terça-feira, 16 de maio de 2017

Trump e as florzinhas de estufa



Um humorista americano, cansado dos ataques  de Trump à comunicação social que não lhe lambe o rabo, despejou a sua ira insultando o presidente americano.
 O busílis está no facto de Stephen Colbert  ter dito que “ a única utilidade da boca de Trump é servir de coldre ao pénis de Putin”.
Compreendo a reacção indignada dos adeptos de Trump, exigindo de imediato o despedimento do humorista.
Aceito a indignação de alguns que consideram ter  sido um insulto que ultrapassou os limites da decência.
Não posso é aceitar, nem compreender, que a esquerda americana ( seja lá o que isso for) reaja como florzinhas de estufa e se junte aos adeptos de Trump para  exigir à CBS o despedimento de  Colbert, por considerar o insulto... homofóbico!
Então se o coldre do pénis de Putin fosse a boca de uma mulher ( Hillary Cliton, por exemplo) o insulto já era aceitável, porque não era homofóbico?
Estou cansado destas florzinhas de estufa que nos querem impor  um vocabulário  anódino, assexuado  e politicamente correcto.
Estou fartinho desta intelectualite da “guerra dos sexos” que reage com mais veemência a um insulto deste teor, do que às piadas que Trump  fez com um jornalista deficiente.  
Já não suporto esta maralha asséptica, tristonha e infeliz, que reclama liberdade de expressão, mas quer colocar barreiras ao humor.

Apetece-me dizer-lhes “vão bardamerda, c§r*£«o” e regressem aos úteros das vossas mãezinhas, de onde nunca deviam ter saído.

12 comentários:

  1. Por acaso vi o programa do Stephen onde ele afirmou tudo isso, e vi o contexto em que ele o disse!
    Aparentemente, no dia anterior o Trumphas tinha insultado um dos mais coneituados reporteres da CBS, durante um entrevista, afirmando que quer a rede CBS quer o proprio reporter veiculavam noticias falsas, implicando com isso que o reporter e a cadeia de televisão mentem. São "fake news".
    No entanto o reporter acatou os insultos com a graciosidade possível.
    Ainda assim o caldo entornou quando, dentro da sala oval, o reporter perguntou ao presidente:
    -Do you stand by your acusations of Obama having Trump Tower wiretapped?
    -I stand by nothing (coisa que por acaso boa parte do mundo já tinha percebido)
    -But i would like to ear what you have to say...
    -This enterview is over
    E com isto virou as costas ao reporter, sentou-se na "Resolute desk" e começou a mexer nos papeis que estavam em cima da secretária fingindo-se ocupado e sem mais uma unica palavra.
    Depois de passar excertos da entrevista no Late show, Stephen disse que o dito reporter (famoso lá no sítio) não era alguém que descesse da sua classe e insultasse o Trumphas...
    ...mas que já ele não era o outro e fez disse tudo o que tinha para dizer, inclusivé a tal frase acerca da boca do Trump só servir para ser o coldre do penis de Putin. Atenção que ele não disse que era, apenas que só servia para isso!

    Ri-me, porque, à parte este comentário, todo o resto do que ele disse foi mais que merecido pelo Trumphas!

    Abraço

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu só vi este fim de semana,porque alguém me falou donpelo enquadram to perfeito, Claudio

      Eliminar
  2. Oh, come on, Carlos! 😀😀
    Eu tb sou de opinião que Colbert foi longe demais desta vez. Podemos exercer o nosso direito de liberdade de expressão sem ofender. Temos que pensar o que Trump representa... embora, em termos pessoais, seja a pior pessoa para o cargo de todos os tempos, o mais ignorante, o mais arrogante, o mais perigoso, o mais narcisista... e por aí além.

    Impeachment é um termo que se está a ouvir cada vez com mais frequência...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também penso que não havia necessidade de Colbert ser tão assertivo, mas não é o insulto que está em causa e sim a reacção da esquerda indignada porque se tratou de uma piada homofóbica. Ou seja, se fosse com Hillary, por exemplo, esse problema não se punha.

      Eliminar
    2. Ah, esqueci-me de dizer que não acredito que um dia haja impeachment, Catarina.

