quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Memórias em vinil (CCXXXVII)


Como prometi.  a música francesa assentará arraiais por aqui nas próximas noites. Para hoje, mais um nome incontornável e uma voz inconfundível.

8 comentários:

  1. Bonita história de morte em boa voz; à grande e à francesa.
    Os bons poetas são eternos e os maus não são poetas.

    ResponderEliminar
  2. Vou correr o risco de ser musicalmente incorrecto: nunca fui apreciador de Gilbert Bécaud.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acredito. Não deve conhecer toda a sua obra. Ou então há aí uma razão oculta.

      Eliminar
  3. De Gilbert Bécaud só me lembro de "NATALIE"

    Uma história de morte é sempre triste.

    ResponderEliminar
  4. Esta música foi feita em honra de Jean Cocteau, que sendo amigo dela, morreu no mesmo dia mas da parte da tarde.
    Achei piada a este comentário porque parece que aconteceu o mesmo connosco:
    "c'était avant que la france ne devienne la poubelle culturelle de l'algérie!"

    ResponderEliminar
  5. Corrijo: sendo amigo de Piaf. Estou a pensar uma coisa e a escrita não acompanha o pensamento.

    ResponderEliminar