terça-feira, 11 de abril de 2017

Anda comigo ver os aviões




Há uns anos, quando Sócrates avançou com a ideia de construir um novo aeroporto, a blogosfera incendiou-se em discussões sobre  a sua localização ( OTA ou o deserto da margem sul)  e a indignação com o  despesismo que seria a construção de um novo aeroporto de raiz.
A ideia foi abandonada por razões sobejamente conhecidas.
Com o decorrer dos anos e o aumento explosivo do turismo, o aeroporto da Portela tornou-se demasiado pequeno e a necessidade de encontrar uma alternativa inadiável.
O actual governo reconhece  não haver dinheiro para construir um novo aeroporto, mas sabe que já não há tempo para adiar e, assim, optou por aproveitar a BA do Montijo para criar um novo espaço para as companhias aéreas.
Tanto bastou  para   gente que há anos se opunha de forma determinada à construção de um novo aeroporto,sair da toca para  protestar contra a solução encontrada e defender agora o que rejeitava há meia dúzia de anos: a construção de um  novo aeroporto.
Eu não percebo nada de aeroportos,  mas há muito tempo que reclamo o encerramento da Portela e a criação de um novo aeroporto. Posso estar errado mas, pelo menos, mantenho a coerência. Só não saio a defendê-la porque sou coerente até ao fim e continuo a dizer que o encerramento da Portela e construção de um  novo aeroporto- apesar de ser a solução ideal- é inviável, por agora, por falta de dinheiro. Ora lá diz o "pípal" que "quem não tem dinheiro não tem vícios, por isso avance-se para o Montijo. E rapidamente, para não acontecer com o aeroporto, o mesmo que aconteceu com a construção de uma bateria de costa na Pedra de Sal ( S. Pedro do Estoril).
A discussão sobre a necessidade de montar a bateria para proteger a nossa costa de ataques militares foi tanta, que quando Salazar anuiu já o dia D estava programado e a bateria só foi montada depois de a guerra terminar.

6 comentários:

  1. É mesmo. Venha a base do Montijo que serve para despejar mais uma data de gente da estranja e encher os hostels e outros parecidos ou diferentes. E sempre os alentejanos escusam de atravessar a Vasco da Gama. E que não se feche a Portela que gosto de ver os aviões a levantar vôo sobre a segunda circular.

    ResponderEliminar
  2. Grande Sócrates: estes tipos querem achanatar o teu aeroporto! O TGV parece que não vem para Portugal mas isso é o menos: tenho o espanhol a 60 Km!!!

    ResponderEliminar
  3. Pois é, Carlos. Neste país as pessoas de visão são destruídas, desprezadas, "assassinadas"... Já foi assim com o Damião de Góis...

    ResponderEliminar
  4. Ó Carlos, há males que Vêm por bem. A bateria de artilharia de costa de S- pedro do Estoril ao menos evitou que nessa zona e arredores fossem construídos arranha-céus, onde ainda só prevalecem vivendas. Algumas já substituídas e como quiseram fazer render o peixe, construíram-se casinhotas, com divisões que não dão para uma pessoa se mexer. Quanto ao aeroporto tenho/tive uma amiga que era dona de quase todos os sapais do Samouco, que esperava ficar ainda mais rica com a construção dum aeroporto. Isto já vinha do tempo da outra senhora. Tanto tempo que se perdeu, tantos programas onde se discutiu a Ota ou o Montijo, para ficarmos em águas de bacalhau. Neste país ninguém pode ter visão. Ficámos pelo "jamais" e só quando houver um grande acidente, além do ruído e poluição é que tomarão medidas mas nessa altura já não haverá espaço, a não ser que um terramoto e marmoto arrase tudo. Até na Ferreira Borges, onde eu morei, os prédios estremeciam Quando os aviões passavam por al ainda ou já a baixas altitudes, porque já existiam prédios bastante altos dum lado e doutro da rua.

    ResponderEliminar
  5. A Portela está esgotada.
    E aquela localização no centro da cidade, se é muito conveniente é também muito perigosa.
    Dito isto é necessário arranjar soluções.
    Que passam pelo local e pelo $$$.
    O problema existe, está reconhecido e diagnosticado.
    Venha agora a solução.

    ResponderEliminar
  6. Não sabia da história da bateria :)

    ResponderEliminar