quinta-feira, 4 de maio de 2017

" Le Pen é uma simpatia"

Foto BBC News


(Na sequência do post anterior
Hoje dediquei algumas horas a ver notícias e a ler jornais. Em relação à vida interna nada de novo. As discussões sobre política e desporto continuam ao nível do cano de esgoto e a dominar o panorama informativo.  
Chamou-me, outrossim, especial atenção uma reportagem da RTP 3 feita em França, junto de emigrantes portugueses. Os entrevistados  afirmavam sem qualquer rebuço que no próximo domingo votarão Marine Le  Pen, porque " é muito simpática e vê bem os problemas da França".
Quando interrogados se não temiam as consequências da saída de  França da UE, o fim do euro, ou mesmo as medidas que ela preconiza contra  os emigrantes, as respostas foram perturbadoras, mas nada surpreendentes.
Elegi  como resposta mais simbólica "ela não vai fazer nada do que diz". 
Se  fosse eu a fazer a reportagem, de imediato teria perguntado " então porque vai votar nela?". Mas como a repórter de serviço não se  lembrou ou considerou inconveniente fazer essa pergunta, limito-me a confirmar aquilo que muitos rejeitam admitir: viver no estrangeiro não torna a maioria dos emigrantes portugueses mais esclarecidos. 
No entanto, como este caso  passado em Newark demonstra, muitos ficam mais egoístas e desumanos.  

3 comentários:

  1. Deixe-os, Carlos. Para esses até era bom que ela ganhasse, lagarto, lagarto, lagarto, pois quando recebessem a guia de marcha para a santa terrinha, iriam ver o que é bom para a tosse!
    Inocentes!!

    ResponderEliminar
  2. Ainda não abri a ligação mas digo já o que penso. Viver no estrangeiro e ser um emigrante trabalhador é uma das maiores razões para que fiquem mais ignorantes, mais reaccionários, mais isolados e continuarem bestas porque tendo algum dinheiro se julgam importantes. Tudo isto porque na maioria dos casos desconhecem a língua, trabalham muito mais para ganhar mais algum, não convivem com alguém que possa esclarecê-los, vivem no basemant para poupar, ou para alugar o resto da casa se a tiverem conseguido, forram os sofás de plástico e não os usam para nâo se estragarem, só se relacionam com alguns dos seus pares, logo não evoluem, não lêem, quando vêem tV é só para ver os bonecos ou o sangue se aconteceram desgraças focais, enfim, vivem pior do que aqui, porque aqui até já tivemos um SNS. Fico-me por aqui, mas ainda digo que identifico logo um comentário dum emigrante, dum devolvido ou dum imbecil, convencido que é alguém. A maioria deles nunca saíu de casa para conhecer sequer a cidade onde vive.
    Le Pen é a única que representa mesmo um perigo público, porque pertence a um partido com organização com ideias perigosas bem enraizadas na sua cabeça e que já tem uma grande passado fascista, xenófobo,....,etc., que já vem de há dezenas de anos, para não dizer mais.

    ResponderEliminar