terça-feira, 3 de outubro de 2017

Contra Castela, marchar marchar?


Carles Puidgemont não é pessoa muito recomendável, mas conseguiu alcançar os seus objectivos ao obrigar Mariano Rajoy a mostrar ao mundo inteiro a sua  inépcia e, por tabela, colocar a questão catalã a  abrir noticiários  e ser tema de debate  nos mais importantes canais de televisão europeus. 
Pior ainda, deu a Nigel Farage oportunidade para ir ao Parlamento Europeu criticar a hipocrisia da UE, atacar a Comissão por não condenar a violência na Catalunha e ironizar sobre a pseudo democracia da Europa.
A Cataluña está a ferro e fogo, apenas porque Mariano Rajoy é demasiado estúpido para perceber que ao reagir com violência está a fazer o  jogo  de Puidgemont e dos independentistas.
Adoro Espanha, acho os catalães muito arrogantes, mas  mais civilizados do que a generalidade dos espanhóis  e, cultural e  intelectualmente,  muito mais próximos da Europa do que castelhanos ou andaluzes, por exemplo.  Talvez por isso, castelhanos e andaluzes olhem sempre para os catalães com a arrogância própria dos que se sentem inferiores.
A ligação da Cataluña a Espanha  é tão artificial quanto foi a nossa. Remonta ao século XII, mas foi  urdida no leito conjugal, por vínculos reais, pelo que  a independência será uma questão de tempo.
Ao recorrer à violência, insistir na recusa do diálogo e insultar os catalães, chamando-lhes  mafiosos e nazis,  Rajoy  e Santamaria ( uma Assunção Cristas em versão castelhana) estão a contribuir para que o processo seja acelerado. Provavelmente depois da turbulência dos últimos dias, as coisas vão acalmar, mas o processo (irreversível) de independência começou no dia 1 de Outubro. Os espanhóis parecem não ter percebido.  E o PSOE, com a sua posição dúbia, também não. Azar deles.

E,já agora, também meu, que tive de me rebelar contra um vizinho pertencente ao corpo diplomático de Castela que se lembrou de hastear uma bandeira espanhola no telhado. E como eu moro no último andar... Não é preciso dizer mais nada, pois não?

2 comentários:

  1. É A LIBERDADE QUE ESTÁ EM CAUSA: é preciso dizer não aos hitlerianos que não suportam a existência de outros; leia-se: SEPARATISMO-50-50.
    .
    Explicando melhor:
    ---»»» Todos Diferentes, Todos Iguais... ou seja, todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta -» inclusive as de rendimento demográfico mais baixo, inclusive as economicamente menos rentáveis.
    -» Os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins, que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
    -» blog http://separatismo--50--50.blogspot.com/.
    .
    .
    Nota 1: Os Separatistas-50-50 não são fundamentalistas: leia-se, para os separatistas-50-50 devem ser considerados nativos todas as pessoas que valorizam mais a sua condição 'nativo', do que a sua condição 'globalization-lover'.
    .
    Nota 2: É preciso dizer NÃO à democracia-hitleriana; isto é, ou seja, é preciso dizer não àqueles que pretendem democraticamente determinar o Direito (ou não) à Sobrevivência de outros.
    [obs: nazi não é ser alto e louro, blá, blá... mas sim, a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros]
    .
    .
    NACIONALISTAS EUROPEUS: Retirem as palas de burro que têm enfiadas na cabeça!
    Leia-se: reconheçam que o problema é global: QUALQUER POVO AUTÓCTONE do planeta que queira ter o SEU espaço no planeta, que queira sobreviver pacatamente no planeta, que queira prosperar ao SEU RITMO... corre sérios riscos de levar com um genocídio em cima!
    Um exemplo: em pleno século XXI tribos da Amazónia têm estado a ser massacradas por madeireiros, garimpeiros, fazendeiros com o intuito de lhes roubarem as terras... muitas das quais para serem vendidas posteriormente a multinacionais (uma obs: é imenso o património no Brasil que tem estado a ser vendido à alta finança).
    .
    .
    É NECESSÁRIO MOBILIZAR RESISTENTES AUTÓCTONES DO PLANETA PARA O SEPARATISMO!
    (manifesto em divulgação, ajuda a divulgar - é necessário um activismo global)
    .
    .
    UM PROBLEMA GLOBAL -» mercenários (ao serviço da alta finança), aspirantes (a donos-disto-tudo) e penduras (lambe-botas) estão impregnados de hitlerianismo: não suportam a existência de outros!
    .
    .
    Os MERCENÁRIOS ao serviço da alta finança (capital global) trabalham para a eliminação de fronteiras: a alta finança ambiciona terraplanar as Identidades, dividir/dissolver as Nações para reinar...
    .
    Os mercenários gostam de evocar (como se tal fosse o único valor existente no planeta) que o SEPARATISMO vai provocar problemas económicos.
    Na sua cegueira anti-Trump (tocou no tema-tabu -» fronteiras), os mercenários chegaram ao ponto de andar a evocar a imigração para a América... quer dizer, ao mesmo tempo que eles andam por aí a acusar povos de deixarem 'pegada ecológica' no planeta, em simultâneo, os mercenários revelam um COMPLETO DESPREZO pelo holocausto massivo cometido sobre povos nativos na América do Norte, na América do Sul, na Austrália, que (apesar de serem economicamente pouco rentáveis) tiveram o «desplante»... de quererem ter o seu espaço no planeta, de quererem sobreviver pacatamente no planeta, de quererem prosperar ao seu ritmo.
    .
    .
    ASPIRANTES: pessoal dotado de uma elevada taxa demográfica... ambiciona/aspira ser dono-disto-tudo.
    .
    .
    PENDURAS: na Europa existem muitas comunidades nativas penduras -» não trabalham para a sustentabilidade da sociedade (média de 2.1 filhos por mulher)... penduram-se na boa produção demográfica de outros!
    [e mais, os penduras ao mesmo tempo que são contra a repressão dos Direitos das mulheres, em simultâneo, são uns lambe-botas da boa produção demográfica daqueles que tratam as mulheres como 'úteros ambulantes' - exemplo: islâmicos]
    {Os penduras são uns lambe-botas dos aspirantes a donos-disto-tudo e da alta finança}


    ResponderEliminar
  2. Não percebo como é que para o Kosovo não se levantaram questões , mesmo sem referendo, e para a Catalunha e Escócia é o que se vê.

    Quanto ao teu texto, concordo de todo.

    Tudo de bom, amigo

    ResponderEliminar