quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Um alentejano com visão (cu)lateral



Luís Godinho, um alentejano de Évora, queria desesperadamente entrar para o anedotário local. Faltando-lhe talento para  atingir tal desiderato, vestiu-se de amarelo, pôs um apito na boca e ofereceu-se ao Conselho de Arbitragem (CA) para ir a Moreira de Cónegos  arbitrar um jogo de futebol.
Depois de uma noite de copos, onde o factor cunha também teve um papel relevante, o presidente do CA lá o mandou arbitrar o jogo entre o clube local e o FC do Porto, mas não sem antes lhe entregar uma mensagem onde se lia:
" Faz como o Capela em Chaves  e serás recompensado com  a glória de primeiras páginas nos jornais".
Luís ficou magoado. Não queria ser confundido com um insignificante Capela dos roubos de Igreja, capaz mesmo de roubar a caixa das esmolas. Decidiu, por isso, ser original. Copiou Capela fazendo vista grossa a duas grandes penalidades a favor do FC do Porto, mas depois mostrou toda a sua originalidade, inventando uma nova regra no futebol:
- Se o árbitro vier a correr de costas e abalroar um jogador, deve mostrar-lhe o cartão vermelho.
O objectivo desta regra é mostrar que um árbitro (in)decente também pode manipular resultados se tiver uma boa visão pelo olho do fundo das costas. Ou, por outras palavras, que tenha uma visão de m....
Não fossem as minhas suspeitas de que Luís Godinho se terá inspirado numa cena que vi nas vésperas de Natal nos jardins do Casino do Estoril, estaria neste momento a louvar-lhe a astúcia e criatividade. E não fosse a minha indignação por ver o FC do Porto ser sistematicamente roubado por arbitragens indecorosas, nos dois últimos anos, não lhe recusaria os meus aplausos.
Acontece, porém, que os roubos sistemáticos me fazem lembrar os tempos do Calabote que por coincidência (ou talvez não) também era alentejano. E, ainda mais curioso, também de Évora.
Quase me apetecia dizer que há uma enorme incompatibilidade entre ser eborense e árbitro. Mas não vou por aí. Os eborenses são gente honesta, desde que não lhes ponham um apito na boca.
Prefiro, pois, direcionar as minhas críticas para quem conferiu aos árbitros um estatuto  de impunidade. Refiro-me obviamente ao presidente do CA que advoga severas penas e multas pesadíssimas para quem criticar a arbitragem. Mesmo que os erros sejam tão clamorosos como o de Luís Godinho, que expulsou um jogador que ele próprio abalroou, as vítimas têm de ficar caladinhas, porque senão o presidente do CA castiga-os.
Obviamente que na comunicação social do costume vão surgir "provas irrefutáveis"  de que Danilo tentou agredir o árbitro. Os jornalistas desportivos são como Luís Godinho. Vêem pelo olho que mais lhes convém e o resultado é escreverem caca. 
Nota final: o FC do Porto está fora da Taça da Liga por culpa própria, pois não conseguiu vencer os dois jogos em casa contra Belenenses e Feirense, apesar de ter jogado o suficiente para ganhar. Mas ser roubado desta maneira indigna qualquer pessoa de bem. É que a arbitragem das duas últimas épocas está ao nível das do tempo do Estado Novo, quando o beneficiado era sempre o mesmo. Tenho é pena de ver alentejanos ligados a esta escandaleira, tão típica do tempo em que um clube da segunda circular tinha de ganhar o campeonato, mesmo que o árbitro tivesse de inventar penalties e meter golos pelos avançados...

6 comentários:

  1. Não vi o jogo, não posso pronunciar-me.
    Contudo, e a acreditar - porque acredito - no que o Carlos relata, não posso deixar de me recordar dos tempos em que os jogadores do FCP corriam atrás dos árbitros e estes fugiam, com medo. O exemplo que me vem à memória é o de José Pratas.

    Caro amigo, o futebol é assim e não vai mudar enquanto as paixões exacerbadas não diminuirem.

    Repito, não vi o encontro de ontem.

    ResponderEliminar
  2. Deixei de ver os jogos do FC Porto para evitar sofrimentos. E os outros não vejo porque não me interessam. Resultado só vejo jogos quando jogam para a taça dos Campeões Europeus

    ResponderEliminar
  3. Caro Carlos Barbosa:
    Se numa análise destas se faz referência a Calabote, ao "tempo em que um clube da segunda circular tinha de ganhar o campeonato, mesmo que o árbitro tivesse de inventar penalties e meter golos pelos avançados..." e outras insinuações, é justo que se faça alguma referência ao período (do apito) dourado de PC à frente do FCP, à fruta e ao chocolate...

    ResponderEliminar
  4. A expulsão do Danilo e a pega de cernelha ao André André vão entrar para o anedotário futebolístico.
    O Porto não esteve bem na Taça da Liga, os árbitros têm estado péssimos.
    Assim fica a ideia que nem vale a pena tentar.

    ResponderEliminar
  5. Como o Porto não joga nada e isto já lá não vai com apitos coloridos e frutas morenas, põem-se a gritar por um penalti em cada jogo jogado.

    Anda a ver se lhos começam mesmo a marcar que é para entrar no Guinesse como o único clube do mundo que teve um penalti em todos os jogos que fez.

    ResponderEliminar
  6. A sério, antes desta o Porto queixa-se de que ficaram por marcar 17 penaltis a seu favor este ano. Uma média de um por jogo. Não V. parece demais?

    No mesmo número de jogos o clube que domina a arbitragem só teve direito a três e não teve a seu favor quatro jogos seguidos com jogadores adversários expulsos

    ResponderEliminar