segunda-feira, 29 de maio de 2017

Madonna at Parolândia


Nos últimos dias sucederam-se os avistamentos de Madonna em Lisboa e arredores.
A notícia deixou os fãs eufóricos, pois Madonna ainda não tinha aparecido em público desde que anunciou, em dezembro de 2016 que iria entrar em hibernação, recusando-se a divulgar a data  do regresso.
É um orgulho para Portugal que Madonna tenha escolhido Lisboa para o seu regresso e o tenha divulgado profusamente no Twitter.
Quero porém  informar Inês Pedrosa,Raquel Varela, Joaquim Vieira e Rodrigo Moita de Deus que o avistamento do encerramento dos Jerónimos para que Madonna pudesse visitar tranquilamente o mosteiro foi apenas uma visão. Quiçá similar à dos pastorinhos em Fátima. Efectivamente, Madona visitou o mosteiro sem ter de se misturar com o povo (que ela adora, à distância, desde que esgote os concertos) mas a visita foi depois de encerrarem as portas e a guia foi a própria directora. Gostaria de saber de quem foi ideia tão parola, mas não consegui apurar ( apesar de ter uma ideia)...
Mais parola e embasbacada, demonstrativa do deslumbramento pacóvio transversal à sociedade tuga, foi o pedido de audiência de Fernando Medina que se deslocou ao Ritz para um encontro com a Diva. E não colhe o argumento de que a publicidade gratuita junto dos 9 milhões de seguidores de Madonna valeu a atitude pacóvia e subserviente do presidente da câmara de Lisboa.
ADENDA: Eu sei que Israel também mandou cortar centenas de amendoeiras e devastar um parque de estacionamento, para que Trump aterrasse com a sua comitiva, mas o Presidente dos EUA visitou Israel para manifestar aos israelitas que estava disposto a ajudá-los a exterminar os palestinianos.

2 comentários:

  1. Sempre há cada coisa! Sou um bocadinho avessa a estas cerimónias de lava pés com gente da sétima arte, ou de qualquer outra coisa e que cheire a ser importante para a mundaneidade. Mas é verdade, somos um bocado assim, deslumbramos.

    ResponderEliminar
  2. Eu não sei é como é que a superestrela ainda não resolveu pôr-se a andar, perante tanto deslumbramento e lambe-botismo...

    ResponderEliminar