segunda-feira, 8 de maio de 2017

Et maintenant?



Os democratas respiraram de alívio. Macron  ganhou folgadamente a segunda volta das presidenciais francesas, afastando o fantasma de uma vitória da extrema direita. E agora?
Bem, agora...há razões para festejar, mas não para respirar fundo e dizer que passou o perigo. Bem pelo contrário. Senão, vejamos...
Em 2012 Marine Le Pen teve cerca de 6 milhões de votos. Na primeira volta das presidenciais de 2017 obteve 7,5 milhões e ontem quase chegou aos 11 milhões. Ou seja, em apenas cinco anos Le Pen quase duplicou a sua votação. Isso não pode deixar ninguém descansado, até porque Macron foi visto pela maioria dos que nele votaram, apenas como o mal menor. 
Serão por isso, de extrema importância para o futuro de Macron, mas também de França e da União Europeia, as eleições legislativas do próximo mês de Junho. Só então se saberá se Macron sairá reforçado, ou condicionado pelas alianças pós eleitorais que terá de fazer. 
 Independentemente dos resultados das legislativas, sabemos que Macron não é, claramente, o presidente capaz de resolver os problemas criados pela globalização, especialmente a marginalização de milhares de trabalhadores vítimas da deslocalização das empresas. É nessa franja do eleitorado que Marine Le Pen angaria a grande maioria dos votos e, como é sabido, essa franja está em crescimento acelerado, porque os partidos do sistema não encontraram solução para resolver o problema do desemprego, nem suster as consequências daí decorrentes.
Macron também não parece ser capaz de tomar medidas que esbatam as desigualdades sociais. Pelo contrário. Tudo indica que a contestação nas ruas vai aumentar, porque a legislação laborar e a redução da carga fiscal sobre as grandes empresas podem ser  o rastilho para incendiar as ruas.
É ainda bom lembrar que na primeira volta mais de 40% dos franceses votaram contra a União Europeia e que esse número tende a aumentar se Macron não conseguir ( ou não quiser) um entendimento com  Merkel que permita relançar a Europa com base nos padrões que presidiram à União.
Tampouco se afigura provável a possibilidade de Macron conseguir acabar com o terrorismo. A  tentativa de islamização da França vai prosseguir, o terrorismo provocará mais vítimas e, cada atentado, representa mais dezenas de milhares de votos em Le Pen.
Face a este panorama - que até pode ser pintado com cores bem mais negras- é muito provável que nos próximos 5 anos o ovo da serpente continue a desenvolver-se e Marine Le Pen tenha a sua oportunidade de ouro em 2022. Isto, claro, se Macron- incapaz de criar uma aliança estável que lhe permita governar-não convocar eleições antecipadas. 

4 comentários:

  1. Creio cada vez mais que o mais grave problema da Europa é a classe política estar demasiado comprometida com os interesses económicos.
    Se é verdade que os interesses económicos são importantes, mais importante deveria ser o bem-estar dos cidadãos. E, para atingir um equilíbrio, a politica deveria regular atentamente e de forma isenta a actividade económica. Isso não acontece e cada vez mais as pessoas sentem que são preteridas em favor de interesses que beneficiam uma elite.

    Os votos anti-sistema serão uma realidade cada vez maior, muitas vezes não por convicção, mas antes como arma de protesto. E acredito que muitos dos votos do Trup, da Le pen e de outros afins sejam isso mesmo.

    Mas o grave problema é que os políticos vêm o que se passa à frente do seu nariz e continuam na mesma senda. Tremem um pouco, mas depois respiram de alívio e dizem "já passou"!

    Com estas eleições ganharam mais algum tempo... Mas quanto mais? Será que vão simplesmente continuar como se nada se passasse na Europa e continuar a criar as condições para que, mais ano, menos ano, haja uma implosão?

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  2. Foi só o primeiro round, Carlos.
    As legislativas são um desafio terrível.
    Escrevo hoje acerca do tema.

    ResponderEliminar