      Eliminar
  3. Não soube do caso senão por este blogue. E condeno, sim. É muita falta de chá falar assim de dois presidentes na televisão. Não é uma conversa particular, é para o mundo. Espero que haja uma multa pesada para esse desbocado. E o resto de "flores de estufa e esquerda e direita" não me interessa nada. E discordo, em humor há formas até engraçadas de se dizerem as coisas sem essa baixaria que aqui apresentou em segunda mão. Se fosse criança merecia pimenta na língua para aprender:). Onde já se viu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trata-se de um programa humorístico, Bea. Também não me parece que tenha sido de bom gosto, mas a questão não é essa, mas sim de saber se deverá ser imposto limite ao humor. Talvez um dia...
      Mas, como já disse à Catarina, o cerne deste post é a reacção da esquerda.Condenam porque consideram a piada homofóbica e não plo seu conteúdo. Ora isso dá azo a muitas conclusões...

      Eliminar
    2. Sim, deve impor-se limite ao humor quando ele entra na javardice e desrespeita a primeira figura da nação (neste caso de duas nações), quando o humor passa a outra coisa não é sequer lícito falar em liberdade ou limite humorístico. Não há como fazê-lo porque já não é de humor que se trata.
      Não sei como é que algo se pode considerar homofóbico sem atender ao seu conteúdo. E não estou a defender a esquerda americana. Se eles não fossem tão importantes para o resto do mundo, queria mais era que se danassem todos. Elegeram-no, aturem-no ou demitam-no. O busílis é que isto está tudo ligado e Trump não é um bater de asas de borboleta.

      Eliminar
  4. Carlos, eu vi essas cenas na Tv como diz o "Filhos do Desespero" e enquanto o jornalista ficou a sorrir com classe, eu só não partiria o focinho àquela besta porque precisava dumas luvas de box para não sujar as mãos.
    Já olhou bem para o esgar daquela boca nojenta, quando ele vira as costas a uma pessoa? Seja lá o que for ele não é digno do lugar que ocupa e que não o ganhou pelos votos mas sim pelo sistema eleitoral americano.
    Não sei por que para determinadas pessoas certas palavras não podem ser usadas para adjectivar certos canibais. Qualquer dia a Bea, porque anda sempre nas nuvens e a Carolina a Carolina porque só vê a CNN, ainda começam a dizer que o Hitler era um tipo porreiro. Se elas vissem os documentários que eu tenho visto e não ouvissem ficção em áudio (lembrei-me duma amiga minha que quando entrei sem bater como de costume, (a porta estava sempre aberta para os amigos), estava um gravador em altos berros, porque ela estava a aspirar a casa e ao mesmo tempo estava a aprender inglês por cassetes gravadas. As palavras valem mais do que qualquer arma e devem ser ditas no momento exacto. Não são apenas palavras, são a expressão dum sentir. Esta semana quando foi expulso um mexicano que tinha um restaurante há quinze anos e casado com uma sujeita que tem a nacionalidade americana, todos que estava ali à volta disseram que tinham votado naquela bosta, porque ele tinha dito que ía expulsar as pessoas más. E que o senhor em questão era uma óptima pessoa e apesar de ter carta verde autorização de residência e carta de condução, anualmente tem de se apresentar e agora ao apresentar ou pedir mais papéis descobriram que o desgraçado cometeu uma infracção sem a mínima importância mas foi o suficiente para o deportarem e assim vão expulsando todos aqueles que tenham apenas uma multa de trânsito, porque são bad guys (fico com a pele em galinha, mas tenho de dizer o termo que eles usavam). Esse ordinário nem deve ter mãe. ninguém critica a puta que casou com ele sendo mais velho 23 anos enquanto o Macron é maricas porque era um aluno avançado e extraordinário e se apaixonou pela professora e ela por ele que têm a mesma diferença de idades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anphy deixe-se de remoques para o meu lado. Está fartinha de saber que nunca enquanto tinha algum juízo darei a mão a um governo como o do Hitler.
      E não me interessa se são canibais, entendo que há limites para tudo. Toda a gente é pessoa, serve para as boas e as más pessoas.
      E sobre o tema já escrevi demais. Fim.

      Eliminar
  5. A estupidez dos americanos não pára de nos surpreender.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A estupidez é tanta que nem queremos dignificar com qualquer resposta que seja os comentários sobre o assunto. :)))

      Eliminar