quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Os professores têm razão mas...

Os professores têm carradas de razão na sua luta. Não podem, nem devem, é confundir a opinião pública comparando a sua situação com a dos restantes funcionários públicos. É a razão é simples. Enquanto os professores sempre foram promovidos automaticamente, em função do tempo, os restantes funcionários públicos tinham de fazer concurso, só podendo progredir se houvesse vagas.
Acrescente-se que, após o descongelamento, continuarão a ser muito beneficiados, pois a sua progressao na carreira é muito mais rápida do que a dos funcionários públicos.
Assim, enquanto a esmagadora maioria dos professores pode atingir o topo da carreira, só uma ínfima parte dos funcionários públicos pode aspirar atingir essa meta.
É sempre melhor ser claro, do que tentar confundir a opinião pública com uma mentira.

10 comentários:

  1. Se houvesse vagas e se e quando os responsáveis pelos serviços decidissem abri-las...

    ResponderEliminar
  2. "os professores sempre foram promovidos automaticamente, em função do tempo"?
    De certeza?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De certeza, RFogério. Desde que fossem efectivos, era assim que se processavam as promoções: ao taxímetro.

      Eliminar
  3. Confesso que não conheço os regimes de promoção em causa.
    Como tal tenho que ficar caladinho.

    ResponderEliminar
  4. Muita gente nem sabe o que os professores ganharam com as equiparações de cursos e de carreiras. Com a expansão do ensino sabiam que tinham lugares assegurados. Toda a gente ia para professor até porque normalmente tiravam cursos, que exigiam médias de entrada muito baixas e tiravam cursos da treta. Até deixou de ser exigido Pedagógicas. Até os retornados, alguns que nem sabiam falar português, foram para professores com a quantidade de certificados de habilitações falsos, que foram traficados, na altura. Alguns até ficavam a tempo zero sentados nas bibliotecas. A maioria também não sabe que todos os FP, viram congelados os aumentos e os escalões logo em 2002, com MFLeite. Que ninguém esqueça que não podíamos ser penalizados com um défice superior a 3%, por isso se vendeu tudo, até créditos por tuta e meia ao grupo City, se transferiram fundos de pensões milionárias que hoje estamos a suportar; mas os estudantes mostraram-lhe o rabo e esses não foram prejudicados. Quem quiser tirar dúvidas que vejam a lista dos aposentados e vejam quem é que tinha maiores reformas, depois de juízes, médicos e pouco mais, até as auxiliares de educação, professores incluídos e outros que aproveitavam a época antes da reforma para fazer horas extraordinárias, se promoviam para ser reformados com uma pensão maior. Hoje dizem que os funcionários públicos só deixaram de ser aumentados depois de 2009, mas esquecem-se que este aumento dado por Sócrates, em véspera de eleições, foi gradativo. Só os de baixo tiveram alguma aumento porque a partir de determinado nível, que consideravam elevado, não houve aumentos e o 1.5% para outros nem, deu para cobrir a inflação de um ano. O presidente do Sindicato devia ter vergonha, pois ele já nem sabe do que fala. Apenas se aproveitam do transtorno que causam às famílias. Mas os do Privado, apesar de ganharem menos, não fazem greve. Passa-se o mesmo na Saúde mas aí até é benéfico; quantos mais morrerem melhor. Por outro lado não fazerem exames até
    é bom para o erário público, porque metade deles nem são necessários, só servem para rendibilizar tanta aparelhagem que compraram. Portugal é um dos países que mais aparelhos de TAC, tem por pessoa. Se duvidam esta semana vinha uma notícia sobre o montante que o SNS paga a convencionados. vejam!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho a maior consideração e respeito pelos professores. Dei formação a centenas deles e sei muito bem a vida dura que têm, mas aranmarem-se nas maiores vítimas não me parece justo. Nem digno. Eles deviam lutar por uma reforma aos 60 anos sem penalizações, porque é uma profissão de desgaste rápido. O problema é que ainda sou do tempo em que muitos professores se reformavam aos 50 e depois iam dar aulas para o privado.

      Eliminar
  5. Claro que não estou a falar de professores que andam a fazer biscates como qualquer um. Muitos nem são necessários.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também conheci professores que nunca deram aulas. Ou estavam nas bibliotecas, ou em organismos públicos onde progrediam automaticamente, enquanto o funcionário na secretária ao lado tinha que se esmifrar em concursos.

      Eliminar
  6. Para quem duvida abram este link
    https://scontent.flis9-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/22788827_10154782618321901_6227619269836200812_n.jpg?oh=6eb0d2d83c6848193301bc7e900e6027&oe=5A91B91F

    ResponderEliminar