o caminho de Espanha.  
Ainda pensei que Cristas se estivesse a referir às maravilhosas praias espanholas, ou ao caminho de Santiago, mas não,  era mesmo ao caminho político traçado pelo PP. 
Movido por uma curiosidade indomável, fui ver qual tinha sido o caminho de Rajoy.
Seguindo a senda de anos anteriores, Espanha vai fechar 2017 com um défice de 3,5% , ultrapassando largamente o teto máximo do défice estabelecido pela EU.
O desemprego deverá fixar-se, no final do ano, em 17,8% .
A dívida pública continuará a aumentar
Face a estes números perguntei-me por que razão lamentava Cristas que Portugal não tivesse seguido o caminho de Espanha.
A resposta era simples: Cristas queria que Portugal crescesse ao ritmo de Espanha (2,3% este ano e 2,1% em 2018) e  acima da média europeia.
Ou seja: a pimba de Aveiro queria o “filet mignon. Talvez não rejeitasse a elevadíssima taxa de desemprego de “nuestros hermanos” ( ela está aviada, portanto os outros que se lixem), mas certamente recusaria o elevado défice, já que o cumprimento do défice foi o cavalo de batalha do governo a que ela pertenceu.
Ora como nestas coisas de economia parece que não há milagres, crescimento económico acima da média europeia só com um défice elevado. Ora para conseguir atingir um défice de 2,9 em 2018, Espanha precisa de um ajuste de 11 mil milhões que, obviamente, não irá fazer.
Porquê? Porque apesar de tudo Rajoy não é tão estúpido como Passos e a oxigenada das finanças. Aposta no crescimento e marimba-se para o défice. 
Portanto, o melhor é Cristas tirar o cavalinho da chuva. Se quiser regressar ao governo como muleta do PSD, já sabe que terá de seguir o guião da dupla Marilú/ Coelho. Traduzindo por miúdos:  ouvir durante quatro anos o parceiro a dizer  que o objectivo principal é reduzir a despesa e manter o défice abaixo dos 3% e não conseguir uma coisa nem outra.