terça-feira, 14 de novembro de 2017

O Alerta que vem de Bona




Em Bona, durante mais uma reunião sobre o clima, um grupo de cientistas alerta a Humanidade: estamos a destruir o Planeta!
Ouvi o mesmo aviso há 25 anos no Rio de Janeiro. Foi aí que também confirmei as previsões que um grupo de cientistas, todos galardoados com o prémio Nobel, vinham fazendo desde 1987. Em 1992, na Cimeira do Rio, reiteraram as suas preocupações com o clima e anunciaram que a Península Ibérica ( especialmente Portugal), Califórnia, Austrália e América do Sul ( especialmente Chile) seriam os mais afectados por incidências climáticas extremas, de que resultariam cheias, incêndios e prolongados períodos de seca. Os mesmos cientistas alertaram para o risco de desertificação em Portugal, Chile, Califórnia e várias regiões da Austrália e do sul da Europa (no prazo de 75 a 100 anos) se não fossem tomadas medidas drásticas. Precipitações muito intensas e localizadas ( em detrimento das chuvas moderadas estendendo-se por extensas superfícies) e aumento da intensidade e frequência de tufões e furacões, bem como a disseminação de tornados por regiões nunca dantes afectadas, foram também anunciadas.
Tudo o que aqueles cientistas então expressaram num documento conjunto se tem vindo a verificar. No entanto, tal como então no Rio de Janeiro , antevejo muita gente preocupada em Bona, promessas de alteração de  comportamentos e tomadas de medidas por parte de governos, conducentes ao consumo e desenvolvimento sustentáveis.
Semanas depois tudo estará esquecido e os governantes voltarão a governar para se perpetuarem no poder.
 Merkel, por exemplo, disse na sexta-feira que "temos de arrepiar caminho se queremos salvar o Planeta" mas, dias antes, milhares de pessoas desfilavam em Colónia em protesto contra a abertura de várias minas de lignite , um carvão extraordinariamente poluente e uma das formas mais sujas que se conhecem de obter energia.
Já nem a China, que assentou o seu progresso económico na energia do carvão e outros combustíveis fósseis, usa a lignite para produzir energia mas, na Alemanha da preocupada senhora Merkel, a exploração de minas de lignite está em grande.

5 comentários:

  1. O homem, o tal animal racional está a destruir o seu habitat.
    Como se destruindo o planeta pudessem sobreviver.

    ResponderEliminar
  2. É um comportamento tão estúpido que não se entende por que perseveramos nele.

    ResponderEliminar
  3. O que estamos a fazer ao nosso planeta é horrível.

    ResponderEliminar
  4. O dinheiro compra tudo. Por isso o numero de ricos, em Portugal, aumentou uns milhares no ano passado e cada vez a riqueza está mais concentrada só em alguns, de acordo com este relatório anual: https://www.jn.pt/economia/interior/ha-mais-milionarios-em-portugal-pais-esta-mais-rico-8916025.html

    ResponderEliminar
  5. A hipocrisia no domínio da protecção ambiental dá vómitos

    ResponderEliminar