sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Aos homens do meu país!

Uma publicação australiana insinuava que as acusações de assédio sexual de tempos de antanho, que estão a abalar os EUA,  foram decididas e combinadas em  reuniões de mulheres que terão decidido vingar-se de algumas figuras públicas que lhes terão prometido trabalhos em troca de favores sexuais, mas não cumpriram a promessa.
Eu creio que não deve haver nenhum português que nunca tenha sido vítima de assédio sexual, por parte de alguém que pretendia uma promoção, um emprego, ou apenas porque lhe apetecia passar uns bons momentos na companhia da vítima
Sugiro por isso, aos homens do meu país, que comecem a reunir-se em jantares para denunciar as mulheres que os assediaram e o que pretendiam em troca. 
É que, estou em crer, não tarda nada algumas mulheres portuguesas vão começar a refrescar a memória e a queixarem-se de terem sido assediadas por algumas figuras mais ou menos públicas. Por isso, mais vale prevenir do que remediar...

3 comentários:

  1. Caro Calinhosamigo

    É dificil que assim aconteça; somos uns "dons Joões de pacotilha"...

    Jantares só com homens? Há por aí, ou seja por Portugal cada vez mais panel... homossexuais... Um (in)suburninado que tinha no DN, o António Sezerdelo até foi o fundador da Opus Gay...

    Abç do
    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  2. De facto há uma avalanche de queixas e estou certa que com o tempo tudo se vai encaixar e haverá a separação do certo e do errado.
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Carlos, já lhe disse que nunca fui assediada. Os meus concursos eram públicos e abriam muito raramente. Pelo contrário, fui prejudicada ostensivamente, porque sempre disse aquilo que penso e por inveja, quando duas senhoras, em cargos de nomeação (nomeadas por um presidente, com um despacho feito com data retroactiva à demissão do mesmo, porque foi despedido quando mudou o governo), a que concorreram também para subirem mais rapidamente (em cargos de chefia subia-se na vertical, de 3 em 3 anos, enquanto nos outros se ia subindo por escalões na horizontal), me baixaram a classificação pois era a única coisa que dependia deleas, porque o meu currículo era melhor. Isto quando foi aprovado o quadro de pessoal, que esteve em regime de instalação durante mais de 10 anos. O concurso era para a última categoria do quadro técnico superior. Houve uma colega que foi promovida e teve acesso às notas que me perguntou como é que eu ainda conseguia falar a essas pessoas. (foi a mais baixa classificação na Direcção de Serviços). O presidente do júri que conhecia mais ou menos o meu trabalho até me perguntou na entrevista o que era aquilo, porque as classificações estavam atrasadas 3 anos e então baixaram cada ano um pouco, para chegarem onde queriam (e foram dadas porque eram necessárias para o concurso) mas eu não lhe pude (ou não devia) responder, porque era uma audição pública...

    ResponderEliminar