sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Desculpem a insistência...

... mas volto hoje ao tema da Inteligência Artificial.
Não só porque o assunto me interessa, mas também porque acompanhei com muita atenção a Conferência que decorreu no Parlamento esta semana.
Foram colocadas questões extremamente interessantes e de grande relevância para o futuro, que merecem reflexão. Deixo-vos apenas duas, como proposta para o fim de semana:
Se for reconhecida a personalidade jurídica ( as máquinas forem consideradas pessoas) aos robôs e avançar a proposta de que devem pagar impostos, pergunta-se:
- Se pagam impostos e são pessoas os robôs poderão votar?
- Uma pessoa que tenha um robô em casa, mas se farte dele ( porque arranjou um mais moderno, ou porque já não precisa) pode mandá-lo para a sucata? E vendê-lo?
Aproveitem o fim de semana para pensar no assunto e depois digam-me qualquer coisa. ok?

1 comentário:

  1. Os robots poderão simplificar a nossa vida. Dar cabo dela. Trazer soluções e também problemas nunca vistos ou antes pensados. Mas nunca serão pessoas. Se houver algum alarve que deixe escrito e legisle o contrário merece ser esganado.Inteligência artificial não é igual a ser pessoa. Dar a uma máquina tal estatuto é coisa que não aceito e nem julgo venha a acontecer. E sim, quem tenha um robot fora de uso pode pô-lo na sucata; aquele emaranhado de fios, por melhor aspecto que tenha no exterior, é só essa pobreza desgraçada.
    Já pensei. Posso pensar noutra coisa. Ou ir só perseguir o sono, correr atrás dele, encasulá-lo com o caça borboletas.
    Tenha um bom fim de semana

    ResponderEliminar