sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Meu querido mês de Agosto

Passam alguns minutos das cinco da tarde. Cheguei ao fim da manhã a Lisboa. Vi-me aflito para comer qualquer coisa porque no meu bairro está tudo fechado. Em férias. Nem as tabacarias onde compro os jornais e preencho os boletins que podem fazer de mim um excêntrico escapam. O Meu Super está encerrado para remodelação.Suspiro. Enfim, o mês de Agosto é  como antigamente. Lisboa está deserta. Pelo menos nos bairros  como o meu, onde os turistas não chegam. 
 Saí do Estoril  há mais de uma semana. Tenho saudades do mar do Guincho, mas hesito em meter-me ao caminho. É sexta feira à tarde e o trânsito deve estar um inferninho na A5 e na Marginal. E daí talvez não. Arrisco...
Meto pela segunda circular. Não há filas. Circula-se tranquilamente.Na A5, até à Cruz Quebrada, o trânsito é de manhã de domingo. Arrisco meter pela Marginal. Trânsito fluido. Pelo caminho vou vendo as praias pejadas de gente. Na estrada, nem sequer paro nos semáforos de S. Pedro, S. João ou Estoril. 
Meu querido mês de Agosto. Ainda bem que estás de volta! Já  tinha imensas saudades tuas.
O problema vai ser amanhã quando chegar ao paredão. O melhor é por o despertador para as sete.

8 comentários:

  1. Ainda quero ir a Lisboa sentir-lhe o pulso leve e descansado:), auscultá-la no seu sono de beleza. Que Setembro traz tudo de volta, um corre corre de não chegar a nenhum lugar. É a vida.

    ResponderEliminar
  2. Hoje ás 10h30 ainda se podia andar sem fazer ziguezagues :) mas o sol já estava muito quente.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje, apesar do nevoeiro, a essa hora já era bastante difícil andar a direito no paredão. Até porque as camionetas são uma praga!

      Eliminar
  3. vai valendo os turistas para dar vida e cor a cidade de Lisboa nesse mês de agosto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem duvida.As pessoas que se queixam do excesso de turistas são um bocadinho néscias.

      Eliminar