sábado, 25 de março de 2017

Chazinhos da Paróquia (10)



Esta semana começo os chazinhos com um aviso aos leitores que vivem em Portugal: não se esqueçam que na próxima madrugada devem adiantar os ponteiros do relógio 60 minutos. Apesar de o tempo continuar chuvoso, vai ser dia até mais tarde e isso já é uma boa razão para nos sentirmos felizes.
E é felizes e contentes que eu vos quero ver este fim de semana, por isso incentivo-vos  a começar o fim de semana em São João da Madeira.
Perguntarão porque vos sugiro um fim de semana numa terrinha "tão sem graça", mas podem crer que há pelo menos três boas razões para lá irem
1-  Visitar  o Museu do Calçado 

Instalado na Torre da Oliva,  o Museu do Calçado proporciona uma extraordinária viagem no túnel  do tempo, que nos transporta através  da História,  contando a evolução do calçado.
 Além disso, vai encontrar no museu   sapatos de famosos como os de Manuela Azevedo ou  "do" Feiticeiro de Oz e sapatos com história ( não se admire se à saída lhe perguntarem qual é a história dos sapatas que usa nesse dia).
Antes de deixar o museu visite a exposição de arte  temporária, onde pode ver obras de vários artistas, entre as quais Joana Vasconcelos
Mesmo ao lado, também na Torre Oliva, fica o Museu da Chapelaria, a segunda boa razão para visitar São João da Madeira. Todos nos lembramos da frase de Vasco Santana na "Canção de Lisboa" ( Chapéus há muitos, seu palerma!) mas asseguro-vos que não é nenhuma palermice visitar este Museu.
O chapéu  é uma peça de vestuário que durante muito tempo caiu em desuso, mas de que eu há muitos anos não prescindo. 
Nos dois ou três últimos anos, aumentou  consideravelmente o número de pessoas que usam chapéu, mas muitas não conhecerão as muitas histórias que o chapéu esconde. Mais uma oportunidade para revisitar a história e ver  os rostos ligados à sua concepção e confecção.

Visite a exposição "90 Anos, 90 Factos" e ajude o Museu da Chapelaria a eleger o ano mais importante da História do Chapéu na cidade
Vamos agora à terceira razão que justifica uma viagem a S. João da Madeira: a Oliva Creative Factory.  Instalada no interior da antiga Fábrica Oliva,  a OCF é um projecto mesclado, com uma forte componente empresarial, ligada à cultura e ao lazer.
Além de um business centre para empresas consolidadas e de uma incubadora de empresas da indústria criativa, na Oliva Creative Factory encontra um espaço destinado à Arte, onde cohabitam uma escola de dança, uma sala de ensaios  de artes performativas, uma oficina de restauro e espaços para "brainstorming", onde os empresários ( ou potenciais empresários) podem reunir-se para discutir projectos.
Eu sei que foi um dia cheio, provavelmente almoçou na Fábrica dos Sentidos ( restaurante do Museu da Chapelaria) mas, para rematar o dia faço-lhe uma proposta ousada. Vá jantar à casa  do meu avô,
onde eu cresci e passei momentos inesquecíveis.
Fica na Rua Oliveira Júnior, bem perto da zona dos museus. Apesar do nome pouco apelativo (Quinta dos Teixeiras siga o link para ver as fotos ), asseguro-lhe que come bem e o proprietário é muitíssimo simpático.
Se ainda estiver dia passeie pelos jardins ( infelizmente já não o posso convidar para uma louca corrida de bicicletas na vereda, nem para uma partida de ténis ou um banho na piscina, mas sugiro-lhe que tome um aperitivo no caramanchão ou junto ao lago) e no final do jantar pergunte se pode visitar a casa. Se tiver sorte, ainda vai conhecer o quarto onde eu dormia e ver a sala de jogo onde ainda há pouco tempo permaneciam algumas belíssimas fotos do meu avô .
Esta semana ficamos por aqui, pois escrever  estes chazinhos  num roteiro que me traz tantas recordações fragilizou-me.
Há ainda tempo, porém, para sugerir uma dormida tranquilizante em Espinho no hotel Solverde. Mas se pretende mesmo reboliço então vá até ao Porto, que fica apenas a 30 quilómetros e onde não faltam locais onde se divertir. Da Ribeira aos Clérigos, passando pela Foz, é só "movida.

