quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Praias da minha vida (com histórias dentro) - 1



A minha Mãe dizia que foi em  Espinho que pela primeira vez me levou à praia mas, a memória  que tenho de ter pisado areia pela primeira vez, traz-me à memória a Praia dos Beijinhos, em Leça da Palmeira.
Tenho memórias muito vagas e difusas dos tempos que lá passei, mas duas coisas me estão coladas à memória:
- o vendedor de barquilhos
Trazia uma caixa com uma roleta em cima que  rodávamos. O número em que a roleta parasse determinava o número de barquilhos a que tínhamos direito. Comecei em pequenino a perceber que não estava talhado para ter sorte ao jogo.
- o nevoeiro
Lembro-me de chegar  à praia de manhã com um dia esplendoroso de sol e, horas depois, levantar-se uma ventania infernal ou cair um nevoeiro gelado que nos obrigava a correr para dentro da barraca, onde ficávamos à espera que o meu tio nos fosse buscar, porque nem a minha Mãe, nem a minha tia tinham carta de condução.
Para além das brincadeiras comuns a todas as praias, havia um entretenimento peculiar naquela  praia: apanhar beijinhos (  foto)
Já naquela época escasseavam no litoral mas na Praia dos Beijinhos ainda os havia em abundância. Lembro-me de os apanhar, guardar numa caixa e no ano seguinte devolvê-los à praia para que enquanto estivesse por lá tivesse hipóteses de recuperar alguns.
Não fui para a Praia dos Beijinhos  durante muitos anos mas havia de voltar lá num dia memorável de 1966: 1 de Agosto. Porque recordo esse dia? Passo a contar
Dois dias antes tinha sido a final do Mundial de Futebol de 1966, entre Inglaterra e Alemanha. Eu estava em Ofir e vi o jogo no hotel de Ofir com um grupo onde estava a minha amiga Petra W.   
A Alemanha foi escandalosamente roubada, o árbitro validou um golo aos ingleses, sem que a bola tenha entrado na baliza e no final a Inglaterra, que jogava em casa, venceu por  4-2.
Pela primeira vez na vida estava a torcer pela Alemanha e a desejar a derrota dos ingleses, que nos tinham afastado da final. Partilhei a amargura com a minha amiga, enquanto desanuviávamos a tristeza com uma partida de bowling. Ela perdeu e no final eu disse-lhe que para a alegrar, no dia seguinte lhe trazia um beijinho. Ela corou, sorriu e perguntou:
- Porquê só amanhã?
-Porque aqui não tenho nenhum. Tenho de os ir buscar a casa.
A PetraW ( que tinha conhecido em Ofir no Verão anterior) terá achado aquilo tudo muito estranho. Riu-se e disse que ficava à espera.
No dia seguinte lá estava eu, no sítio habitual. Não com um, mas dois beijinhos para lhe dar. 

Mais uma vez ela achou estranho que aqueles búzios ( que desconhecia) se chamassem beijinhos e quis saber onde eu os tinha arranjado.
Contei-lhe que havia uma praia, perto do Porto, onde se podiam apanhar muitos. Entre  desconfiada e curiosa, disse-me que queria ver. E assim foi. Na segunda feira, 1 de Agosto, de 1966 ela foi ter comigo ao Porto, pegámos nas motos e fomos à Praia dos Beijinhos. Para evitar algum azar levei alguns beijinhos de casa para o caso de  ser necessário recorrer a um estratagema de última hora. Não foi preciso. Por sorte encontrámos vários em pouco tempo. Estávamos os dois felizes.  Caminhávamos à beira mar quando a Petra W me apontou para uma barraca vazia. Foi aí, resguardados de olhares intrusos, que trocámos um longo beijo. Que selou a nossa amizade para sempre. Faz hoje 51 anos.


14 comentários:

  1. Curioso que tenho recordações semelhantes, embora de há mais tempo. Lembro-me bem que a minha primeira praia foi a da Luz -FOZ (alugávamos casa) , mas recorrentemente íamos para Matosinhos e daí, a pé até à dos beijinhos e até ao farol !
    Ainda tenho uma ligeira ideia da 1ª foto ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu andei por lá em meados dos 50, Rui. Ainda mal sabia ler e escrever :-) E o Rui?

      Eliminar
    2. Seguramente em fins dos anos 40 !!!
      Lembro-me perfeitamente como era a praia da Circunvalação (com o "Caninhas Verdes" em frente), como era a de Matosinhos , como era a de Leça até ao farol e curiosamente não me recordo como se atravessava naquela zona da Doca . (?)...

      Eliminar
  2. Memórias doces de uma praia que não conheço.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terá certamente memórias doces de outras praias. Figueira da Foz, I guess?
      Abraço

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Na segunda feira, quando fui despedir-me dela ao aeroporto estava óptima, Catarina. Apesar de velha como eu... :-)

      Eliminar
  4. As praias do Norte foram as praias da minha meninice.

    As praias do sul foram as praias da minha adolescência como relato num dos desafios praticionados pelo Carlos.

    A amizade com a sua amiga Petra é quase uma história de amor. Gostei tanto desta crónica que partilhei no G+ logo que a li, espero que o Carlos não se zangue.

    Bom fim de semana 🌹

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já respondi ao comentário que o Carlos escreveu no ematejoca azul sobre este tema.

      Eliminar
    2. Tenho com a Petra e duas outras amigas uma relação muito, muito forteque, Como tenho com alguns amigos da universidade e da juventude que,tal como eu, fizeram vida de andarihos. Nos últimos anos, regressados todos a Portugal, reatamos convívios como fazíamos há 40 e 50 anos. São estas as coisas boas da vida, minha querida Teresa. Beijinho

      Eliminar
    3. E claro que pode partilhar o que quiser, Teresa. Esta casa é sua. Bom FdS também para si.

      Eliminar