quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Um divórcio anunciado


Eu escrevi várias vezes neste Rochedo que Marcelo Rebelo de Sousa iria romper com António Costa logo que Passos Coelho se pusesse ao fresco. 
O encontro com Teresa Leal Coelho no último dia de campanha eleitoral e, posteriormente, o almoço com Santana Lopes, foram sinais evidentes de que Marcelo estava prestes a romper com António Costa e já tinha aberto as portas do recreio para fazer as suas habituais traquinices.
Ficou provado a quem tivesse dúvidas  ( eu nunca as tive) que Marcelo nunca despiu a camisola laranja e as suas deambulações dos afectos pelo país são apenas uma faceta do seu egocentrismo.
Com o discurso de ontem à noite, MRS quis mostrar aos seus que nunca os abandonou. A dureza das suas palavras abriu uma crise política.
 Não deixa de ser curioso que um PR que sempre recusou crises e pediu estabilidade política, tenha sido o detonador dessa mesma crise. 
Alguns manifestarão o seu regozijo pela demissão da ministra mas, no fundo, todos sabem que não é uma mudança de caras que vai resolver o problema dos incêndios.
Segue-se uma moção de censura. Tendo em consideração que por estes dias se discute o OE, conclui-se que vem na melhor altura para Costa e na pior para BE e PCP. Nem é preciso explicar porquê, pois não?
Espero que todos estejam à altura do desafio que MRS lhes lançou. Ou o governo sai mais fortalecido e tem apoio da esquerda sem tibiezas, ou a geringonça desconjunta-se e, em pouco tempo, os seus destroços juntar-se-ão às cinzas dos incêndios.

10 comentários:

  1. O pedido de demissão do Pedro Passos Coelho não tem peso nenhum. Já no discurso do Marcelo Rebelo de Sousa, ouvi a morte anunciada do António Costa.

    ResponderEliminar
  2. Não estamos, de forma alguma, perante a morte política de António Costa.
    O que o 'expert' Marcelo ontem fez foi, antes do mais, desafiar o BE e o PCP a mostrar o seu jogo.
    Por outro lado, quis dizer, sem dizer, que o CDS faria mal com a moção de censura ao governo.
    Com tudo isto, a 'laranja' amarga sempre nele presente, está a dar sinais de vida.
    E que melhor oportunidade podia Marcelo ter do que esta em que apenas lha faltou soltar umas lágrimas.
    Se Marcelo quiser pode usar os seus poderes de presidente e dissolver a AR. Escusa de se esconder em malabarismos aparentemente estranhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para dissolver a AR e convocar eleições legislativas teria de invocar que estava em causa o normal funcionamento das insttuições democráticas e, com o PSD na mó de baixo por ter Marcello deixado passos coelho em lume brando até à queimadura final, com Cristas a fixar a agenda do PSD por falta de comparência deste, arriscava-se a reforçar o peso eleitoral do PS que, graças à intelgência e clarividência políticas de Costa, tem permitido que o PS não seja reduzido a cinzas, ao contrário do que sucede(u) com a social-democracia por essa Europa fora. A moção de censura do CDS terá talvez como finalidade apenas lançar a confusão nas fileiras dos apoiantes do do Bloco e do PCP, sobretudo entre estes.

      Eliminar
    2. Totalmente de acordo, António. O anúncio da morte de Costa é manifestamente exagerado.Quanto a MRS quis obrigar o PCP a definir a sua posição e estender à Assunção cristas a passadeira onde ela se vai espalhar ao comprido, dando oportunidade ao PSD de recuperar o seu espaço e o seu eleitorado.

      Eliminar
    3. Concordo, Victor, mas a moção de censura será o início do fim de Cristas

      Eliminar
  3. O Marcelo voltou a ser o que sempre foi. Comentador e protagonista de factos políticos. Mas acho que o Costa lhe deu bem a volta. O Guterres é que retirou um lei que já tinha sido aprovada.
    As armas também apareceram porque já não são necessárias para lançar a confusão. O importante era também desviar algum dinheiro que estava destinado a quem não recebe aumentos desde 2002 (no tempo da MFL), excepção feita a umas pequenas franjas em 2009. Agora terão de redistribuir o bolo por mais alguns. também é preciso contar com os estragos das cheias que virão porque este desgraçado povo que deita o lixo para as ruas, não sabe limpar esgotos, constrói em cima de linhas de água e ainda se queixa, tem direito a que o Estado suporte todas a suas exigências. Agora até se queixam porque se constipam, mas é velos aí na rua ainda descascados, sem se aperceberem que a temperatura baixou.
    A cristas porque teve certa votação em Lx, porque o psd não existiu, porque estava à espera do Santana, mas ele quer outros voos, pensa que é alguém, quando no país teve menos votação. Eu até nem consigo perceber com ela se esqueceu que foi ministra da Agricultura... Não devia ser permitido perder-se tanto tempo com canalha reles...
    Carlos se não viu ou não leu já o livro, fica aqui o link do filme (comentário) que passou no Domingo na RTP1:

    https://www.rtp.pt/play/p3970/e311084/bilderberg-o-filme

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Cristas ficou tão deslumbrada, que nem percebeu que MRS lhe estendeu uma passadeira vermelha para ela se estampar e dar espaço ao PSD.

      Eliminar
  4. Não acredito nada em divórcios.
    Mesmo nos casamentos mais estáveis às vezes é preciso dar um murro na mesa.
    Foi o que o PR fez.

    ResponderEliminar