O Livro: Na semana em que se assinalou o Dia da Felicidade, o livro do Hygge ( ou o segredo dinamarquês para ser  feliz) parece-me uma boa proposta


O Filme:  Aquarius é um filme brasileiro surpreendente. Oportunidade para rever Sónia Braga ( em grande forma) revisitar o Brasil e perceber a razão porque Temer decidiu  impedir que esta alegoria à política brasileira tenha sido candidata  ao Óscar para Melhor Filme estrangeiro. É certo que em determinadas alturas senti falta das legendas, mas o problema é meu, que não vejo telenovelas.
E pronto, tenham um bom fim de semana. Com emoções fortes,  mas não tanto como as que eu tive enquanto escrevia estes chazinhos.

13 comentários:

  1. Boas sugestões que não deixo de anotar. :)

    ResponderEliminar
  2. Boas sugestões que não deixo de anotar. :)

    ResponderEliminar
  3. Esta madrugada também aqui se adiantam os relógios é eu perco uma hora de sono. Prefiro o horário de Inverno.

    Esta noite

    Caso vá a Portugal, penso visitar o museu aqui mencionado, por ser diferente dos museus qud vou visitar esta noite. Hoje é a Noite dos Museus.

    Sabia muito bem a razão porque os noruegueses são o povo mais feliz da Europa, mesmo antes de ler o livro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora li sem pressas as suas magníficas sugestões, que vou guardar para a minha próxima visita ao nosso país.

      Não jantei na casa do seu avô, Carlos, mas fiquei encantada com o edifício.

      Quanto ao filme brasileiro Aquarius já passou por aqui, mas não despertou interesse.

      Domingo feliz.

      Eliminar
    2. Quando for ao Porto, se houver oportunidade, terei muito gosto em convidá-la para jantar lá.
      Um bom resto de domingo e uma semana BOA!

      Eliminar
    3. O Carlos surpreende-me com o convite, o qual aceito com o maior prazer.

      Já não tenho vertigens, mas coninuo com problemas nos ouvidos, por isso, continuo a não poder andar de avião.

      Beijinhos primaveris.

      Eliminar
  4. A chávena dos cházinhos é um espanto de bonita, só reparei ontem:). E a casa do seu avô se calhar Teixeira, é linda. Passar a infância em lugar assim tem de condicionar um tanto o imaginário infantil. Penso isso de cada vez que revejo a casa onde cresceu Sophia. Não que a poesia lhe venha da casa. Mas convenço-me que o ambiente natural e humano ajudaram qb.
    Para quem não está longe, até me parecem boas sugestões ir ver modelos de chapéus e sapatos. Tal como existir um dia da felicidade é facto que me parece da mesma latitude de dar a um aeroporto português o nome de Cristiano Ronaldo.
    Quanto ao filme, sim, conto vê-lo, aprecio Sónia Braga, para os portugueses a Gabriela mais cravo e canela de sempre.
    O livro interessa-me menos. As receitas dos dinamarqueses receio bem, não se adaptem. E cada um deve procurar por si. Que a felicidade possível está na busca.
    E bom Dia uma hora mais cedo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu avô chamava-se Oliveira ( deram o nome dele à rua onde está a casa) e a foto, por acaso, é de um serviço de chá que era da minha avó e ainda anda cá por casa :-)

      Eliminar
  5. São João da Madeira tem ainda as fotografias do meu primo Paulo Coimbra Amado para visitar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro:
      Pode dar mais alguymas informações sobre as fotos do seu primo? Fazem parte de alguma exposição? Gostaria de saber, porque em breve, se a saúde permitir, penso iniciar um trabalho sobre S. João da Madeira.

      Eliminar
    2. O meu primo faz exposições várias vezes lá em São João da Madeira sob o nome de Paulo Amado.
      Neste momento acho que não tem nenhuma.
      O tipo, ao contrário do primo, tem muito talento para a fotografia e adora fotografar.
      Um bancário fotógrafo.
      E um gajo porreiro.

      Eliminar